Select Menu
» » » Explicação psicológica de como tradições são criadas
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

people

A ameaça de punição, combinada com a vontade do povo para copiar os outros – esta é a base para um novo modelo psicológico que pode descrever como as tradições e as normas são criadas e mantidas de acordo com pesquisadores do laboratório de emoção do Karolinska Institutet em um estudo publicado no Journal of Experimental Psychology: General.

Os cientistas mostraram que os animais aprendem uns com os outros através da aprendizagem social quando há perigo se aproximando. Por exemplo, informações sobre um iminente predador espalha-se por meio de um bando de pássaros que então coletivamente reagem e fogem. No entanto, o papel da aprendizagem social em evitar o perigo não tinha sido estudado especificamente em seres humanos.
"Nós queríamos descobrir como estas situações funcionam em humanos quando temos de evitar o perigo. Nós descobrimos que dois mecanismos separados, simples e psicológicos – a cópia de outros comportamentos e as propriedades gratificantes de evitando perigos juntos forma uma força motriz potente que ajuda a explicar como podemos criar e manter normas e tradições,"diz Björn Lindström, pesquisador do departamento de neurociência clínica.
Juntamente com o líder de pesquisa Andreas Olsson, ele conduziu quatro experimentos que incluiu 120 cobaias. No primeiro experimento, os participantes do estudo foram convidados a escolher entre duas imagens, A e B, em uma tela de 20 vezes. Eles foram informados que um desagradável choque elétrico (que tinha sentiam previamente) seria dado se fizessem a escolha errada. Na realidade, no entanto, nenhum choques elétricos seria dado por qualquer resposta. Antes de fazer sua escolha, foi mostrado aos sujeitos um clip de vídeo de uma outra pessoa, confrontada com a mesma escolha, sem ser mostrada a consequência da decisão. A pessoa no vídeo escolheu uma imagem A a cada vez. E assim fizeram todos os sujeitos em 95 por cento de suas escolhas. Quando foram prometidas recompensas para os sujeitos em vez de um choque – uma chance de ganhar ingressos de cinema – eles aderiram ao exemplo da pessoa  no vídeo em apenas 60% dos casos. Em um experimento onde havia a ameaça de uma punição arbitrária, a aderência ao exemplo no vídeo caiu para abaixo de 70%.
"Nossa conclusão é que quando nós prometemos uma recompensa, estamos mais inclinados para quebrar o padrão e aprendizagem social tendencia de desempenhar um papel menor. Mas quando se trata de evitar o perigo, a aprendizagem social tem uma poderosa influência sobre nosso comportamento quando está provado para produzir bons resultados. Mas em casos onde a aprendizagem social é mostrada a não oferecer proteção eficaz do perigo, também estamos mais inclinados a quebrar o padrão," diz o líder da equipe Andreas Olsson, docente de investigação no departamento de neurociência clínica Karolinska Institutet.
No quarto estudo, os pesquisadores queriam descobrir se a inclinação para escolher apenas a opção A pode ser transmitida de uma pessoa para outra, sob a ameaça de um choque eléctrico. Dez temas separadamente mostraram o vídeo em que a pessoa escolheu a opção A e pediram para fazer a sua escolha. Dez novas cobaias foram então apresentadas ao vídeo da escolha feita por uma das primeiras cobaias, sem saber qual seria a consequência. Quando cinco gerações de  tinham feito suas escolhas depois de verem alguém da geração anterior a fazer a sua escolha, a imagem A manteve-se a alternativa escolhida em 95 por cento das respostas.
Esses mecanismos podem ajudar a explicar como certas tradições arbitrárias podem ser criadas e mantidas, como tabus sobre a roupa ou formas de comportamento que não tem nenhum significado real para o grupo ou individual. Neste caso, criamos uma "escolha a opção A" como uma tradição que se manteve forte após cinco gerações. Arbitrariamente proibir certos tipos de alimentos, por exemplo, que não precisa ser evitado por alguma razão em particular, poderia ser mantido porque os indivíduos do grupo tenderão a temer a reprovação de seus pares de grupo se eles comerem a comida proibida,"diz Björn Lindström.
Mais informações: Mechanisms of Social Avoidance Learning Can Explain the Emergence of Adaptive and Arbitrary Behavioral Traditions in Humans. Journal of Experimental Psychology: General, on-line 13 de abril de 2015, http://dx.doi.org/10.1037/xge0000071
Traduzido de: Phys

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter