Select Menu
» » » » » » » » Robô Philae e Obelisco Philae: uma janela para o passado cósmico e arqueológico
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

"A verdadeira viagem de descoberta não consiste em procurar novas paisagens, mas em ter novos olhos." - Marcel Proust

Separados por dois milênios, o lander Philae e Obelisco Philae iluminaram dois caminhos distintos e compartilhados de descobertas. O robô Philae, recentemente lançado pela Agência Espacial Europeia (ESA) através da nave-mãe Rosetta, é o veículo espacial robótico que pousou no cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko, na semana passada, na esperança de desvendar alguns dos segredos dos cometas antigos. O obelisco de Philae,assim como a pedra Rosetta, muito mais conhecido, ajudou a desvendar os segredos dos antigos e idecifráveis hieróglifos egípcios de 200 anos atrás. Ambos estão agora ligados pela tecnologia: os mesmos tipos de sensores a bordo do lander Philae estão ajudando arqueólogos a desbloquearem as mensagens do obelisco para revelar segredos do Egito antigo.

Uma mensagem em granito

A história começa 2.100 anos atrás, quando um grupo de sacerdotes do Egito solicitou com sucesso o seu rei Ptolomeu VIII para um corte de impostos. Os sacerdotes criou um documento permanente do seu sucesso na forma de um 7 metros de altura (23 pés) obelisco de granito. Mesmo sem saber que este obelisco serviria mais tarde para desvendar os segredos da escrita egípcia antiga, os sacerdotes inscrito no obelisco em grego, com orações escritas em hieróglifos egípcios, para que todos possam ver e compreender para sempre.
Acima, vemos a cártula de Ptolomeu, no obelisco de Philae. Abaixo, temos a cártula de Cleópatra, na Pedra de Rosetta. Champollion cruzou os dados de ambas as cártulas e descobriu um padrão de escrita, decifrando assim os hieróglifos.

No entanto, com a queda de seus eventuais conquistadores romanos 600 anos mais tarde, o conhecimento de hieróglifos pereceu, e inscrição egípcia do obelisco permaneceu ilegível por séculos.

Depois, no século 19, o egiptólogo Jean-François Champollion usou a inscrição tri-lingual recentemente descoberta na famosa pedra Rosetta e cruzou os dados da inscrição bilíngue no obelisco de Philae para decodificar os hieróglifos (escritas sagradas). Embora a importância da pedra de Roseta não pôde ser subestimada, o papel do obelisco em cimentar hieróglifos como uma língua fonética foi inestimável.

O próprio Carl Sagan, na série Cosmos, apresentou a história da descoberta de Champollion, no episódio 12 - Enciclopédia Galáctica aqui

Olhos digitais para ver o passado

Atualmente o obelisco do Templo de Philae está localizado em Kingston Larcy, na Inglaterra.
Agora, as novas tecnologias de imagem baseadas em computador chamada de mapeamento polinomial de textura (PTM) e imagens multiespectrais (MSI) estão permitindo que pesquisadores revisem o obelisco de Philae e revelem partes das inscrições que corroeram com o tempo.

Enquanto a arqueologia é muitas vezes beneficiada de escavações expandidas e valas mais profundas, o campo está agora entrando em uma era em que as descobertas mais espetaculares não estão saindo do chão, mas fora de coleções de museus existentes. A Arqueologia Digital está permitindo que especialistas descubram os segredos à vista de todos; na verdade, indo além dos limites da visão humana e documentando linhas de esboço sob camadas de tinta, transcrevedno inscrições gravemente erodidas e recuperando os manuscritos mais fracos.

Com o poder dessas tecnologias crescendo exponencialmente, a próxima descoberta inovadora poderia facilmente serem descobertas no porão de um museu como sob as ruas de Cairo.

PTM é uma tecnologia fotográfica computacional poderosa que está, literalmente, lançando uma nova luz sobre objetos antigos. A sua capacidade de analisar os mínimos recursos de topologia da superfície levou a avanços nos campos da epigrafia, arqueologia e papirologia. As descobertas têm sido tão frequentes e significativas que os museus e arqueólogos de todo o mundo estão tentando trazer o PTM para os protocolo do padrão internacional para documentação de artefatos. Na verdade, a idade de arqueologia digital tem começado uma revolução silenciosa em estudos clássicos. Estudiosos já não se sentem limitados por aquilo que eles podem ver com seus próprios olhos.

O trabalho atual do PTM já permitiu aos pesquisadores confirmarem as primeiros transcrições do texto hieroglífico e grego sobre o obelisco de Philae e começarem a estudar as marcas de ferramentas. Nas próximas semanas, epigrafistas também vai empregar o MSI em foco no texto grego na base do obelisco, onde porções significativas do texto estão quase completamente corroídas, deixando enormes faixas de texto desaparecidas.

Espera-se que a luz ultravioleta e infravermelha captem um pouco da pintura original que adornava o obelisco e ajudem os pesquisadores a lerem mais do texto para obterem uma melhor compreensão da correspondência exata entre Ptolomeu VIII e os sacerdotes de Philae. Além disso, em uma linguagem onde uma única palavra, ou mesmo uma única letra, pode mudar todo o significado de uma frase, cada mínima pego pela PTM poderia contribuir para, ou mesmo alterar, a nossa compreensão atual.

Olhos digitais no espaço

Enquanto isso, a 300 milhões de quilômetros, no cometa 67P, o lander Philae está equipado com o equipamento Rolis (Rosetta-Lander Imaging System) e CIVA (Comet Infrared Nuclear and Visible Analyzer), sendo que ambos usam tecnologias de imagem digital e analisadores multiespectrais para "ver" o cometa e enviar imagens para a Terra.

Ao longo dos próximos meses, os cientistas vão usar as mesmas propriedades espectrais que os pesquisadores estão usando para pegar traços de tinta sobre o obelisco, ainda que de diferentes elementos, para analisar e isolar a composição exata do cometa. Ao compreender isso, mais pode ser aprendido sobre as origens do cometa 67P, outros cometas no nosso sistema solar e da natureza de todo o sistema solar.

Embora a lander Philae esteja agora sem energia devido a uma avaria no aparelho de destino, os dados recolhidos no seu curto período de tempo estão sendo analisados por cientistas e observados para lançar luz sobre muitas das questões colocadas no início da missão. À medida que o cometa se aproxima mais e mais perto do sol, Rosetta  terá que assumir a missão de continuar a usar tecnologias de mapeamento semelhante à PTM para avaliar as mudanças na topografia do cometa. Ao monitorar os sinais vitais de 67P constantemente, os cientistas ansiosos para ver um processo que tem sido sempre apenas observado a partir de milhares de quilômetros de distância.

Esta é uma ferramenta poderosa para reconhecer que muitas tecnologias que estão sendo usadas no espaço para levar os cientistas às origens do sistema solar têm usos igualmente valiosos na Terra, ajudando arqueólogos descobrirem segredos perdidos do passado.

Esta imagem mostra o poder de transformação de imagens de reflectância (RTI) em uma imagem do obelisco de Philae. Crédito: Ben Altshuler, da Universidade de Oxford
Como o próprio Carl Sagan disse, assim como uma cultura antiga revelou seus segredos através da Pedra de Rosetta e do obelisco Philae, nós também estamos procurando mensagens, talvez, de uma civilização antiga e exótica, ou talvez, no caso da nossa missão atual, estamos procurando pistas para nossa origem, nosso lugar no Cosmos.

Haverá uma pedra de Rosetta Cósmica? Talvez sim, mas essa pedra terá uma língua própria e universal: a ciência!

Adaptado de Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter