Select Menu
» » Sistema solar que poderia conter 60 Terras
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Por que se contentar com um planeta habitável, quando você pode ter 60?
Um astrofísico projetou o sistema estelar final hipotético com mundos semelhantes à Terra, sem quebrar as leis da física. Tal monstruosidade cósmica é improvável que exista na realidade, mas pode inspirar estudos de exoplanetas futuras.
Sean Raymond do Observatório de Bordeaux  na França iniciou a sua partida para a construção do sistema estelar fantasia com um par de regras básicas. Em primeiro lugar, o arranjo dos planetas deve ser cientificamente plausível. Em segundo lugar, eles devem ser gravitacionalmente estáveis ao longo de bilhões de anos: não há nenhum ponto em colocar os planetas em órbita só para vê-los em espiral para o sol.
"Os argumentos foram baseados na literatura científica recente, bem como alguns cálculos simples que eu fiz", diz Raymond. Em alguns casos, foi impossível escolher entre dois cenários por causa da falta de dados, de modo que ele só pegou o que ele mais gostava.

Uma estrela anã vermelha poderia suportar 24 planetas habitáveis, do tamanho da Terra (Image: planetplanet.net)

Para começar ele escolheu uma estrela anã vermelha como "Mãe" do sistema, porque elas têm uma massa menor do que estrelas como o nosso sol e assim vivem mais tempo, formando uma zona habitável estável - a região em torno de uma estrela em que pode existir água em estado líquido.
Em seguida, ele usou alguns truques para aumentar o potencial de seu sistema planetário. Um planeta do tamanho da Terra também pode ter uma lua quase do tamanho da Terra, com os dois mundos que orbitam em torno de um ponto central. Além do mais, dois pares de planetas orbitam uma estrela na mesma distância, desde que estejam separados por 60 graus, graças a um par de pontos gravitacionalmente estáveis. No nosso sistema solar estes pontos são normalmente habitados por asteroides, ao invés de planetas, mas nada impede um cenário com múltiplos planetas. Objetos nesta configuração são conhecidos como cavalos de Troia - Júpiter tem milhares, e até mesmo a Terra tem um.

Um sistema de estrelas, com quatro gigantes gasosos poderiam suportar 36 mundos habitáveis ​​(Image: planetplanet.net)

Há espaço para seis dessas configurações orbitais na zona habitável de uma anã vermelha, dando um total de 24 planetas habitáveis ​​em um sistema. Mas acontece que há também uma outra maneira de construir um sistema embalado: Júpiter.

Gigantes gasosos, como Júpiter, não são habitáveis para a vida como a conhecemos, mas podem ser orbitados por luas parecidas com a Terra (como as luas Europa e Enceladus, que orbitam Júpiter e Saturno, respectivamente, e que são ótimas candidatas para a vida fora da Terra).

Uma anã vermelha pode ter quatro planetas semelhantes a Júpiter, cada um com cinco luas como a Terra. Além disso, os espaços dos cavalos de Tróia podem permitir mais dois planetas como a Terra em ambos os lados dos “Júpiteres” em órbita, aumentando o número total de mundos habitáveis ao redor da anã vermelha para 36.
 sistema solar final: um sistema estelar binário de suporte 60 planetas habitáveis ​​(Imagem: planetplanet.net

Infelizmente, provavelmente não podemos encontrar algo assim no Universo.

Segundo Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, em Hatfield, no Reino Unido, que ajudou a descobrir o sistema estelar com o maior número de planetas conhecidos, essa é uma ideia instigante, mas as chances de um sistema desse tipo realmente se formar no universo real são mínimas.
“Isso é devido à falta de matéria perto da zona habitável no disco de acreção a partir do qual os planetas se formam”, diz Tuomi. Seria um grande feito para a natureza.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter