Select Menu
» » » Confirmado: Voyager 1 entrou no espaço interestelar
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Voyager 1 Entrando Interstellar Espaço Novos dados recolhidos pela sonda Voyager 1 da NASA têm ajudado os cientistas confirmarem se a sonda longínqua estaria realmente viajando através do espaço interestelar.

A Voyager 1 fez manchetes em todo o mundo no ano passado, quando os cientistas da missão anunciaram que a sonda tinha aparentemente deixado a heliosfera - a enorme bolha de partículas carregadas e campos magnéticos em torno do sol - em agosto de 2012.

Eles chegaram a essa conclusão depois de analisar medidas que a Voyager 1 fez, na esteira de uma poderosa erupção solar, conhecida como ejeção de massa coronal, ou EMC. A onda de choque deste EMC fez com que as partículas em torno Voyager 1 vibrassem substancialmente, permitindo que os cientistas da missão calculassem a densidade  em torno da sonda ( Porque o plasma mais denso oscila mais rápido).

Esta densidade era muito maior do que a observada nas camadas mais externas da heliosfera, permitindo que os membros da equipe concluíssem que a Voyager 1 entrou um novo reino cósmico. ( O espaço Interestelar está mais vazio do que as áreas perto da Terra, mas o sistema solar se afina dramaticamente perto da borda da heliosfera.)

A EMC em questão entrou em erupção em março de 2012, e sua onda de choque chegou a Voyager 1, em abril de 2013. Após estes dados chegarem, a equipe desenterrou um outro evento menor de EMC, um choque que iniciou-se desde o final de 2012, que inicialmente tinha passado despercebido. Ao combinar essas medições separadas com conhecimento da velocidade de cruzeiro da Voyager 1, os pesquisadores foram capazes de rastrear a entrada da sonda para o espaço interestelar a agosto de 2012.

E agora os cientistas da missão têm a confirmação, na forma de dados de um terceiro choque CME, que Voyager 1 observou em março deste ano, os oficiais da NASA anunciaram na segunda-feira (7 de julho).

"Estamos animados para analisar esses novos dados," disse Don Gurnett, da Universidade de Iowa, o investigador principal do instrumento de ondas de plasma da Voyager 1, em um comunicado. "Até agora, podemos dizer que eles confirmam que estamos no espaço interestelar."

Espaço interestelar começa onde termina a heliosfera. Mas por algumas medidas, a Voyager 1 se mantém no interior do sistema solar, que é rodeado por uma concha de cometas conhecida como a Nuvem de Oort.

Enquanto não se sabe exatamente o quão longe a Nuvem de Oort  está da Terra,a  Voyager 1 não vai ficar lá por um bom tempo. Os cientistas da NASA estimam que a Voyager 1 vai emergir da Nuvem de Oort em 14.000 a 28.000 anos.

A nave lançada em setembro de 1977, cerca de duas semanas depois de sua irmã gêmea, a Voyager 2. As sondas embarcaram em um "grand tour" do sistema solar exterior, dando ao mundo alguns de seus primeiros olhares  em Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e as luas desses planetas.

Como Voyager 1, a Voyager 2 ainda estão ativas e em operação. Elas tomaram uma rota diferente através do sistema solar e é esperado que elas se encontrem no espaço interestelar  daqui a alguns anos.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter