Select Menu
» » » » » Missões humanas a Marte vão ser completamente diferentes de "Perdido em Marte"
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A visão futurista do filme de sucesso de exploração interplanetária em breve poderá estar desatualizada.


A estreia do diretor Ridley Scott dessa semana, "Perdido em Marte" está sendo aclamada como um dos filmes mais realistas da exploração espacial humana já produzido. Baseado no romance de 2011 de Andy Weir, o filme é estrelado por Matt Damon como Mark Watney, um astronauta que se tornou botânico, abandonado em Marte depois de ser acidentalmente deixado para trás por seus colegas de tripulação. Com comida e suprimentos extremamente limitados, e com qualquer esperança de resgate a mais de um ano e milhões de quilômetros de distância, Watney teve de colocar pra fora suas habilidades para sobrevivência e subsistência no mais memorável diáogo do filme: ou "uso a ciência para sair fora desta merda", ou morro.

Aliás, não é realmente ciência que Watney usa para sobreviver - é engenharia. Mas o que quer que você chame-a, o resultado é um retrato maravilhosamente divertido e razoavelmente preciso de como é viver da terra, mesmo quando essa terra esteja em um planeta alienígena liofilizado.

Enquanto os trabalhadores da NASA lutam para lançar uma missão para trazê-lo de volta para casa, Watney improvisa um esquema engenhoso após o outro para se manter vivo. Ele transforma o habitat em um laboratório de química e em uma estufa, extrai água potável a partir de combustível de foguete e cultiva batatas no solo marciano pobre em nutrientes fertilizado-o com suas próprias fezes e faz reparos nas roupas espaciais e exaustores de ar com fita adesiva. Ele mesmo dirigiu o veículo de longo curso alimentado por baterias solares e aquecido com plutônio radioativo e caminhou para o local de pouso do desbravador rover da vida real da NASA de reativar o seu rádio e restabelecer as comunicações com a Terra.

Há várias pequenas imprecisões, tanto no livro de Weir quanto no filme de Scott. O vento de uma tempestade de poeira que inicialmente encalha o astronauta em Marte seria, na realidade apenas uma ondulação numa bandeira, pois a atmosfera marciana é muito fina. Em vez de extrair a água do combustível de foguetes, na vida real Watney pode extrair e purificar a água a partir de depósitos de gelo que se pensam existir sob o solo em grandes áreas do planeta. E como a atmosfera de Marte e o campo magnético são muito insubstanciais para proteger contra a radiação cósmica, o nervosismo da Watney sobre aquecer-se com plutônio fortemente blindado é equivocado-na verdade, pois a maior parte de sua exposição à radiação estaria simplesmente andando por aí fora em seu traje espacial.

Mas estes são problemas técnicos menores. As maiores divergências do filme na realidade são menos sobre a ciência, e mais sobre a tecnologia e política. A questão-chave para perguntar sobre a precisão de "Perdido em Marte" precisão  é a seguinte: Será que Watney - ou qualquer outra pessoa - possa mesmo estar em Marte,  para que a história se desenrolasse como acontece no filme?

Nem o livro nem o filme explicitamente dizem exatamente quando a história se passa, mas Weir (bem como os leitores inteligentes que a engenharia reversa na linha do tempo do livro) tem revelado que Watney e seus colegas de tripulação pousaram em Marte em novembro de 2035. Eles chegam lá através de um viagem de quatro meses em um transporte interplanetário gigantesco e muito caro, no qual faz viagens de ida e volta entre a Terra e Marte. O traslado também gira para fornecer gravidade artificial para os seus ocupantes, para protegê-los contra o desperdício causado por estadias prolongadas em gravidade zero. Além disso, a missão da Watney é realmente o terceiro pouso humano em Marte, precedido por dois desembarques no início da década de 2030.

Tudo isso parece engrenar-se com o programa "Journey to Mars" da NASA, que pretende enviar astronautas a Marte em 2030. Mas um olhar mais atento ao programa da NASA revela problemas potenciais. Apesar de sua precisão científica e técnica, "Perdido em Marte" parece ocorrer em um mundo de conto de fadas onde a NASA possui muito mais poder político e tem uma participação muito maior do orçamento federal do que seus atuais meros 0,4 por cento.

A NASA não nenhum plano para uma gigantesca nave espacial que faz viagens entre a Terra e Marte, provavelmente porque tal nave espacial é considerada inviável. Na verdade, as disputas em curso em Washington sobre como dividir o orçamento persistentemente para os planos da NASA significa que essencialmente todos os componentes cruciais para viagens - os pesados elevadores de foguetes, as fontes de energia, motores e nave espacial para o espaço profundo, os landers, superfície dos habitats e veículos de subida - estão atrasados e ainda em estágios iniciais de desenvolvimento Atolados na lama da política, a NASA pode não conseguir pousar uma tripulação de astronautas em Marte em 2035, muito menos três.

Então, novamente, por volta de 2030, pode haver boas razões para evitar pouso em Marte. A busca por vida extraterrestre é sem dúvida a motivação mais poderosa para enviar seres humanos a Marte, mas também isso poderia afundar tais missões. O anúncio desta semana de que a  NASA confirma fluxos transitórios de água líquida no atual Marte está alimentando um debate sobre se os seres humanos poderiam visitar regiões mais tentadoras com habitabilidade no planeta vermelho sem comprometê-lo. Micróbios terrestres já pegaram carona em várias viagens interplanetárias robótica devido a nossas técnicas menos-que-perfeitas de esterilização das naves espaciais, levando consigo o risco de contaminar ou destruir quaisquer ecossistemas nativos onde eles pousam.

Se, micróbios tenazes raros em um robô são um problema, os trilhões que vivem dentro de cada explorador humano seria uma preocupação bem maior. Um novo relatório divulgado na semana passada pela Academia Nacional de Ciências diz que tais preocupações "de proteção planetária" poderiam limitar os desembarques humanos para as partes de Marte consideradas menos prováveis que tenham vida. 

Uma solução provisória para os problemas de orçamentos e contaminação, apresentadas em um segundo relatório divulgado esta semana pela Planetary Society, é enviar os seres humanos não a Marte em 2030, mas sim para as suas luas, Phobos e sua irmã de meio tamanho, Deimos. Ambas as luas são fáceis de visitar por causa de suas gravidades baixas de superfície, e elas são mais provavelmente repleta de restos antigos que impactos de asteroides que explodiram em órbita a partir da superfície marciana. Depois dessas surtidas lunares em volta de 2030, os seres humanos podem finalmente descer a Marte no final daquela década e na década de 2040 as.

Em vez de ficar em Marte, em 2035 um astronauta como Watney pode mais realisticamente ser encontrado em uma sobrecarga lunar, praticamente explorando o Planeta Vermelho com robôs de controle remoto que escalam penhascos, cavernas, enterram-se no chão e voam pelo ar, mas convenhamos, ir para Marte seria muito mais emocionante!. Com o tempo, a imagem de astronautas crivados de micróbio passeando em torno de Marte em trajes espaciais volumosos pode parecer esquisito. Por enquanto, ir ao cinema ver o filme é o mais próximo de chegar em Marte, uma vez que a maioria de nós nunca vai chegar lá por um longo tempo. O que pode não ser uma coisa ruim!

Traduzido e adaptado de Scientific American

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter