Select Menu
» » » » » » » » Deuses entre as estrelas: regiões do cometa 67P serão nomeadas com divindades egípcias
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

















Diferenças sutis nas características da superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko são usadas para definir diferentes regiões, todos nomeadas com deuses egípcios. Creditos: ESA/Rosetta/MPS do OSIRIS MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA

Como as regiões no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko conseguiram todos esses  bonitos nomes egípcios? Um cientista da missão Rosetta recentemente explicou como esses rótulos divinos foram escolhidos.

Quando o mundo ocidental começou a exumação de antigas cidades egípcias e decodificou as ruínas dessas culturas, histórias ocultas que uma vez foram iluminadas para um novo grupo de pessoas. Agora, os cientistas estão tentando escavar um objeto da antiguidade ainda maior: um cometa viajando ao redor do nosso sol.  

A sonda Rosetta tem orbitado o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko (cometa 67P, encurtando) por quase um ano, e com as imagens enviadas para a Terra da nave espacial, os cientistas estão se tornando intimamente familiarizados com a superfície do cometa. Eles dividiram-no em 19 partes separadas e nomearam estas em homenagem a deuses egípcios. 

Em um artigo postado terça-feira (15 de julho) no blog da Rosetta da Agência Espacial Europeia, M. Ramy El-Maarry, uma cientista da Universidade de Berna, escreveu sobre como a equipe de Rosetta decidiu continuar com o tema nas recém descobertas regiões do cometa 67 P e os nomes de deuses e deusas egípcios. Além disso, o artigo discutiu os resultados de um novo paper criado por El-Maarry e colegas que continuam a investigar a história do cometa, e como ele se desenvolveu com tantas características distintas.

A sonda Rosetta é uma homenagem a pedra de Roseta, um pedaço de pedra, encrustada com hieróglifos egípcios que permitiram que os antropólogos decodificassem a linguagem de uma civilização antiga (a própria rocha foi dada o antigo nome da cidade egípcia onde foi encontrada).

"Assim como a pedra de Roseta forneceu a chave para um antiga [civilização], a espaçonave Rosetta da ESA vai desbloquear os mistérios dos blocos de construção mais antigos do nosso sistema Solar — os cometas," de acordo com o site da ESA.

Os antigos egípcios tiveram "tantas divindades em sua longa história" que a equipe não sabia quais escolher, disse El-Maarry no artigo. "Além disso, muitos dos nomes eram cativantes, fáceis de lembrar e mais importante, fáceis de pronunciar. Lembro-me inicialmente que eles tentaram usar nomes de cidades antigas e que estávamos vindo por outro lado com um monte de nomes que eram muito difíceis e que enrolavam a língua, até mesmo para um egípcio como eu!"

O cometa 67P tem dois lóbulos distintos, ligados por um pescoço mais fino. O maior dos dois lóbulos, o corpo e o lóbulo menor, conhecido como a cabeça, dar ao cometa uma aparência semelhante a um pato de borracha de plástico. Parece que essa forma de duplos-lóbulos é comum entre os cometas.

"Escolhemos Hapi para o pescoço uma vez que Hapi é o Deus do Nilo, e achamos que ele deveria separar os lóbulos da mesma forma que o Nilo divide o Egito em um lado oriental e ocidental," disse El-Maarry na instrução.

Regiões no lobo corpo do cometa são nomeadas com deuses egípcios, e regiões na cabeça com o nome de deusas, de acordo com El-Maarry. Até agora existem 19 regiões, que se dividem em cinco categorias: regiões cobertas de pó (Ma'at, Ash and Babi); uma região coberta de poços e estruturas circulares que são constituídas com materiais frágeis (Seth); regiões com grandes depressões (Hatmehit, Nut e ATON); regiões mais suaves (Hapi, Imhotep e Anubis); e aquelas com superfícies rochosas (Maftet, Bastet, Serqet, Hathor, Anuket, Khepry, Aker, Atum e Apis).

Os nomes das regiões são principalmente de deuses e deusas egípcios conhecidos e isso foi intensional, disse El-Maarry,  pois muitos dos mais populares nomes de divindades já foram usados por outras missões espaciais. Osíris, por exemplo, é o nome de um instrumento a bordo Rosetta, bem como uma missão da NASA programada para lançamento em 2016 que irá trazer amostras de asteróides próximos à Terra.

Enquanto a superfície do cometa possa parecer uniformemente rochosa para o olho destreinado, pesquisadores como El-Maarry estão encontrando muita variação, o que sugere que o cometa tem tido uma história muito ativa, uma vez que os cometas se movem em direção ao Sol, materiais previamente congelados sublimam-se em gás, que podem causar perturbações rápidas no material rochoso que faz com que o cometa varie sua forma.

Aton, por exemplo, é uma região longa e delgada, encontrada sobre o corpo do cometa e nomeada em homenagem a um deus egípcio do Sol. A região de Aton contém uma longa depressão com lados acentuadamente inclinados, delimitados pelo material empoeirado, frágil em Ash e Babi. Em uma nova revista, El-Maarry e colegas sugerem que a depressão pode ter sido causada por uma explosão rápida e talvez violenta de atividade (talvez como as dolinas recentemente estudadas no cometa, que podem decorrer de gelo derretendo sob a superfície). Enquanto isso, o artigo que sugeriu que a única região conhecida como Seth pode estender-se para mais distante de Ash e Babi do que se pensava.

À procura de mudanças sutis na paisagem do cometa pode ser complicada em duas dimensões, então os cientistas da Rosetta também estiveram usando o 3D "anaglyphs" que usa imagens criadas pela combinação de  outra imagens tiradas da mesma região, com alguns segundos separados (para obter o efeito 3D, você vai precisar de óculos 3D vermelho-azul ou vermelho-verde — você pode ver mais imagens em 3D do cometa 67 P aqui).


A região do cometa conhecida como Imhotep é uma região suave nos maior lóbulo do cometa que é nomeado com um homem que viveu no antigo Egito e foi uma das figuras mais brilhantes do mundo antigo. Imhotep foi um cientista, engenheiro e um médico, Ele também foi o responsável pela construção da primeira pirâmide do Egito, em Saqqara. "Felizmente para nós, não havia nenhum prêmio Nobel no antigo Egito então quando Imhotep morreu, ele foi deificado pelos antigos egípcios pelos crédito de suas realizações e hoje, mais uma vez, estamos usando o seu nome como um belo tributo e homenagem ao seu trabalho científico, disse El-Maarry. 

Traduzido e adaptado de Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter