Select Menu
» » » » » O que a ciência diz sobre fantasmas e espíritos?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Você acredita em Fantasmas?
Se você acredita em fantasmas, você não está sozinho. Culturas ao redor do mundo acreditam em espíritos que sobrevivem a morte para viver em um outro reino. Na verdade, fantasmas estão entre os mais amplamente difundidos mitos e fenômenos paranormais: milhões de pessoas estão interessadas em fantasmas, e uma pesquisa Gallup 2005 diz que 37 por cento dos norte americanos acreditam em casas mal-assombradas — e quase metade acredita em fantasmas.

Fantasmas foram um tema popular há milênios, aparecendo em inúmeras histórias, na Bíblia de "Macbeth" e até mesmo gerando seu próprio gênero de folclore: histórias de fantasmas. Parte da razão é que a crença em fantasmas é parte de uma rede maior de crenças paranormais relacionadas, incluindo a experiência de quase-morte, vida após a morte e o espírito de comunicação.

Pessoas têm tentado (ou pretendem) se comunicar com os espíritos por eras; na Inglaterra vitoriana, por exemplo, era moda para senhoras da costa superior fazerem sessões espíritas em suas casas depois do chá e bolinhos com amigos. Na América durante o final do século XIX, muitos médiuns psíquicos alegaram falar com os mortos — mas foram expostos como fraudadores por investigadores céticos como Harry Houdini.

Até a década passada a caça a fantasmas tornou-se um interesse generalizado em todo o mundo. Muito disto é devido série "Ghost Hunters", os "Caça Fantasmas, agora em sua 10ª temporada. O show deu origem a diversos spin-offs, incluindo "Ghost Hunters International" e "Ghost Hunters Academy," e não é difícil ver porque o show é tão popular: a premissa é que qualquer um pode procurar fantasmas. As duas estrelas originais eram caras normais (encanadores, na verdade) que decidiram procurar evidências de espíritos. Sua mensagem: você não precisa ser um cientista de cabeça de ovo, ou até mesmo ter qualquer formação em ciência ou investigação. Tudo que você precisa é tempo livre, um lugar escuro e talvez algumas bugigangas de uma loja de eletrônicos. Se você olhar tempo suficiente, qualquer inexplicável luz ou ruído pode ser evidência de fantasmas.

A idéia de que os mortos permanecem conosco em espírito é antiga e que oferece muitas pessoas confortoQuem não quer acreditar que nosso amados mas falecidos membros da família não estão olhando para nós, ou em nossos momentos de necessidade? A maioria das pessoas acreditam em fantasmas, por causa da experiência pessoal; viram ou sentiram alguma inexplicável presença.

A Lógica e a Ciência por trás dos Fantasmas

Experiência pessoal é uma coisa, mas a evidência científica é outro assunto. Parte da dificuldade na investigação de fantasmas é que não há um acordo universalmente sobre a definição de é que um fantasma. Alguns acreditam que eles são os espíritos dos mortos que, por qualquer motivo, se "perderam" no caminho para o outro lado; outros afirmam que fantasmas em vez disso são entidades telepáticas projetadas para o mundo de nossas mentes.

Ainda outros podem criar suas próprias categorias especiais para diferentes tipos de fantasmas, como espíritos, assombrações residual, espíritos inteligentes e pessoas de sombra. Claro, isso é tudo inventado, como especulando sobre as diferentes raças de fadas, dragões ou E.T.'s: existem tantos tipos de fantasmas como você quer que seja.

Há muitas contradições inerentes em idéias sobre fantasmas. Por exemplo, fantasmas são feitos de matéria ou não são? Eles podem mover-se através de objetos sólidos sem perturbá-los ou eles podem bater portas fechadas e lançar objetos pela sala? Logicamente e fisicamente, ou é um ou outro. Se os fantasmas são almas humanas, porque é que eles aparecem vestidos e com objetos inanimados (presumivelmente sem alma) como chapéus, bengalas e vestidos — para não mencionar os muitos relatos de fantasmas em trens, carros e carruagens?

Se os fantasmas são os espíritos daqueles cujas mortes foram não vingadas, por que há assassinatos não resolvidos, uma vez que os fantasmas são ditos para comunicar-se com médiuns psíquicos e poderiam muito bem serem capazes de identificar seus assassinos para a polícia. E assim por diante; qualquer reclamação sobre fantasmas gera lógicas e razões para duvidar disso.

Caçadores de fantasmas usam muitos métodos criativos (e duvidosos) para detectar presenças dos espíritos, muitas vezes, inclusive videntes. Praticamente todos os caçadores de fantasmas pretendem ser científicos e mais, dar aquela aparência porque eles usam equipamentos científicos de alta tecnologia como contadores Geiger, detectores de campo eletromagnético (EMF), detectores de íons, câmeras infravermelhas e microfones sensíveis. Nenhum destes equipamentos já foi mostrado para realmente detectar fantasmas.


Outras pessoas tomam exatamente a abordagem oposta, alegando que a razão pela qual os fantasmas ainda não foi provado que existe é que nós simplesmente não temos a tecnologia certa para encontrar ou detectar o mundo espiritual. Mas, também, não pode ser correto: fantasmas existem e aparecem no nosso mundo físico ordinário (e, portanto, podem ser detectados e registrado em fotografias, filmes, gravações de áudio e vídeo), ou não. Se os fantasmas existem e podem ser cientificamente detectados ou gravados, então devemos encontrar provas concretas de que — ainda não sabemos. Se fantasmas existem e não podem ser cientificamente detectados ou gravados, então todas as fotos, vídeos e outras gravações que alegaram ser evidência de fantasmas não pode ser fantasmas. Com tantas teorias contraditórias básicas — e tão pouco teor científico exercido sobre o tema — não é de estranhar que apesar dos esforços de milhares de caçadores de fantasmas na televisão e em outros lugares há décadas, não há um único pedaço de evidência de fantasmas  encontrado.

Por que muitos acreditam?


Muitas pessoas acreditam que o suporte para a existência de fantasmas pode ser encontrado na física moderna. Alega-se amplamente que Albert Einstein sugeriu uma base científica para a realidade de fantasmas; se a energia não pode ser criada ou destruída, mas apenas de mudança de forma, o que acontece com a energia do nosso corpo quando morremos? Há alguma chance de nosso corpo possa ser manifestado como um fantasma?

Carol Anne: Olá?
 Como você definiria a sua aparência? 
Fale mais alto, eu não posso ouvi-lo!
 Poltergeist ajudou a definir uma 
cultura paranormal nos Estados Unidos.
Parece uma hipótese razoável — a menos que você entenda de física básica. A resposta é muito simples e não tão misterioso. Depois que uma pessoa morre, a energia em seu corpo vai onde a energia dos todos os organismos vai após a morte: para o ambiente. A energia é liberada sob a forma de calor e transferida para os animais que nos comem (ou seja, animais selvagens se não formos enterrados ou vermes e bactérias se nós estivermos abaixo de sete palmos) e claro, as plantas que nos absorvem Não há nenhuma "energia" corporal que sobrevive a morte para ser detectada com dispositivos populares de caça-fantasmas.

Enquanto os caçadores de fantasma amadores se imaginarem na vanguarda da investigação de fantasmas, eles estarão realmente envolventes no que folcloristas chamam ostensão, ou armadilhas lendárias. É basicamente uma forma de atuação em que as pessoas "agem para fora" em uma lenda, muitas vezes envolvendo fantasmas ou elementos sobrenaturais. Em seu livro "Aliens, fantasmas e cultos: lendas que nós vivemos" (imprenso pela Universidade de Mississippi, 2003) o folclorista Bill Ellis salienta que os caçadores de fantasma, muitas vezes levam a pesquisa a sério e "aventuram-se a desafiar os seres sobrenaturais, confrontá-los de forma conscientemente dramatizada e, em seguida, retornar para a segurança. ... O objetivo declarado de tais atividades não é entretenimento, mas um esforço sincero para testar e definir os limites do mundo 'real'.'"

Se os fantasmas são reais e são algum tipo de energia ainda desconhecida ou entidade, então sua existência (como todas as outras descobertas científicas) serão verificadas pelos cientistas através de experimentos controlados — não por caçadores de fantasmas de fim de semana vagando em casas abandonadas no escuro à noite com câmeras e lanternas.

No final (e apesar de montanhas ambíguas de fotos, sons e vídeos), as provas para os fantasmas não estão melhores hoje do que eram há um ano, há uma década ou um século atrás. Existem duas possíveis razões para o fracasso dos caçadores de fantasma encontrarem boas provas. A primeira é que fantasmas não existem, e que os relatos de fantasmas podem ser explicados pela psicologia, equívocos, erros e fraudes. A segunda opção é que fantasmas existem, mas que os caçadores de fantasmas são simplesmente incompetentes. Em última análise, o objetivo de caçar fantasmas não é achar suas provas (se for, a pesquisa teria sido abandonada há muito tempo). Em vez disso, é mais para se divertir com os amigos, contar histórias e de fingir estar procurando o limite do desconhecido. Afinal, todo mundo adora uma boa história de fantasmas.

Traduzido e adaptado de: LiveScience

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter