Select Menu
» » » » Evolução do Sistema Solar: Voltando para trás ao útero cósmico do Sol
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Os astrónomos já traçaram o crescimento do sistema solar e da Terra de volta ao seu útero cósmico, antes do nascimento do sol e os planetas.

O sistema solar se uniu a partir de uma enorme nuvem de poeira e gás que foi isolada do resto da galáxia Via Láctea 30 milhões de anos antes do nascimento do sol (quase 4,6 bilhões de anos atrás), suregiu um novo estudo publicado on-line, nesta quinta, 07 de agosto na revista Science. Esta nuvem gerou talvez dezenas de milhares de outras estrelas, disseram os pesquisadores. 

Se os trabalhos futuros confirmarem estas conclusões, "teremos a prova de que sistemas planetários podem sobreviver muito bem nas primeiras interações com muitos irmãos estelares", disse a principal autora, Maria Lugaro, da Universidade de Monash, na Austrália.

Nasce uma estrela 

A datação radiométrica de meteoritos deu aos cientistas uma idade exata para o sistema solar (4570000000 anos), para mais ou menos algumas centenas de milhares de anos. (O Sol se formou em primeiro lugar, e os planetas então se uniram a partir do disco de material restante orbitando nossa estrela.) 

Mas Lugaro e seus colegas queriam voltar ainda mais no tempo, para entender melhor como e quando o sistema solar começou a tomar forma. 

Isso pode ser feito por estimativa das abundâncias de isótopos de certos elementos radioativos conhecidos que estavam presentes em toda a Via Láctea, quando o sistema solar estava se formando, e em seguida, comparando essas abundâncias as observações em meteoritos antigos. (Isótopos são versões de um elemento que têm diferentes números de nêutrons em seus núcleos atômicos.) 

Estimar essas abundancias radio isotópicas em todo a Via Láctea há muito tempo é uma tarefa difícil e envolve modelagem computacional complexa de como as estrelas evoluem, geram elementos pesados ​​em seus interiores e, eventualmente, ejetam esses materiais no espaço, disse Lugaro. 

Mas ela e sua equipe fizeram uma descoberta fundamental, chegando com uma melhor compreensão da estrutura nuclear de um radioisótopo conhecido como háfnio-181. Este avanço levou os pesquisadores a uma melhoria da imagem muito de como háfnio-182 - um isótopo diferente cuja abundância no início do sistema solar são bem conhecidos - é criado dentro das estrelas. 

"Eu acho que a nossa principal vantagem tem sido a de ser uma equipe de especialistas em diferentes campos: astrofísica estelar, física nuclear e ciência de meteoritos e planetária assim conseguimos trocar informações de forma eficaz", disse Lugaro.



Um berçário estelar de longa duração 


Cálculos da equipe sugerem que as matérias-primas do Sistema Solar foram isoladas por um longo tempo antes que o Sol se formasse - talvez tanto quanto 30 milhões de anos. 

"Considerando que demorou menos de 100 milhões de anos para que os planetas terrestres se formassem, este tempo de incubação parece surpreendentemente longo,"disse Martin Bizzarro, da Universidade de Copenhague, na Dinamarca.

"Com a descoberta antecipada de planetas semelhantes à Terra em zonas habitáveis​​, o desenvolvimento de um modelo unificado para a formação e evolução do nosso sistema solar é oportuna," escreveu Bizarro. "O estudo da Lugaro et al. Ilustra bem que a integração da astrofísica, astronomia e astroquímica é o caminho mais rápido para alcançar esta meta desafiadora." 

Os pesquisadores planejam investigar em outros elementos radioativos pesados ​​para confirmar e refinar suas estimativas de tempo, disse Lugaro. 


O resumo do novo estudo pode ser encontrado aqui, enquanto este link leva para a parte  abstrata de Bizzarro.

Space.com, Science.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter