Select Menu
» » » » » » Coração de nossa galáxia brilha em psicodélicos raios-x
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Quando um médico usa um aparelho de raios-x para olhar dentro do seu corpo, estruturas densas, como seus ossos se tornam visíveis. Mas quando os astrônomos usam a capacidade do observatório espacial XMM-de raios-x da ESA que observa raios-x, estruturas dentro do coração de nossa galáxia da Via Láctea são revelados - e não porque elas estão bloqueando a luz de raios-x, mas porque elas estão brilhando fortemente com  ele.

A imagem acima mostra o que o centro lotado da galáxia parece, emitido em massa por áreas extremamente ativas e quentes como os discos de acreção que cercam a alimentação de buracos negros

E à direita no coração da Via Láctea, a 26.000 anos-luz da Terra, encontra-se o avô galáctico de todos eles: Sagitário A* (pronuncia-se "estrela-A"), um buraco negro supermassivo que contém mais massa do que 4,5 milhões de sóis.

Apesar de ser massivo, Sgr A* não chega nem perto dos maiores buracos negros supermassivos existentes  (alguns contêm dezenas de  milhares de milhões  de massas solares) nem é o mais brilhante objeto nesta imagem do XMM-Newton. Isso é porque ele, não ao contrário de outros núcleos galácticos ativos, é relativamente fraco em raios-x. Isso pode ser devido ele ser um "devorador desleixado", ejetando muito do seu material acumulado antes que ele tenha a chance de chegar perto o suficiente para o seu horizonte de eventos acelerar, aquecer, e começar a brilhar com raios-x.

O XMM-Newton revelou, porém, que eles são "lobos" de gás brilhante de raios-x em torno da área de Sgr A*. Estas podem ser evidências de material que também tem sido ejetado do buraco negro, ou então sendo rapidamente afastado dos ventos fortes e outras emissões estelares nas proximidades.

A área brilhante, muito mais brilhante que Sgr A* na verdade, pode sea visto na parte inferior direita do centro galáctico. Este é o brilho do que foi agora confirmado para ser um aglomerado de supernovas literalmente. Estamos falando sobre material quente!

Esta vista é o resultado de um mês e meio de observações pelo XMM-Newton, que orbita a Terra a distâncias que variam de 4.300 milhas (7.000 km) para, tanto quanto 71.000 milhas (114.000 km).

Fonte:  ESA

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter