Select Menu
» » » » 4 teorias meio malucas, mas que poderiam explicar o nosso Universo
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Segundo estudos, o cosmos é entrelaçado em um “manto” que chamamos de espaço-tempo, que é composto por uma teia cósmica que conecta as galáxias brilhantes e de matéria escura invisível. Você pode até achar um pouco estranha essa descrição, mas centenas de imagens, dados experimentais e modelos compilados ao longo de décadas podem apoiar esse conceito.

No entanto, conforme novas informações são inseridas no contexto, os especialistas estão considerando formas ainda mais estranhas para descrever o Universo, incluindo algumas que nunca antes foram propostas na ciência real. Confira abaixo quais são elas:


1 - O Universo é um holograma




Na década de 1990, os físicos perceberam que o Universo poderia ser como um holograma, uma projeção em 3D. Mas como eles chegaram a essa conclusão?

A física clássica descreve o manto do espaço-tempo como uma estrutura de quatro dimensões, sendo três dimensões de espaço e uma de tempo, enquanto a teoria geral da relatividade de Einstein diz que, em seu nível mais básico, este tecido deve ser suave e contínuo.

Mas isso foi antes de a mecânica quântica entrar em cena. Enquanto a relatividade é ótima em descrever o universo em escalas visíveis, a física quântica nos diz tudo sobre a forma como as coisas funcionam no nível dos átomos e das partículas subatômicas.

De acordo com a teoria quântica, se você examinar o manto do espaço-tempo próximo o suficiente, ele é composto de grãos pequeninos de informação, cada um de uma centena de bilhões de bilhões de vezes menor do que um próton.

O físico de Stanford, Leonard Susskind, e o ganhador do Prêmio Nobel, Gerard 't Hooft, apresentaram cálculos mostrando o que acontece quando se tenta combinar as descrições quântica e relativística do espaço-tempo. Ambos descobriram que, matematicamente falando, o tecido deve ser uma superfície 2D, enquanto os grãos devem agir como os pontos em uma imagem cósmica vasta, que define a "resolução" do nosso universo 3D.


2 - O Universo é uma simulação de computador















Muito antes do Neo dar o seu primeiro pulo acrobático e ficar parado no ar, o conceito de Matrix já era debatido pelos cientistas. De acordo com essa proposta, estaríamos vivendo em um programa de computador muito avançado sem nem sequer desconfiar disso.
O próprio Platão já havia teorizado se o mundo como nós o percebemos é uma ilusão, enquanto os matemáticos modernos lidam com a razão matemática universal. Por que não importa quando ou onde você olhe, 2 + 2 deve ser sempre igual a 4? Talvez isso aconteça porque essa é uma parte fundamental da maneira como o universo foi codificado.
Em 2012, físicos da Universidade de Washington, em Seattle, disse que se nós vivemos em uma simulação digital, pode haver uma maneira de descobrir. Modelos de computador padrão são baseados em uma grade 3D e às vezes a própria rede gera anomalias específicas nos dados.
Se o universo é uma vasta rede, os movimentos e as distribuições de partículas de alta energia chamados raios cósmicos podem revelar anomalias semelhantes — uma falha na Matrix — e nos dar uma amostra da estrutura da grade.
Outro relatório feito em 2013 pelo engenheiro MIT, Seth Lloyd, constrói o caso de uma rotação intrigante sobre o conceito: se o espaço-tempo é feito de bits quânticos, o universo deve ser um computador quântico gigante. Naturalmente, ambas as noções levantam um dilema preocupante: se o universo é um programa de computador, quem ou o que criou o código? O oráculo?


3 - O Universo é um buraco negro















Qualquer livro de astronomia vai lhe dizer que o Universo explodiu em estar durante o Big Bang. Mas o que existia antes desse ponto e que provocou a explosão? Uma pesquisa de 2010 feita por Nikodem Poplawski, então na Universidade de Indiana, propôs que o nosso Universo foi forjado dentro de um grande buraco negro.

A definição popular de um buraco negro é uma região do espaço-tempo tão densa que, passado certo ponto, nada pode escapar de sua atração gravitacional. O pesquisador Poplawski descobriu que as observações da forma e composição do Universo correspondem à imagem matemática de um buraco negro em processo de surgimento.

Segundo ele, o colapso inicial seria igual ao Big Bang e tudo dentro e em torno de nó seria feito a partir dos componentes reorganizados resfriados de matéria. A teoria sugere ainda que todos os buracos negros em nosso Universo podem ser portas de entrada para realidades alternativas.


4 - O Universo é uma bolha em um oceano de universos



















Alguns teóricos argumentam que vivemos em um mar de bolhas de vários universos. Segundo eles, para alcançar um estado estável, o vácuo começou a borbulhar, como uma panela de água fervente. Com cada bolha, um novo universo nasceu, dando origem a um multiverso infinito.

Acontece que cada bolha tinha outro vácuo dentro, cuja energia era consideravelmente menor. Esta energia inflou, fazendo com que as bolhas se expandissem, porém, algumas delas se esbarraram (uma na outra), produzindo outras bolhas menores, chamadas de secundárias.

Essa suposição surge a partir da noção de inflação cósmica, em que o universo teria se expandido tão rápido, que teria se distanciado após o início de tudo.


Fonte(s) 
Smithsonian, MegaCurioso

Imagens Shutterstock

......................

Autor Michael Nascimento

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter