Select Menu
» » » » » » » » Potente telescópio irá desvendar os segredos da matéria escura e energia escura
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Em uma cerimônia tradicional de colocação de pedra em La Serena, Chile, em 14 de abril, lançou oficialmente a construção do Grande Telescópio de Pesquisa Sinóptica (LSST). Este projeto ambicioso Internacional de astrofísica está programado para começar a digitalizar os céus em 2022. Quando isso acontecer, o LSST deve abrir o Universo "negro" da matéria escura e energia escura — respectivamente a substância e a força invisível, que compõe 95 por cento de massa e energia do universo — como nunca antes feito. 

Em 2 de abril de 2015, o diretor do LSST, Steven Kahn, juntamente com a astrofísica Sarah Bridle e o físico teórico Hitoshi Murayama, falaram com a Fundação Kavli sobre como a pesquisa arrebatadora do LSST de matéria escura e energia escura vai responder a perguntas fundamentais sobre a composição do nosso universo. No processo, LSST vai ajudar a responder perguntas sobre a história do universo e, possivelmente, revelar seu destino final.

"Em termos de quantidade de luz que irá ser recolhida e seu campo de visão, o LSST é cerca de dez vezes maior do que qualquer outro telescópio de pesquisa planejado ou existente", disse Kahn, Professor de ciências naturais no Kavli Institute for Particle Astrophysics and Cosmology of Physics (KIPAC) na Universidade de Stanford.

O LSST contará com um espelho de 8,4 metros de diâmetro e uma câmera de 3.2 gigapixels, a maior câmera digital já construída. Todos os dias, o telescópio irá pesquisar o céu do hemisfério Sul inteiro, transportando 30 terabytes de dados todas as noites. Depois de primeiro mês de operações, as câmeras do LSST observarão mais do universo do que todas as pesquisas astronômicas anteriores juntas!

Essa capacidade de coletar dados, que se estenderá por um prazo de dez anos de observação, vai render uma quantidade impressionante de informações astronômicas. O telescópio deve observar cerca de 20 bilhões de galáxias e muitas dezenas de milhares de supernovas. Além disso, o LSST vai ajudar a mapear as estrelas que compõem a Via Láctea e de asteroides que passam perto da Terra.

As observações de galáxias e supernovas, juntamente com outros dados, irão oferecer alguns dos testes mais rigorosos de matéria escura e energia escura. Resolver o enigma da energia escura não só aprofundará nossa compreensão do passado do nosso universo, mas também esboçar seu futuro.

"A energia escura está acelerando a expansão do universo e destruí-lo,", disse Murayama, o diretor do Instituto de Kavli para a física e matemática do universo (Kavli IPMU) da Universidade de Tóquio e um professor no centro de física teórica na Universidade da Califórnia, Berkeley. "As perguntas que fizemos foram: para onde vai o universo? Qual é o seu destino? Ficará ele completamente dilacerado no futuro? O universo acabará? Ou irá evoluir para sempre?"

Murayama continua: "Entender estas questões, é como tentar compreender quão rapidamente a população de um determinado país está envelhecendo. Você não conseguirá entender a tendência para onde o país está indo só de olhar para um pequeno número de pessoas. Você tem que fazer um censo da população inteira. De forma semelhante, você precisa olhar para uma vasta quantidade de galáxias para que você possa entender a tendência para onde o universo vai. Iremos fazer um censo cósmico com LSST."

Para analisar este censo, os pesquisadores dependeráão principalmente uma técnica chamada de lente gravitacional. Galáxias de fundo e seu associados da matéria escura gravitacionalmente dobram a luz a partir de galáxias de fundo de uma forma mensurável, observável. A medição desta distorção de lente gravitacional da vasta coleção de imagens do LSST vai nos dizer sobre a força da energia escura, que está acelerando a expansão do Universo, em diferentes momentos da história cósmica.

"Com os dados, vamos ser capazes de fazer um mapa tridimensional da matéria escura do universo usando lente gravitacional," disse Bridle, professor de astrofísica no grupo de Pesquisa de Astronomia Extragaláctica e Cosmologia no  centro de astrofísica  Jodrell Bank na escola de física e astronomia da Universidade de Manchester. "Então nós vamos usar isso para nos dizer mais sobre como o universo está mudando com o tempo, o que também vai nos permitir entender e desvendar mais sobre a energia escura."

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter