Select Menu
» » » » » Clima selvagem de estrelas distantes pode afetar as chances de vida alienígena
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A Terra regularmente sofre violentas ejeções de materiais do Sol, mas poderiam essas erupções serem semelhantes em outros sistemas solares com planetas alienígenas inóspitos à vida?
Ilustração de um artista de como os eventos que acontecem no Sol podem afetar condições ao redor da Terra. Planetas extra-solares — com e sem campos magnéticos — também podem serem afetados quando as estrelas estiverem ativas. Créditos: NASA

Dois telescópios no deserto de Mojave estão procurando estes picos de atividade de estrelas, que poderiam afetar o desenvolvimento de planetas distantes e seu potencial para a vida. Os fluxos de material de uma estrela produz o que os cientistas chamam de "Clima espacial." Mas o clima do Sol pode ser suave comparado com a das estrelas M-anãs que são as mais abundantes nas galáxias.

"A medida que descobrimos planetas ao redor de M-anãs, eles são expostos a temperaturas muito mais ativas do espaço." disse, Jackie Villadsen, um estudante de pós-graduação do departamento de astronomia do California Institute of Technology (CalTech) Villadsen está trabalhando no programa Starburst com Gregg Hallinan, também do departamento de astronomia do CalTech.

Todos os dias o vento solar transporta partículas carregadas que bombardeiam a terra. Às vezes, no entanto, este "clima espacial" pode se tornar mais extremo, a medida que o Sol atira rajadas de plasma conhecidas como ejeções de massa coronal (EMC), que têm o potencial para derrubar satélites e redes na Terra.

Sem seu campo magnético, o planeta iria experimentar efeitos ainda maiores com a EMC: partículas carregadas podem tirar o ozônio do planeta, permitindo que a radiação prejudicial chegue à superfície.

Como o Sol é considerado uma estrela típica, é provável que planetas ao redor de outras estrelas típicas também devem suportar EMCs e o clima espacial... planetas ao redor de estrelas M-anãs são menores do que o Sol e vivem muito mais tempo. As M-anãs também conhecidas como anãs vermelhas e compõem cerca de 70 por cento das estrelas na Via Láctea e alguns cientistas sugerem que pode haver até um planeta em cada estrela anã vermelha.

Embora a vida longa das M-anãs possa prever o tempo suficiente para a vida evoluir em planetas em seus sistemas, seu clima espacial extremo pode ameaçar essas oportunidades. Súbitos flashes de brilhos na superfície de uma estrela, chamados flares, muitas vezes precedem as EMC, e as labaredas das anãs vermelhos são até mil vezes mais energéticas do que as do Sol.

Com todo o seu poder, as chamas podem ser difíceis de registrar. Elas aparecem aleatoriamente e essencialmente sem aviso prévio. Estudos da EMC do Sol são possíveis graças à variedade de telescópios dedicados ao monitoramento da estrela mais próxima da Terra. Pesquisar essas ejeções em estrelas próximas requer dedicação semelhante.

Para entender melhor o tempo espacial fora do sistema solar, nas M-anãs, bem como em outros tipos de sistemas estelares, Villadsen está estudando 15 estrelas a mais de dois anos com duas antenas de rádio no Observatório de rádio Owens Valley na Califórnia. Dos 15 alvos, oito são anãs vermelhas.

Ao manter as estrelas em observação contínua quase todas as noites, os cientistas serão capazes de ver para as explosões acidentais que irão lançar luz sobre o tempo espacial ao redor de outras estrelas.

"Para encontrar estas coisas, realmente precisamos apontar para outra estrela e esperar," disse de Villadsen.

Encontrar um jardim zoológico

Embora as chamas sejam observadas em outras estrelas, EMCs extrasolares não foram identificadas. Então as propriedades da EMC extra-solar permanecem um mistério. 

"É incrivelmente difícil de detectar com praticamente qualquer método," disse Villadsen.

No entanto, o Sol demonstra uma relação entre fortes erupções solares e EMC que outras estrelas devem replicar, disse ele. Os alvos selecionados são as estrelas mais próximas do flare dentro de 7 anos-luz, o que significa que essas estrelas frequentemente vomitam EMC.

Se a relação entre as chamas e EMC estão equilibradas em outras estrelas — e Villadsen disse que espera que isso aconteça — os alvos devem experimentar uma taxa extremamente alta de EMC incidentes como o evento de Carrington, uma poderosa explosão solar ocorrida em 1859 que resultaram em uma aurora brilhante e interrompeu até atividades de telégrafo na época, poderiam ocorrer diariamente estes planetas.

Para estudar EMCs ejetadas pelo Sol, um nave espacial cria um eclipse falso, bloqueando o corpo principal para permitir que os cientistas observem a atmosfera exterior. Outras estrelas não são tão bem desenvolvidas, tornando impossível ver a camada externa difusa de luz óptica. Então, em vez de procurar em comprimentos de onda visíveis, os cientistas pretendem estudar emissões de rádio das estrelas, observando a atividade que imitem EMCs do Sol nesse espectro.

Além das observações feitas no vale de Owens, observações simultâneas serão feitas na ocasião com outros telescópios. Estes incluem o Very Large Array e o Very Large Baseline Array, cuja sensibilidade maior proporcionará uma melhor compreensão da atividade sobre essas estrelas distantes. 

As observações devem revelar vários eventos nas estrelas ativas, que permitirão a equipe identificar e caracterizar EMCs.

"Nós encontraremos um zoológico inteiro de diferentes fontes de eventos", previu.

Traduzido e adaptado de Space

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter