Select Menu
» » » » Devemos ter medo dos aliens?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


Na longa lista de medos modernos, alienígenas sanguinários estão longe de se classificar perto do topo. Temos mais preocupações imediatas, como o terrorismo, bioengenharia (ou não), epidemias globais, holocausto nuclear e desastres naturais.


No entanto, a noção de que outras inteligências existem lá fora no universo é onipresente na cultura popular. Espelhando nossa própria história, em particular explorações coloniais, alienígenas são frequentemente retratados como invasores do mau empenhados em vir aqui para causar estragos.

Quão realistas são esses cenários, dado o que sabemos até agora sobre astronomia e a possibilidade de vida em outros mundos?

Stephen Hawking, entre outros, sugeriu que nós devemos ter muito cuidado com os alienígenas agressivos —  na verdade, devemos ser tão furtivos quanto possível, para que não revelemos a nossa presença e localização aos ETs predatórios em nossa vizinhança cósmica.

Existem três partes para isto. A primeira diz respeito à existência de outros mundos com condições habitáveis — isto é, que pode abrigar vida tal como a conhecemos. Graças aos esforços dos muitos caçadores planeta lá fora, em particular os resultados notáveis da missão do Kepler da NASA, agora sabemos que a maioria das estrelas têm planetas ao seu redor. Milhares desses planetas foram identificados e, entre estes, vários têm propriedades similares à terra: rochosos e dentro da zona habitável de sua estrela principal. Embora a maioria destes orbita pequenas e frias estrelas anãs de classe M, onde as condições de vida podem ser muito duras, com efeito, o fato é que nós devemos esperar alguns mundos como a terra a uma distância de cerca de 1.000 anos-luz ou algo assim.

Se qualquer um desses mundos potencialmente habitáveis são, na verdade, capazes de abrigar vida, é outra história. Nas próximas décadas, com esforços combinados do telescópio espacial James Webb e a missão em trânsito Exoplanet Survey satélite (TESS), bem como missões da Agência Espacial Europeia, devemos saber melhor quão raros são tais planetas como a Terra e, com sorte, termos uma ideia aproximada de sua composição atmosférica. Poderemos saber se suas atmosferas tem alguns dos ingredientes certos para abrigar vida. (Há, no entanto, várias deficiências potenciais com essas missões. Para uma muito boa revisão da situação, consulte Lee Billings recente artigo na Scientific American.)

Mas vamos ser generosos e conceder que existem outros planetas como a Terra lá fora com as condições para a vida. Então chegamos a segunda parte da questão: a existência de vida e, mais a fundo, de formas de vida complexas em um ou mais desses mundos. A vida surgiu e se enraizou aqui rapidamente sobre a terra, apenas alguns 400 milhões de anos após condições fixadas em cerca de 3,5 bilhões anos atrás. Ela pode ter surgido mais cedo; Ainda não sabemos. Esta é uma boa notícia para a vida em outro lugar: se ela emergiu rapidamente aqui, não pode ser tão difícil. Mas, na verdade, não sabemos como é difícil para a vida a emergir.

Pelo valor nominal, a transição da não-vida para a vida parece incrivelmente complexa. Mas mesmo que seja bastante fácil, o que acontece a seguir é crucial: para ir de uma vida simples, consistindo de organismos unicelulares, de vida complexa exige uma série de eventos extremamente improváveis. E a improbabilidade não está apenas nas mutações biológicas e vias metabólicas que precisam ser apuradas, mas também no casamento da vida com o planeta como um todo. Nós não podemos entender a história da vida em um planeta sem entender a história do planeta; os dois andam de mãos dadas.Isto significa que, para a vida a emergir em um planeta, é diferente para a vida evoluir no planeta em um caminho em direção a complexidade crescente. 

Não há nada na evolução que nos diz que, uma vez a vida, ela se tornará cada vez mais complexa. O que a evolução nos diz é que a vida é uma luta constante para a adaptação, a teoria de Darwin da seleção natural. Estas mutações acidentais que levam a melhor adaptação de formas de vida não implica que essas formas de vida serão cada vez mais complexas. Em outras palavras, encontrar vida em outro planeta está muito longe de encontrar formas de vida complexas, multicelulares, muito menos vida inteligente. Na verdade, inteligência concede um benefício enorme para a adaptação (vantagem seletiva), como vemos aqui. Mas não é uma condição necessária para a adaptação. Devemos lembrar que dos 3,5 bilhões de anos que existiu vida na terra, só estamos aqui há cerca de 200.000 anos.

Mas, novamente, vamos ser generosos e conceder que existem formas de vida inteligente em um ou mais mundos dentro de alguns milhares de anos luz de nós. Devemos temê-los? Esta é a terceira parte da questão. Não temos absolutamente nenhuma ideia de que tipo de mentes com tais inteligências teriam — e qual estágio tecnológico eles teriam alcançado. O que sabemos é que eles ainda não estão aqui. Ou, se eles já vieram, eles se foram sem deixar pistas. (A não ser, claro, que nós sejamos suas criações, um tópico para outro artigo.)

Existem quatro condições que precisam ser satisfeitas para começarmos a temer nossos vizinhos alienígenas distantes. Os extraterrestres devem:

1. Desenvolver tecnologias que lhes permitem viajar ou enviar sondas direcionadas através de distâncias interestelares;
2. Ter nos visto como um destino desejável;
3. Ter a intenção de explorar o espaço em torno deles (eles não podem compartilhar o mesmo tipo de sede por viagens como nós);

A busca por inteligência extraterrestre é uma obrigação. Vamos encontrá-la se nós olharmos. No entanto, tendo em conta os argumentos acima, devemos estar muito confiantes de que, mesmo se eles existam — e isso é um enorme se — eles são muito remotos. Pelo que sabemos agora de viagens espaciais e todas as suas dificuldades — combustível, velocidade, blindagem de radiação — tendo os alienígenas as tecnologias para superar tudo isso, eles deveriam provavelmente terem tecnologias que teriam nos achado há muito tempo, por exemplo, analisando a composição atmosférica ou, se eles estiverem mais perto de 50 anos-luz, detectando nossos sinais de rádio e transmissões de TV.

Estamos seguros, pelo menos, deste tipo de ameaça. Melhor concentrarmos em outros problemas mais urgentes.

Texto original de Marcelo Gleiser.
Traduzido de npr blog

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter