Select Menu
» » » » Nós somos os únicos humanos no Universo, afirma Marcelo Gleiser
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Segundo o físico brasileiro Marcelo Gleiser, apesar de que o Universo esteja coberto de ingredientes e condições para a vida, nós somos os únicos seres humanos do Universo.
 photo marcelo_gleiser_zps9b9ff19e.jpg
Renúncia de abertura 1: Apesar da possibilidade de haver mais de um universo, como indica o hipotético Multiverso, vamos humildemente submeter à nossa própria bolha de informações, a esfera de raio igual a distância que a luz tem viajado desde o início dos tempos há 13,8 bilhões de anos. Considerando a expansão do universo, este raio sobe para aproximadamente 46 bilhões de anos-luz.
Renúncia de abertura 2: A "Vida", por assim dizer, significa qualquer rede auto-sustentável de reação química capaz de metabolizar energia do ambiente e de reprodução seguindo a seleção natural darwinista. Então, podemos descartar máquinas espirituais mais avançadas do que nós ou bizarras moradias estelares inteligentes ou enxames de nanobots habitando buracos de minhoca. Monstros de espaguete voadores também estão nessa lista.
OK, com estes fora do caminho, podemos começar.

 Talvez o resultado mais marcante da ciência moderna é que as mesmas leis da física e da química aplicam em toda a vastidão do espaço e do tempo. Pense nisso: agora somos capazes de ver estrelas e galáxias bebés a bilhões de anos-luz de nós. Achamos que elas têm os mesmos elementos químicos (em proporções diferentes) e que evoluem de acordo com as mesmas leis dinâmicas como o nosso sol faz. As leis físicas e químicas são as mesmas em todos os lugares.
Também sabemos, e este é outro resultado marcante da astronomia moderna, que a maioria das estrelas vêm com uma corte de planetas. E planetas tendem a ter luas. Cada um destes tem o seu próprio mundo, com diferentes propriedades físicas e composição química. Há grandes e pequenos planetas rochosos e gasosos, com muitas luas ou com poucas ou com nenhuma; planetas podem girar com uma grande ou pequena inclinação (a Terra está 23,5 graus inclinada em relação à vertical; Urano está a uma incrível inclinação de 97,7 graus), e possuem atmosferas mais espessas ou mais grossas  com gases diferentes e assim por diante.
Em números redondos, só em nossa galáxia Via Láctea, deve haver na faixa de  1 trilhão de mundo, cada um como uma única entidade.
A isto, acrescentamos a existência de centenas de bilhões de outras galáxias dentro de nossa bolha cósmica e iremos para alguns trilhões de trilhões de mundos em nosso universo, mais ou menos um fator de 100. (Um comentário nerd: engraçado que isto está tão perto do número de Avogadro, o número de átomos em um grama de hidrogênio.)
Neste ponto, você pode dizer: "Bem, dentro desta variedade surpreendente, quase tudo é possível." Mas não é bem assim!
A unidade das leis da física e da química age como uma restrição muito poderosa no que pode e não pode existir. Mesmo que em ciência — enquanto as leis da física são satisfeitas — não podemos realmente descartar o que não pode existir, podemos usar as leis da física e química para inferir o que pode existir. Imagine, no caso,  que o "monstro de espaguete voador", um primo do polvo, se aventurou fora da lagoa a alguns bilhões de anos atrás no planeta Mumba e, depois de alguns milhões de anos, penas cresceram em seus tentáculos e ele levantou voo. Ou, se não penas, algum mecanismo de balonismo biológico fez com que surgisse ar quente em seu aparelho digestivo.
Então, o que podemos esperar encontrar uma vez que não podemos verificar a vasta coleção de mundos e procurar criaturas vivas? Ninguém realmente sabe a resposta desta pergunta, embora nós possamos fazer suposições:
1. A vida será baseada em carbono. Por que? Porque o carbono é o átomo mais simples, capaz de fabricar todos os tipos de ligações químicas, melhores que qualquer outro. Uma imitação pobre é o silício; sua bioquímica iria ser severamente limitada em comparação. a vida precisa de versatilidade para prosperar, isso é sua prerrogativa principal.
2. A vida precisa de água líquida. Sim, você pode encontrar bactérias congeladas no permafrost, mas elas não estão vivendo. Mesmo que a vida, em essência, seja um reator bioquímico, ela precisa de um solvente, num meio onde as reações possam se desdobrar. Amônia é às vezes proposta como uma possibilidade. Mas é um gás que fica líquido somente abaixo de -33˚C. Então, um planeta frio com atmosfera pesada poderia ter amônia líquida; Mas isso é demais. A Água, uma substância mágica que é transparente, sem cheiro, sem gosto, que se expande à medida que congela (uma propriedade-chave para a vida à base de água, em climas mais frios, uma vez que há água líquida sob o gelo),  é o principal ingrediente de nosso próprio.
Dadas essas duas restrições, a essência da vida deveria ser simples: carbono + água + outras coisas (e uma quantidade mínima de nitrogênio e hidrogênio). 
Cada planeta que pode conter vida terá a sua própria história. E então, a vida lá terá sua própria história, completamente contingente no  que se diz respeito à hospedagem de vida do planeta. Isto significa que a seleção natural age como uma pressão baseada na história de sobrevivência, cada conto nessa história é, evidentemente, diferente. 
Como consequência e apesar de sua essência comum de carbono e água, não haverá idênticas formas de vida em planetas diferentes; ou pelo menos as chances serão extremamente baixas. E quanto mais complexa a vida seja formada, menor as chances de que ela seja replicada em outros lugares.
Se existe o monstro de espaguete voador, ele vai existir apenas em um mundo, assim como nós existimos em apenas um mundo. Nós somos os únicos  humanos neste Universo. E se considerarmos o que aprendemos com a história da vida na terra, as chances são de que a vida inteligente seja extremamente raraEnquanto a inteligência é claramente um ativo na luta pela sobrevivência entre espécies diferentes (nossos colegas homens das cavernas espancavam até à morte todos os mastodontes, não é?), não é um propósito de evolução; a evolução não tem um propósito, nem um objetivo final.
Até que se torne inteligente, a vida é feliz em apenas replicar-se; com inteligência, vai ser infeliz apenas replicando-se.
Juntando tudo isso, percebemos que estamos de fato conectados ao resto do cosmos quimicamente e que partilhamos a mesma base para a vida como qualquer outra forma hipotética de vida lá fora. Ao mesmo tempo, somos únicos, assim como são todas as outras criaturas vivas neste planeta. A vida é essa força incrível que, de um código baseado em carbono e um ancestral genético comum, pode criar uma diversidade impressionante de maravilhas, e possivelmente outros, mundos.
Traduzido e adaptado de npr

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter