Select Menu
» » » » Estudo sugere que água líquida aparece à noite em Marte
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga



Água líquida espreita logo abaixo da superfície de Marte em noites frias de inverno, de acordo com nova pesquisa.

O rover Curiosity reencontrou provas de que, quando as temperaturas descem nas noites frias de inverno, vestígios de água na atmosfera podem transformar a geada, que pode ser absorvida pelas camadas superiores do solo marciano e liquefeita. A água em estado líquido evapora-se e volta para a atmosfera depois do amanhecer, quando as temperaturas começam a subir novamente.

O Curiosity já encontrou sinais de que os rios uma vez fluíram em um lago que ficava onde a árida cratera Gale agora encontra-se (o máximo de um quinto do que o planeta pode ter sido coberto de água em um ponto, tornando-se um ambiente potencialmente habitável). Estes rios deixaram para trás os depósitos de sedimentos que continham, entre outras coisas, percloratos e outros sais.

"Sedimentos muito finos, que lentamente caíram através da água, foram depositados no fundo do lago da cratera," disse Morten Bo Madsen, professor adjunto e chefe do grupo de Marte no Instituto Niels Bohr na Universidade de Copenhague e co-autor do novo estudo. "As placas de sedimento no fundo são niveladas, portanto, tudo indica que a cratera Gale inteira pode ter sido um grande lago".


Transformar a água de um sólido (gelo) para um líquido exige a presença de um determinado tipo de sal que os cientistas dizem que poderia derreter o gelo, mesmo em temperaturas muito frias (o sal reduz a temperatura de fusão da água e é por isso que ele é colocado em estradas e calçadas congeladas durante o inverno). No entanto, dizem os autores do novo trabalho que as pequenas quantidades de água líquida de sal no solo não seriam suficientes para suportar a vida microbiana. As temperaturas extremas também deixariam o ambiente muito extremo.

Em movimento

Seco como um osso — essa é uma maneira de descrever a paisagem marciana hoje. Embora o planeta uma vez hospedou fluindo rios e lagos maciços (e é ainda o lar de água gelada em seus pólos), hoje parece que toda a água líquida na superfície do planeta tem sido vaporizada ou congelada as temperaturas extremas (embora os cientistas descobriram que um pouco de água pode ser extraída do solo marciano). 

Os novos resultados sugerem que há mais coisas acontecendo por baixo deste deserto que os nossos olhos possam ver. 

Cavando o solo do Planeta vermelho, instrumentos a bordo do Curiosity encontraram um perclorato químico chamado cálcio, um tipo de sal. Os autores dizem que o perclorato absorve o gelo da superfície do solo, derrete o gelo e cria uma camada fina de salmoura salgada. 

A água liquefeita então pode afundar ainda mais no solo marciano, misturada com outros sais. A adição de água líquida é como um conjunto de rodas para estes sais — lhes permite mover-se através do solo e realocar. 

O Curiosity não encontrou evidências diretas dessas camadas de salmoura salgado. Os autores da nova pesquisa combinaram a análise do solo marciano, bem como a atmosfera acima do solo (umidade e temperatura). O estado dos Percloratos, dizem os pesquisadores, sugerem uma troca de água entre o solo e a atmosfera. 

A Cratera Gale situa-se perto do Equador de Marte, a região mais quente e mais seca do planeta. A pesquisa, que aparece na revista Nature on-line hoje (13 de abril), sugere que estas camadas de salmoura podem ser ainda mais abundantes em regiões do planeta com maior umidade e temperaturas mais baixas. 

Enquanto o achado não indique que a vida pode ser encontrada sob a superfície marciana, ele demonstra que a água líquida pode ser escondida em uma outra forma seca a paisagem.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter