Select Menu
» » » Astrônomos encontram o mais antigo planeta alienígena potencialmente habitável
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Potencialmente habitáveis ​​Mundo Kapteyn b
representação artística do mundo potencialmente habitável Kapteyn b com o aglomerado globular Omega Centauri em segundo plano. Acredita-se que o Omega Centauri é o núcleo remanescente de uma galáxia anã que se fundiu com a nossa própria galáxia há bilhões de anos trazendo a estrela de Kapteyn junto.
Os astrónomos descobriram o que parece ser o mais antigo planeta alienígena conhecido, capaz de suportar vida, e está apenas a poucos passos de distância da Terra.  


candidato a exoplaneta Kapteyn b, que fica a apenas 13 anos-luz de distância, têm cerca de 11,5 bilhões de anos, dizem os cientistas. o que o torna duas vezes mais velho do que a terra, e 2 bilhões de anos mais jovem que o próprio universo, uma vez que sabemos que o Big Bang, ocorreu há 13,8 bilhões de anos.


"Ele faz você se perguntar que tipo de vida poderia ter evoluído nesses planetas por um longo tempo", disse o principal autor do estudo, Guillem Anglada-Escudé, da Queen Mary University of London, em um comunicado.

Anglada-Escudé estava se referindo a Kapteyn b e seu irmão, o mundo recém-descoberto, Kapteyn c, ambos orbitando uma anã vermelha próxima conhecida como Estrela de Kapteyn. Mas só Kapteyn b, um "super-Terra" cerca de cinco vezes a massa de nosso planeta, é pensado que seja potencialmente habitável; o planeta maior, o Kapteyn c é provavelmente  frio, disseram os pesquisadores.

Os astrônomos avistaram os dois planetas alienígenas, observando as pequenas oscilações seus rebocadores gravitacionais induzidos no movimento da estrela do Kapteyn. Estes rebocadores causaram mudanças na luz da estrela, que foi detectada pela primeira vez usando o espectrômetro HARPS no Observatório de La Silla do Observatório Europeu do Sul, no Chile. Outras observações por outros dois espectrômetros - no Observatório Keck, no Havaí e o instrumento PFS pelo Telescópio do Chile Magalhães II, confirmaram com segurança o achado.

A equipe não esperava encontrar um mundo possivelmente habitável ​​em torno de estrelas do Kapteyn, que é um terço da massa do Sol, mas tão perto da Terra que é visível por telescópios amadores , no sul da constelação de Pictor (pintor).

"Ficamos surpresos ao encontrar planetas que orbitam a estrela de Kapteyn", disse Anglada-Escudé. "Dados anteriores mostraram algum excesso moderado de variabilidade, por isso, fomos à procura de planetas em um curto período em que os novos sinais apareceram altos e claros."

Kapteyn b está na zona habitável da estrela, a gama de distâncias que poderiam suportar água líquida - e assim, talvez, a vida como a conhecemos - na superfície de um mundo. O exoplaneta completa uma órbita a cada 48 dias. Quanto ao mais frio, Kapteyn c, que é muito mais longe, ele circula sua estrela em um período de 121 dias.

A intrigante é a estranha história do sistema Kapteyn.

A estrela originalmente pertencia a uma galáxia anã que a nossa própria Via Láctea eventualmente absorveu. Pesquisadores disseram que, o Kapteyn e seus planetas em sua órbita rápida foram arremessados da elíptica no "halo" galáctico - a região rodeando o disco espiral familiar ao da Via Láctea . 

O remanescente desta devorada galáxia anã é provávelmente Omega Centauri, um aglomerado globular há cerca de 16.000 anos-luz que contém muitos milhares de estrelas que possuem cerca de 11,5 bilhões de anos, disseram os pesquisadores.

"A presença e a sobrevivência a longo prazo de um sistema planetário parece um feito notável, dada a origem peculiar e história cinemática da estrela de Kapteyn," escrevem os pesquisadores no novo estudo, que será publicado no Monthly Notices da Royal Astronomical Society. "A detecção de planetas de massa super-Terra em torno de estrelas do halo fornece dados importantes  sobre processos de formação planetária no início da Via Láctea."

A nova descoberta é muito emocionante que poderia informar a busca de vida alienígena em toda a galáxia, disseram os pesquisadores externos.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter