Select Menu
» » » » Infográfico: timeline mostra o futuro do Universo
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Apontar telescópios para o céu não é apenas uma prática arbitrária usada para estudarem nossos arredores. É muito mais do que isso. Não se limita a dar-nos a possibilidade de estudar as leis da física que mantêm a Terra em rotação em torno do Sol, em última análise, dando lugar ao desenvolvimento de formas de vida multicelulares, mas também serve como uma espécie de máquina do tempo, permitindo-nos a olhar para trás para alguns dos primeiros objetos celestes criados após o início dos tempos.
Além disso, somos capazes de determinar a taxa em que o universo está se expandindo, ver estrelas nascerem e morrerem em proporções iguais, detectar as mudanças na atmosfera de exoplanetas distantes e muito mais, tornando-se um pouco difícil de determinar quais partes são os mais importantes. "No entanto, como já foi dito que, devido à expansão acelerada do universo, o próprio céu que  observamos hoje irá ser observado diferentemente daquele que vai existir em alguns bilhões ou trilhões de anos a partir de agora.
Assumindo que o universo existe em um estado semelhante à forma como é agora, sem o Big Rip, Big Freeze ,Big Bounce, Big Crunsh, ou quaisquer outros cenários propostos ocorrendo, o que irão ver nossos  descendentes quando observar fontes distantes de luz? Ou melhor, o que eles não verão? Como será a mudança no aspecto visual do nosso universo daqui a bilhões ou trilhões de anos? Reunimos uma série de infográficos que tocam de base sobre o futuro do universo:


Detalhes em destaque:

Em 1.000.000 ANOS - Nova Rival do Sol:

Betelgeuse, que está localizada a aproximadamente 640 anos-luz da Terra, na constelação de Orion - é uma dos maiores e mais brilhantes estrelas em nossa vizinhança galática. Pode engolir 20 vezes o nosso Sol, enquanto emite mais de 100.000 vezes mais luz. Para ter uma ideia do tamanho, segue uma pequena analogia: Se Betelgeuse fosse substituída pelo nosso Sol, ela se estenderia por todo o caminho de Júpiter, engolindo a Terra e todos os planetas do sistema solar interior!
Apesar disso, a estrela está se aproximando do fim de sua vida útil. Estima-se que Betelgeuse poderá atingir o estado de supernova a qualquer momento nos próximos milhões de anos. Não espere que a explosão seja perceptível imediatamente. Isto levaria 640 anos, pois a luz viajando através do meio interestelar fazendo seu caminho para a Terra. O que isso significa? Betelgeuse (também conhecida como Alpha Orionis) já poderia ter explodido há centenas de anos, e não teríamos como saber.
Quando a luz chega, a intensidade da supernova como vista aqui na Terra é o tema do debate, mas alguns acham que ela vai ser capaz de ser vista durante o dia e suplantando a lua da noite.

1,4 MILHÕES DE ANOS - Tempos Turbulentos:

Modelos descobertos em 2010 dizem que uma estrela errante poderia perturbar seriamente os cometas gelados na nuvem de Oort, uma região teórica localizado na orla do nosso sistema solar. A estrela, tentativamente conhecida como Gliese 710, é uma estrela anã laranja localizada atualmente alguns 63,8 de anos-luz daTerra, na constelação Serpens. A estrela é relativamente normal, chegando com apenas 60% da massa total do Sol (tendo cerca de 67% do raio do Sol) simulações bastante novas, mas, empreendidas por Vadim Bobylev (do Observatório Astronômico Pulkovo, em São Petersburgo)poderiam ter um impacto notável sobre nós. Apesar de trabalhar no Catálogo Hipparcos (que tem como objetivo recolher uma infinidade de dados centralizados em de um objeto como a velocidade e trajetória) localizaram mais de 100.000 estrelas, um número de 156 delas precisam ser monitoradas muito de perto, dado que algum dia poderiam representar uma ameaça iminente para a humanidade. Não é incomum para as estrelas para fazer uma aparição na extremidade externa de um sistema planetário. É apenas neste caso, descobrimos que o sistema solar em questão é nossa. De fato, estima-se que uma vez a cada 2000 mil anos, uma estrela malandra chegaria na nossa vizinhança galáctica (definida por uma área que se estende cerca de 1 parsec [31000000000000 km / 19000000000000 milhas] ou 3,26 anos-luz do Sol) . A última das quais, Gliese 208, aprovada no prazo de quatro anos-luz de nós, cerca de meio milhão de anos atrás. Se irmos para 1400 mil anos no futuro,  há uma chance de 86% que Gliese 710 virá dentro de metade de um parsec do Sol, onde milhões de cometas vagam. Se os dinossauros ainda estivessem por aí, eu tenho certeza que eles não aprovariam isso.

8 MILHÕES DE ANOS - Marte ganhará aneis:

Localizado a cerca de 5.800 milhas  (9.400 quilômetros)  do centro de Marte, ou cerca de 3.700 milhas  (6.000 quilômetros)  acima da superfície de Marte, Phobos - um dos dois satélites naturais de Marte - orbita seu planeta-mãe de uma distância menor do que a de qualquer outra lua conhecida em nosso sistema solar.
How Mars might look with rings (Credit; Darkness84 on deviantART)
Como Marte pareceria com Anéis.
 Credito; Darkness84 on deviantART

Devido a esta curta distância de Marte, Phobos  completa uma órbita em torno de Marte antes que ele possa fazer uma rotação completa em torno de seu eixo. Se alguém pudesse ficar sobre a superfície do planeta vermelho e olhar para o céu à noite, Phobos cruzaria através do céu em pouco menos de 4 horas e 15 minutos.

O período orbital bastante curto da pequena lua, emparelhado com sua proximidade do planeta, as interações gravitacionais entre Phobos e Marte tem causado uma  diminuição ainda maior do seu raio orbital, o que acabará por dar lugar a uma das seguintes coisas: Ou Phobos irá quebrar e formar um intrincado conjunto de anéis que poderia m rivalizar com os que pertencem ao famoso Saturno, ou Phobos irá chegar ao  Limite Roche de Marte: a região estimada para mentir ao redor de 4.350 milhas  (7000 quilômetros)  acima do centro da Marte ( ou 3.853 milhas / 6.200 km acima da superfície marciana) e ele irá colidir com a superfície de Marte, na qualidade de uma bomba nuclear gigante.

4 bilhões de anos - nosso sistema solar MORRE:


O Sol como uma gigante vermelha
O Sol como uma gigante vermelha.
Você conhece o ditado, né? "Tudo o que vive deve morrer." Um dia, todos que você conhece vão ter ido embora, então todo mundo sabe que vai morrer também. O nosso sistema solar e do próprio universo não estão imunes a essas coisas, apesar de conhecer a sua destruição em uma escala de tempo muito mais longa. Felizmente, antes que o Sol morra, a Terra será possivelmente engolida pelo Sol como na medida que ele fará a  transição de uma estrela de sequência principal para uma gigante vermelha. Independentemente de estarem ou não na Terra, quem irá sobreviver  a expansão inicial do sol será certamente um pedaço frito de rocha que não está apto para o ser humano (ou qualquer coisa remotamente similar). Muito antes de esses eventos ocorrerem, toda a água do planeta irá evaporar, as colinas verdes irão definhar, a atmosfera será perdida permanentemente ao espaço, tirando a vida e, com isso, qualquer semelhança restante das características que fazem nosso planeta a casa. Se os planetas exteriores sobreviventes não são forçados em órbitas mais amplas em torno do Sol, eles poderão ser lançados a partir de nosso sistema solar. Após o que, algumas das luas geladas poderão ver um vislumbre de primavera, pela primeira vez, permitindo que uma pequena janela de tempo possa passar quando descongelar e se tornar potencialmente habitável.

5 bilhões de anos - LACDROMEDA NASCE:

Logo depois, a galáxia de Andrômeda irá colidir com a nossa Via Láctea, formando uma grande galáxia elíptica. Alguns sugeriram que nomeá-lo Milkdromeda, eu, particularmente, resolvi apelidar dela de Lacdromeda (Sei que realmente precisamos começar a trabalhar em um nome melhor - o tempo está se esgotando). O nosso sistema solar  agora muito menor e muito mais obscuro, uma vez que o Sol é agora um núcleo estelar aproximadamente do tamanho da Terra   provavelmente vai ser empurrado para fora de sua órbita atual em torno do centro da Via Láctea, em uma órbita muito mais amplo. Ele pode ser encontrado atualmente no Cinturão de Orion de um dos braços em espiral da nossa galáxia, situada a cerca de 25.000 anos-luz de volta a partir do núcleo central. Após a fusão, a expectativa é de ser empurrado de volta para cerca de 100.000 anos-luz do centro da galáxia.

 Falando na região central do Lacdromeda recém-formada, ela está passando por uma mudança drástica de fase própria. A fusão resultará inevitavelmente nos buracos negros supermassivos de ambas as galáxias que combinaram-se, formando um Buraco Negro Super Massivo com a massa combinada de bilhões de sóis. É improvável que quaisquer duas estrelas ou planetas irão colidir. Sim, isso parece estranho, mas lembre-se que o espaço é chamado de espaço por uma razão. A distância que separa cada estrela individual é incompreensivelmente vasta; mesmo as regiões muito densas  - como aglomerados globulares e nuvens nebulosas  -   são muito espaçosos. No entanto, uma nova vida é iminente. Junto com a absorção de todas as estrelas, planetas e buracos negros de Andrômeda, o cache das matérias-primas para a formação de estrelas vão combinar-se, provocando o nascimento de centenas de milhões de estrelas novas. De toda a nossa incerteza sobre o evento em si (e quanto isso vai impactar tanto as galáxias como um todo) é confundida por uma coisa - a beleza absoluta nosso céu noturno irá realizar. Parafraseando Carl Sagan, "Nós na maravilhosa terra, glorificamo-nos com o retorno diário do nosso único Sol. Mas, a partir de um planeta que orbita uma estrela em um aglomerado globular distante, um alvorecer ainda mais glorioso nos aguarda. Não é um nascer do sol, mas um aumento da galáxia. Uma manhã cheia de 400 bilhões de sóis, subindo na Via Láctea ".  

Dez bilhões de anos - a poeira baixa

Este é definitivamente um pouco dramatizada para o efeito, mas você começa a idéia.
Este é definitivamente um pouco dramatizada para o efeito, mas você começa a idéia.
Após a concentração chegar a um fim, a poeira irá baixar, deixando para trás poucas evidências para sugerir uma fusão épica, mas observando as anãs brancas e calculando a sua idade (e sua concentração de metais pesados), os astrônomos podem ser capaz es de deduzir a existência de um evento que desencadeou a formação de estrelas furiosos dentro da galáxia. Tal evento só poderia ser uma coisa: uma fusão galáxia. Depois de uma quantidade incerta de anos, formação de novas estrelas irá parar completamente na galáxia elíptica recém-formada. Em seguida, após os últimos pedaços remanescentes de material para formação de estrelas se forem, eles vão deixar para trás uma galáxia desprovida de gás e poeira quase inteiramente. Parte do material será reciclado, quando a primeira geração de estrelas produzidos na Lacdromeda explodir em supernovas brilhantes. Além disso, algumas das mais famosas nebulosas distantes terão desaparecido. Imagine uma galáxia sem nebulosa de Orion, VY Canis Majori, Pilares da Criação etc. Estes serão tempos tristes para a nossa galáxia, tudo que conhecemos hoje não irá existir mais no céu, talvez darão lugar a outras paisagens estelares, outras nebulosas e nuvens moleculares.

100 mil milhões de anos: as luzes começam a se apagar

Clique na imagem para ver uma versão maior
Clique na imagem para ver uma versão maior
100000000000 anos a partir de agora, a expansão está cada vez mais acelerado do universo - mais comumentemente chamada de energia escura - fará com que todos, mas 1.000 membros do Superaglomerado de Virgem - onde nossa galáxia, junto com outros membros do nosso grupo local, reside no Redshift do esquecimento, para nunca mais serem vistas novamente por astrônomos em nossa galáxia ou qualquer próxima. A visibilidade das galáxias situadas no horizonte do universo observável neste momento pode ser comparada a luz que é capturada pelo horizonte de eventos de um buraco negro.  Como um objeto se aproxima do "ponto de não retorno", a sua imagem parece congelar e desaparecer afora, porque você não pode ver qualquer uma luz que ela emitirá a partir desse ponto em diante. É longe demais e está viajando muito rápido de sempre chegar ao nosso canto do universo, não importa quanto tempo vai passar para a luz para atravessar o espaço-tempo. Em um quadro semelhante de espírito, este período sinaliza a regressão do universo. Em vez de ser diversificado, colorido e brilhante, como é agora, ele se transforma em um universo como era uma vez muito antes da Terra se formar. Uma idade das trevas cósmicas.
1 trilhão de anos - adeus para sempre, CMBR:

Em um trilhão de anos - uma evidência da big bang na forma da radiação cósmica de fundo (CMBR), que foi criada a meros 379 mil anos antes do nascimento do universo, vai escurecer a ponto de invisibilidade. A partir daí, será então perdida para os astrônomos para sempre, talvez levando as futuras gerações de astrônomos acreditam que o universo é estático e imutável. No entanto, as gerações futuras podem, eventualmente, descobrir o processo de nucleossíntese (a fusão de elementos pesados ​​do que os mais leves) no núcleo de estrelas anãs-vermelhas, que são menores, mais frias e muito mais comuns do que as estrelas como o nosso Sol. Não haverá explosões de supernovas mais para usar como velas padrão, não há mais comida para saciar o apetite insaciável dos buracos negros, não há novos planetas e nebulosas. O último é importante porque essas nuvens nebulosas são fundamentais para relançar o processo de formação de estrelas. Outro fator que contribui para isso, é a existência desconcertante de uma coisa pequena que está dirigindo o universo à parte, algo que gostamos de chamar de "energia escura." Com todas as galáxias distantes deslocadas para o vermelho para fora de vista, como a existência dessa forma invisível será descoberta? Eis a questão!

100 trilhões de anos - O UNIVERSO MORRE!

 Há uma série de hipóteses que predizem como o universo vai acabar, mas o mais promissor é chamada de  Big Chill. " Sob esse cenário, a energia escura continua dirigindo a expansão do universo, ocasionando a queda temperaturas em todo o universo, até atingir o zero absoluto (ou um ponto em que o universo já não pode ser explorado para executar trabalho). Da mesma forma, se a expansão do universo continua, planetas, estrelas e galáxias são puxados tão distantes que as estrelas acabaria, por perder o acesso a matéria-prima necessária para a formação de estrelas, assim, as luzes, inevitavelmente apagariam.
Este é o ponto em que o universo atinge um máximo estado de entropia. Quaisquer estrelas que permanecem irão continuar a queimar lentamente, até que a última estrela se apague. Em vez de berços de fogo, as galáxias se tornarão caixões cheios de restos de estrelas mortas. Foi dito em um futuro muito distante, que as civilizações inteligentes, um dia verdadeiramente olharão para o céu e acharão que eles estão bem e verdadeiramente sozinhos. Nesse ponto, eles provavelmente não estarão. Apear de belo, esse é o cenário frio e triste para o nosso Universo.
Independente do que o Universo se tornará daqui a 100 bilhões ou trilhões de anos, eu desejo que uma civilização avançada na futura Lacdromeda tenha conhecimento sobre um pequeno e pálido ponto azul que um dia floresceu vida inteligente, mas também espero que os dados da nossa civilização não sirvam de mal exemplo. Uma civilização que se autodestruiu por ganância e exploração de recursos. Talvez esses seres inteligentes possam ser nossos descendentes em uma futura Terra, ou talvez sejam outras formas de vida que encontrar-se-iam com o disco de ouro da Voyager e guardariam como relíquia de um povo que sonhava conquistar o espaço interestelar. 
Adaptação e tradução de From Quark to Quasars

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter