Select Menu
» » » » » » Sonda Cassini confirmou um oceano global em lua de Saturno
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Desde 2005, quando a Cassini Orbiter da NASA encontrou nuvens de vapor de água em fissuras no pólo sul da lua gelada de Saturno Enceladus, os pesquisadores procuraram para saber mais sobre o misterioso interior da lua, um possível morada de vida extraterrestre.

Sobrevoos repetidos em Enceladus revelaram maravilhas, incluindo moléculas orgânicas e sais nas plumas vaporosas que fazem alusão a atividade hidrotermal nas profundezas da lua, sob o que deve ser um reservatório de água considerável.

Apesar destas descobertas, os pesquisadores têm se esforçado para determinar as dimensões das profundezas das águas de Enceladus. Medidas cuidadosas do campo gravitacional da lua produziram resultados mistos: Alguns teóricos concluíram que não era apenas um mar pequeno em forma de lente abaixo do pólo sul, uma mecha de umidade momentaneamente arrancou o gelo do vizinho Saturno. Neste processo, chamado de aquecimento de maré, a atração gravitacional de Saturno faz com que a crosta se flexione, gerando fricção que aquece o interior. Em escalas de tempo geológicas, tal mar seria uma coisa passageira, descongelamento e congelamento em ciclos que poderiam impedir o surgimento de biologia.

Outros teóricos argumentou que os dados da Cassini sugerem um oceano que cobre toda a lua. Embora mais propício à vida, tal oceano seria muito mais difícil de explicar: Enceladus é uma lua diminuta, apenas um pouco mais larga do que o Arizona, sem massa suficiente para produzir facilmente ou manter as grandes quantidades de calor interna necessário para uma enorme extensão de tais águas líquidas.

Agora, novos dados da Cassini fornecem a melhor evidência até agora de que Encélado tem um oceano global de longa existência e um mar de curta existência. Ao invés de contar com mais estudos de campo gravitacional da Encelado, pesquisadores basearam-se em sete anos de imagens da superfície de Encelado para medir a libração da lua — como balança que orbita e gira ao redor de Saturno. Apesar de rápida, a oscilação da lua é ainda grande o suficiente para descartar uma crosta congelada em um núcleo rochoso. Os resultados serão publicados esta semana na revista Icarus.

"Se a superfície e o núcleo forem rigidamente ligados, o núcleo daria muito peso morto e a oscilação seria muito menor do que nós pensávamos que ela seria", diz Matthew Tiscareno, um cientista e co-autor do artigo da Cassini no Instituto SETI na Califórnia . "Isto prova que deve haver uma camada de líquida global de separação da superfície do núcleo."

A melhor estimativa dos pesquisadores é que a oscilação resultante de um oceano global entre 26 e 31 quilômetros de profundidade, um vasto abismo oferecendo oportunidades abundantes para que a vida como a conhecemos venha a surgir e evoluir. Em comparação, o oceano da Terra tem uma profundidade média de 3,7 quilômetros, embora nosso oceano seja ainda maior, uma vez que se propaga através de uma área muito maior.


Com a existência do oceano em Encelado, os cientistas planetários estão se voltando para o mistério mais profundo de onde exatamente todo o calor está vindo de dentro da pequena lua. Uma ideia tentadora é que a força gravitacional de Saturno está de alguma forma gerando muito mais aquecimento de maré do que se pensava no prazo de Encelado. Ao estudar as profundezas desta lua gelada, também pode ganhar uma nova visão sobre o funcionamento interno do planeta.

Além disso, há ainda a grande questão de saber se algo está nadando dentro profundezas de Encélado. Cassini está programado para fazer um passo final e profundo através de plumas da lua este mês de outubro, farejando novas pistas em um voo rasante a menos de 50 km de distância da superfície. A missão vai terminar em 2017, com uma queda controlada na atmosfera - uma medida de precaução para evitar qualquer possibilidade de contaminação de Encelado com quaisquer micróbios que viajem daqui da Terra.

Não há outras visitas a Saturno que estejam atualmente planejadas e financiadas; poderão passar décadas até que outra nave espacial novamente viaje ao sistema. Mesmo assim, a lua possui um oceano duradouro, em vez de um mar momentâneo, podemos estar certos de que sempre poderemos voltar, e qualquer vida estará à espreita dentro de Encelado, esperando por nós.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter