Select Menu
» » » » » » Sinais de vida devem ser encontrados em 2025, dizem cientistas da NASA
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Observações recentes de sondas planetárias e telescópios no solo e no espaço têm mostrado que a água é comum em todo o nosso sistema solar e na amplidão galáxia Via Láctea. Crédito: NASA
Humanidade está à beira de descobrir vida extraterrestre, dizem cientistas de alto escalão da NASA.

"Eu acho que nós vamos ter fortes indícios de vida fora da terra dentro de uma década e eu acho que nós vamos ter a evidência definitiva no prazo de 20 a 30 anos," disse o cientista-chefe da NASA Ellen Stofan, nessa terça-feira (7 de abril), durante uma discussão de painel que incidiu sobre os esforços da agência espacial em busca de mundos habitáveis e vida alienígena.

"Nós sabemos onde procurar. Sabemos como olhar," adicionou Stofan, durante o evento. "Na maioria dos casos, nós temos a tecnologia, e nós estamos em um caminho para implementá-la. E então eu acho que definitivamente estamos no caminho certo."

Ex-astronauta John Grunsfeld, administrador associado da direção de missão científica da NASA, compartilhou o otimismo do Stofan, prevendo que sinais de vida serão encontrados relativamente em breve tanto no nosso sistema solar quanto além.

"Acho que nós estamos  a uma geração de distância do nosso sistema solar, seja em uma Lua gelada ou em Marte e uma geração [distante] de um planeta em torno de uma estrela próxima," Grunsfeld disse durante evento na terça-feira.

Muitos ambientes habitáveis

Descobertas recentes sugerem que o sistema solar e a ampla Via Láctea têm ambientes que podem suportar a vida como a conhecemos, disse Grunsfeld.

Por exemplo, oceanos de água líquida debaixo das cascas geladas das luas de Júpiter, Europa e Ganimedes, bem como que o satélide Enceládo de Saturno satélite. Oceanos cobriam grande parte de Marte no passado antigo, e estrias sazonais escuras observadas na superfície do planeta vermelho, hoje podem ser causadas por correntes de água salgada.

Além disso, o rover de curiosidade da NASA encontrou moléculas orgânicas contendo carbono e nitrogênio "fixo", ingredientes básicos necessários para a vida como a terra, na superfície marciana.

Mais longe, observações feitas pelo telescópio espacial Kepler da NASA sugerem que quase todas as estrelas no céu hospedam planetas — e muitos desses mundos podem ser habitáveis. Com efeito, o trabalho de Kepler mostrou que mundos rochosos como a terra e Marte são provavelmente mais comuns em toda a galáxia que gigantes de gás, como Saturno e Júpiter.

E assim como o sistema solar está inundado em água, a nossa galáxia também está, disse Paul Hertz, diretor da divisão de Astrofísica da NASA.

A Via Láctea é "um lugar empapado", disse Hertz durante o evento na terça-feira. "Podemos ver água nas nuvens interestelares do qual sistemas planetários surgem e a forma desses sistemas estelares. Podemos ver água nos discos de detritos que vão se tornar sistemas planetários em torno de outras estrelas, e podemos mesmo ver cometas sendo dissipados em outros sistemas solares, quando a [sua] estrela evapora-los." 

Procurando por vida

A caça por evidências de vida extraterrestre é uma proposta muito mais complicada do que identificar ambientes potencialmente habitáveis. Mas os pesquisadores estão trabalhando constantemente em direção a esse objetivo ambicioso e mais envolvido, disseram Stofan e outros.

Por exemplo, a próxima missão a Marte da Agência, programada para lançamento em 2020, irá procurar por sinais de últimos exemplos de vida e um possível retorno à terra para análise. A NASA também visa pousar astronautas em Marte na década de 2030 a — um passo que Stofan considera como chave para a busca de vida de Marte.

"Sou um geólogo de campo; Eu saiu e quebro pedras abertas e procuro fósseis", disse Stofan. "Esses são difíceis de encontrar. Então, eu tenho um viés que eventualmente vai levar os seres humanos na superfície de Marte — campo geólogos, astrobiólogos, químicos — na verdade lá fora procuramos por aquela boa evidência de vida que podemos trazer de volta à terra para todos os cientistas discutir. "

A NASA também está planejando uma missão à Europa, que pode  ser lançada em 2022. O objetivo principal desta missão de US$ 2,1 bilhões será lançar luz sobre o potencial de habitabilidade da lua gelada, mas ela também pode procurar por sinais de vida alienígena: funcionários da Agência estão pensando em maneiras de experimentar e estudar as plumas do vapor de água que aparentemente emergem da região polar do sul de  Europa.

No Reino dos exoplanetas, o James Webb Space Telescope (JWST da Agência), um instrumento de US$ 8,8 bilhões programado para lançamento em 2018, procurará as atmosferas de planetas alienígenas nas proximidades de "super-Terras", à procura de gases que podem ter sido produzidos pela vida.

JWST varrerá a luz que passa através do ar das super "terras", que são mais massivas que nosso planeta, porém significativamente menos do que mundos gasosos como Urano e Netuno. Esse método, chamado espectroscopia de trânsito, provavelmente não funcionará em mundos potencialmente habitáveis do tamanho da Terra, disse Hertz.

À procura de bio-assinaturas de gases em  exoplanetas rochoso provavelmente exigirá imagens diretas desses mundos, usando um "coronógrafo" para bloquear o brilho irresistível de suas estrelas mãe, adicionou Hertz.

O Potencial telescópio Wide-Field Infrared Survey da NASA, que pode ser lançado nos meados dos anos 2020 e quando for dado o sinal verde oficial, incluirá um coronógrafo para observação de exoplanetas.

[Space] [NASA]

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter