Select Menu
» » » Marte, Saturno, Mercúrio e Vênus no céu de Julho
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


O céu noturno de julho está cheio de planetas para o deleite dos astrônomos profissionais e amadores, mas você tem que saber quando e onde procurar para obter a sua correta visão do sistema solar.

Em todo o mês de julho, o planeta Marte e a estrela Spica brilham como uma estrela no céu a oeste-sudoeste durante a noite. Saturno, o "O Senhor dos Anéis", pode ser encontrado mais a esquerda de Marte e Spica e vai subir um pouco mais alto (e definir-se um pouco mais tarde) a cada noite.

Quase no final da noite deste mês, Vênus e Mercúrio surgirão no crepúsculo do amanhecer acima do horizonte leste-nordeste, logo à frente do sol. O único planeta brilhante "fora do circuito" este mês é Júpiter, que vai estar muito perto do sol para ser visível através de julho.

Para ajudar a localizar seus alvos, você pode usar o seu punho fechado no comprimento do braço - o equivalente a cerca de 10 graus - para medir distâncias angulares fora. As estrelas mais brilhantes no céu são classificadas como primeiro ou zero grau na escala de brilho usada pelos astrônomos. Os próprios objetos mais brilhantes (Vênus, Lua e Sol) são de magnitude negativa.

Medidas angulares na astronomia podem ser feitas facilmente usando seus dedos e punhos. 
Listamos abaixo a posição dos planetas em detalhes no céu noturno deste mês:

Julho Mercury Venus Sky Map


05 de julho: pairando acima da lua, e com a escuridão de sábado à noite, poderemos ver Marte, que brilha no céu sul-sudoeste, ao anoitecer, suplantando em brilho somente pela estrel de semelhantes tons, Arcturus (Const. Boieiro) que está alta no sudoeste, e a azulada Vega ( alta no nordeste). Enquanto o céu escurece mais, a estrela vizinha azul Spica, torna-se proeminente cerca de 4 graus  no canto inferior esquerdo. Depois que Marte passar para o norte de Spica em 13 de julho, nós vamos ser capazes de ver o planeta vermelho retirar-se em direção ao leste da estrela muito rapidamente. Julho é o mês  que Marte vai mostrar mais do que alguns traços de características de superfície em telescópios de médio porte nas noites de boas condições climáticas. Em 2 de julho, o planeta terá diminuído sua distância para 1 unidade astronômica (93.000 mil milhas ou 150.000 mil quilômetros) da Terra. 

7 de julho:  Saturno aparece como uma brilhante "estrela" branco-amarelada 1,3 graus acima e à esquerda da lua minguante esta noite. Quase todo mundo se lembra sua primeira vista de Saturno. O sistema com um magnífico anel, o mundo unido, e as luas levemente cintilantes fazem Saturno um objeto de rara beleza. Os anéis estão atualmente inclinados cerca de 21 graus em direção à nossa linha de visão, a menos este ano. Para discerni-las claramente você vai precisar de um telescópio com ampliação de no mínimo, de 30 x; um refrator de 4 polegadas (100mm) ou refletor de 6 polegadas (152mm) e com 150 x de aumento. Estas são provavelmente as aberturas mínimas e ampliações necessárias para fazer estudos detalhados sobre este planeta.

12 de julho:  Mércurio chega a sua maior elongação nesta manhã, a 21 graus a oeste Sol. Procure-o cerca de 45 minutos antes do nascer do sol. Ele irá aparecer como uma "estrela" brilhante no crepúsculo brilhante e reluzente cerca de 8 graus abaixo e à esquerda do brilhante Vênus. Durante as próximas duas semanas, o Mercury clareia visivelmente e segue  lentamente  para longe de Vênus enquanto se move para mais perto do sol.

13 de julho:  Marte desliza ao norte de Spica, esta noite, sendo este o terceiro e último conjunto de uma série de três (uma "conjunção tripla"). Marte já passou por esta estrela em 3 de fevereiro e 25 de março, mas este conjunto é o mais próximo dos três; O planeta e a estrela estão separados por apenas 1,3 graus. O contraste entre o amarelo-laranja de  Marte e o azulado de Spica é impressionante.

24 de julho:  Vênus, a "estrela da manhã", sobe à primeira luz e brilha baixo no leste-nordeste nos primeiros raios da aurora. Esta manhã, você também vai ver uma lua crescente delicadamente fina pairando cerca de 4 graus à sua esquerda. Em um telescópio, Vênus é apenas uma pequena "bolinha" minguante. o se esqueça Mercurio! Ele parece visivelmente mais baixo acima do horizonte leste-nordeste em relação ao início do mês, mas com sua  magnitude -1 ele estará visível cerca de 10 graus para a esquerda inferior lua crescente.  

Fonte: Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter