Select Menu
» » » » » » Antiga estrela gera perspectivas de vida inteligente
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A vida pode sobreviver por bilhões de anos a mais do que o esperado cronograma da Terra?
Concepção artística de Kepler-444 e seus cinco planetas em órbita. Crédito: Peter Devine e Tiago diegodigital/Universidade de Birmingham



A medida que os cientistas descobrem mais e mais antigos sistemas solares, é provável que, em pouco tempo, encontraremos um antigo planeta em uma zona habitável. Sabendo que a vida é possível, este exoplaneta terá imensas implicações para a habitabilidade e o desenvolvimento de um tipo de vida primordial, disseram os pesquisadores.

Em Janeiro, um grupo liderado por Tiago Campante — um pesquisador de astrosismologia ou "terremotos estelares" da Universidade de Birmingham, no Reino Unido — anunciou a descoberta de cinco pequenos prováveis mundos rochosos perto de uma antiga estrela. A estrela é chamada de Kepler-444. A missão de caça planetas kepler da NASA foi quem primeiro fez a descoberta experimental.

A contribuição de Campante foi estreitando a idade de Kepler -444 e seus planetas para espantosos 11.200 milhões anos de idade.  Isso é quase 2,5 vezes tão antigo quanto o nosso sistema solar. Acredita-se que nenhum dos planetas do sistema Kepler-444 possam ser habitáveis, uma vez que ele estão a uma distância relativamente perto do círculo quente da estrela mãe. No entanto, Campante disse que encontrar esses planetas é um grande passo em frente na procura de mundos habitáveis mais velhos, e o melhor ainda pode estar por vir.

"Este sistema dá-nos a esperança de que existem outros mundos habitáveis que não podemos detectar porque ainda não temos o  período suficiente de tempo de observação ", disse Campante.

Observatórios próximos poderiam mudar isso, acrescentou. Mas a vida vivendo por bilhões de anos, no entanto, ainda é pura especulação.

"Se a vida inteligente se desenvolve em um sistema tão antigo como este, ela ainda existiria ou ela iria extinguir-se?" perguntou Campante.

Os resultados do artigo de Campante foram publicados em Janeiro em Astrophysical Journal em um livro intitulado, "Um antigo sistema extra-solar com cinco planetas do tamanho de sub-terras".

Ancient star raises prospects of intelligent life
Concepção artística de nosso sistema solar (não em escala). Crédito: NASA/JPL
Surpresas em sua composição

A estrela é deficiente em ferro, mas é rica nos chamados "elementos alfa", tais como silício, carbono, nitrogênio e oxigênio. Estes elementos foram todos formados nas primeiras explosões estelares do nosso universo, quando estrelas mais velhas ficaram sem combustível para queimar e espalhar esses elementos distantes. Campante disse que estes elementos trazem uma composição surpreendente destes planetas em órbita da estrela.

Normalmente, os cientistas esperam que os então chamados planetas "terrestres" — como os rochosos Mercúrio, Vênus ou Terra — ter uma boa quantidade de ferro em seus interiores. Esta descoberta mostra que também é possível criar planetas que são feitos principalmente de elementos alfa, ele disse. Isto significa que os planetas rochosos podem ser capazes de se formar de várias maneiras, tornando-os mais comuns em todo o universo.

O sistema Kepler-444 não é muito como a nosso. A estrela Kepler-444 é ligeiramente menor do que o nosso Sol, e sua órbita de planetas é extremamente curta. A zona habitável neste sistema começa em torno de 0,4 unidades astronômicas (UA). No entanto, o planeta mais externo está a apenas 0,08 UA e isso é aproximadamente cinco vezes mais perto do que Mercúrio de nosso Sol.
Ancient star raises prospects of intelligent life
Os cientistas aprenderam mais sobre a idade e a natureza do sistema solar olhando para pulsos dentro da estrela mãe. Crédito: NASA



Ampliando a pesquisa

Existem alguns sistemas solares conhecidos que são tão antigos como Kepler-444. Um enorme planeta gigante gasoso conhecido informalmente como "Matusalém" foi descoberto no início de 2000. Quando a descoberta foi anunciada em 2003, os astrônomos disseram que o planeta tinha aproximadamente 12,7 bilhões anos de idade, mais do que o dobro da idade da terra.

No ano passado, astrônomos disseram que encontraram dois planetas orbitando a estrela de 11,5 bilhões de anos de idade Chamada Kapteyn, que tem esse nome em homenagem a uma astrônoma holandesa. Campante disse ambos Kapteyn b e c são susceptíveis a um tamanho entre Super-terras e mini-Netunos.

Outro antigo sistema solar foi encontrado orbitando Kepler 10, que tem aproximadamente 10,6 bilhões anos de idade, mas os dois planetas também não foram considerados habitáveis. Na época de sua descoberta, em 2011, os pesquisadores descreveram os planetas como "um mundo quente e rochoso e um planeta sólido com massa de Netuno."

Vai até que os mais poderosos observatórios encontrem mundos mais parecido com a Terra, disse Campante, mas felizmente dois deles já estão a caminho. A NASA planeja lançar o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) em 2017 e a Agência Espacial Européia lançará  PLATO (PLAnetary Transits and Oscillations of Stars) em 2024. Campante está envolvido no planejamento de Plato.

Assim como Kepler, PLATO irá procurar por mundos como a terra ao redor de estrelas como o Sol, mas ostentará um maior campo de visão e um receptor mais sensível. Ambos os recursos poderiam detectar mais mundos, disse Campante. TESS, entretanto, incidirá sobre estrelas mais perto da terra, tornando-as mais fáceis de controlar com observatórios terrestres.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter