Select Menu
» » » » 5 razões científicas que mostram que ser mãe é uma coisa incrível
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Algumas representações modernas mostram um lado lastimável da maternidade e seus inconvenientes, começando desde fraldas esbarrotadas até filhos "adultos" que nunca retornam seus telefonemas. Mas, na verdade, estudos mostram o que mães em todo o mundo já sabem — ser uma mãe é uma grande responsabilidade, tanto de uma perspectiva de saúde, quanto psicológica.

De um menor risco de câncer até um senso de significado e propósito na vida, aqui estão cinco coisas nas quais ser mãe pode ser uma coisa incrível:

Significado e conexão

Pesquisas que mostram que crianças trazem felicidade têm executado uma gama de estudos que sugerem que os pais são mais felizes e sorriem mais do que pessoas que não tem filhos. Outros estudos mostraram que isso realmente não faz diferença se você tem filhos ou não. Em geral, pais obtêm um aumento em relação à homens sem filhos, considerando que as mulheres relatam mais aborrecimentos diários, de acordo com S. Katherine Nelson, um doutorando em psicologia da Universidade da Califórnia em Riverside.

Mas não são só más notícias para as mamães.

"Embora mulheres [com as crianças] não relatem serem mais felizes do que as mulheres sem filhos, elas fizeram um relatório sobre o que sentem e pensam  sobre o sentido da vida e o resultado foi que elas pensam sobre isso muito mais do que mulheres sem filhos," disse Nelson, referindo-se a um estudo de 2011 no Journal of  Positive Psychology.

Novas mamães também podem experimentar uma sensação dramática de interligação e de cumprimento, de acordo com um estudo de 2014 no jornal de psicologia. Embora os bebês se tornem o foco emocional para o sentido da felicidade de uma mulher  nas semanas e meses após o nascimento, as mães também relatam uma sentimento íntimo de ligação com suas famílias.

Aspectos positivos

O aleitamento materno está associado com uma descarga de ocitocina e níveis mais elevados de prolactina, os quais promovem a ligação e podem contribuir para o sentimento de "êxtase" que muitas mulheres experimentam durante a gravidez. Esses hormônios relaxantes ajudam as mulheres a se sentirem mais ligadas a emoções positivas e menos focadas em qualquer raiva ou emoções negativas, de acordo com um estudo de 2014 da revista Scientific Reports

Mulheres que amamentam são mais rápidos de reconhecer expressões faciais positivas e mais lentas para as expressões negativas ou ameaçadoras, segundo o estudo.

Melhor saúde

Gravidez e amamentação podem ter benefícios colaterais a longo prazo. As mães que amamentam mostram um risco menor de câncer de mama, com uma queda de 4,3 por cento para cada ano de amamentação, de acordo com um estudo de 2010 no diário de Perinatologia. As mulheres que têm filhos também tendem a terem taxas mais baixas de câncer de ovário.

Embora os pesquisadores não estejam exatamente certos de como isso proporciona proteção contra o câncer, uma possibilidade é que a gravidez e a amamentação suprimem a ovulação. Ter menos períodos durante toda a vida pode reduzir os surtos hormonais que as mulheres ficam expostas. Isto, por sua vez, pode reduzir o risco de câncer de ovário, dizem pesquisadores.

Outra pesquisa tem experimentalmente vinculado a duração da amamentação à diminuição do risco de acidentes vasculares cerebrais e melhor saúde do coração.  E os pais, especialmente mães, tendem a viver mais tempo do que quem não tem filhos, de acordo com um estudo de 2012 da revista Epidemiology and Health

Cérebros de zumbis

As mulheres não só mantêm seus filhos em seus corações; Elas também podem levá-los em seus cérebros. Células fetais podem migrar da corrente sanguínea da mulher e no cérebro dela quando ela está grávida, e mulheres mantém pelo menos algumas células de suas crianças por toda a vida, de acordo com um estudo de 2012 publicado na revista PLOS ONE. Embora isso possa parecer mais assustador do que incrível, considere isto: alguns cientistas acreditam que estas células fetais podem proteger o cérebro feminino.

Mulheres com a doença de Alzheimer, por exemplo, são menos propensos a ter células fetais em seus cérebros. Outro estudo de 2012, do jornal de Circulação e Pesquisa, constatou que, em ratos, estas células fetais poderiam abrigam-se em células do coração danificadas e reparar o tecido. Células fetais são de certa forma como células-tronco em sua capacidade de se reproduzir em diferentes tipos de células.

Reforço do "ninho vazio"

Cansado das amamentações de fim de noite e das birras dos bebês? Animem-se, as coisas vão melhorar... quando você for mais  velha! Embora a felicidade conjugal dos pais inicialmente levam a uma queda livre quando um bebê entra em cena (Síndrome do Ninho Vazio), essa infelicidade se dissolve quando as crianças ficam mais velhas, de acordo com um estudo de 2011 da revista Population and Development Review. Pode ser que as mamães e papais estão idealizando a paternidade, mas de qualquer forma, todas as crianças adicionais fazem pais mais felizes quando eles tiverem mais de 40 anos de idade.


E depois que as crianças voarem da gaiola, muitas mães podem exibir suas filhas adultas como suas "Best Friend Forever". Maridos são substituídos na "discagem rápida" por filhas adultas a medida que as mulheres envelhecem, de acordo com um estudo de 2012 da revista Scientific Reports. Uma análise de 3,2 bilhões de mensagens de texto encontradas nos celulares das mulheres mais velhas apontam que essas mensagens vão frequentemente para uma geração mais jovem de mulheres — provavelmente uma filha — mais do que qualquer outra pessoa.

Traduzido e adaptado de Livescience

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter