Select Menu
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


Essa com certeza não é uma pergunta fácil de responder nem tampouco de entender.

Antimatéria é exatamente o que você pode estar pensando que é - o oposto da matéria normal, da qual é feita a maior parte do nosso universo. Até pouco tempo, a presença da antimatéria no nosso universo era considerada apenas uma teoria. Em 1928, o físico britânico Paul A.M. Dirac revisou a famosa equação de Einstein, E=mc² e concluiu que Einstein não considerou que o "m" na equação - massa - poderia ter propriedades tanto negativas como positivas. A equação de Dirac (E = + ou - mc²) permitiu postular a existência de antipartículas no nosso universo.



Essas antipartículas são, literalmente, imagens-espelho da matéria normal. Cada antipartícula possui a mesma massa que a sua partícula correspondente, mas as cargas elétricas são inversas.
Paul Dirac.


As Antipartículas

Antipartículas são genericamente partículas elementares que constituem a chamada antimatéria.
Com as corretas previsões de Dirac sobre as antipartículas, começou-se a busca por estas fragmentos exóticos do Universo. Em 1932, o positrão (Pósitron) foi observado por Carl David Anderson  que ganhou o prêmio Nobel de física de 1936 pela descoberta. 

Depois da descoberta da primeira anti-partícula, outras mais foram sendo encontradas. Todas elas, claro, possuiriam natureza simétricas às partículas elementares da matéria, tendo a mesma massa
 que aquelas, porém com cargas elétricas e momentos angulares com os mesmos valores absolutos que suas correspondentes simétricas mas, com campos eletromagnéticos (sinais) são contrários. Sempre que uma antipartícula colide com a sua respectiva partícula dá-se o aniquilamento das duas entidades. 
Quadro mostrando as antipartículas. Podemos observar a simbologia típica com um traço logo acima da letra de cada antipartícula. Logo acima, temos a energia de cada uma. À esquerda, temos o spin da partícula relacionada e logo abaixo, temos a nomenclatura das mesmas. 
Conceitua-se que antipartícula é a denominação que se utiliza para partículas consideradas elementares pela física e que apresentam a mesma massa, spin e paridade de uma partícula. Porém, sua carga elétrica, número bariônico, número leptônico e números quânticos de estranheza, força trifônica, opostos. Para cada partícula corresponde uma antipartícula. Algumas partículas neutras, como o fóton (partícula-onda) e o pi neutro, são suas próprias antipartículas.

Fontes:
 Kevin Bonsor / HowStuffWorks
P. A. M. Dirac. On the quantum theory of the electron

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter