Select Menu
» » » » » » NASA descobre céu azul e gelo vermelho em Plutão
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Depois de lançar ao mundo a descoberta que Marte possui água corrente em sua superfície, agora a NASA, junto com a equipe da New Horizons fez a incrível descoberta de um céu azul e gelo vermelho no planeta anão plutão.

Céu azul de Plutão: camada de névoa de Plutão mostra a sua cor azul nesta fotografia tirada pela New Horizons com a Câmera Ralph/ Multispectral Visible Imagens (CIVM). Acredita-se que a neblina de alta altitude  seja natureza semelhante ao observado na lua de Saturno, Titã.  Créditos: NASA / JHUAPL / SwRI


As primeiras imagens coloridas de neblinas na atmosfera de Plutão, retornados pela sonda New Horizons da NASA na semana passada, revelam que as neblinas do planeta são azuis.

"Quem teria esperado um céu azul no Cinturão de Kuiper? É lindo ", disse Alan Stern, investigador principal do Instituto Southwest Research (SwRI), Boulder, Colorado.

As partículas da neblina são provavelmente cinza ou vermelha, mas a maneira como elas dispersam a luz azul tem obtido a atenção da equipe de ciência da New Horizons. "Essa impressionante tonalidade azul nos fala sobre o tamanho e a composição das partículas de neblina", disse o pesquisador da equipe de ciência Carly Howett, também da SWRI. "Um céu azul muitas vezes resulta da dispersão da luz solar por partículas muito pequenas. Na Terra, essas partículas são muito pequenas são moléculas de nitrogênio. Em Plutão eles parecem ser maiores - mas ainda relativamente pequenas - como partículas de fuligem - chamamas tholins "

Água e gelo em plutão: Regiões expostas ao gelo de água são destacadas em azul nesta imagem composta a partir de instrumento Ralph New Horizons.

Os cientistas acreditam que as partículas tholin formam-se na atmosfera elevada, onde a ionização da luz ultravioleta solar rompe e as moléculas de azoto e metano e permite-lhes reagir umas com as outras para formar íons mais complexos e mais negativamente e positivamente carregados. Quando elas se recombinam, elas formam macromoléculas muito complexas, um processo encontrado primeiro na alta atmosfera da lua de Saturno Titã. As moléculas mais complexas continuam a combinar e crescer até que se tornem pequenas partículas; gases voláteis condensam suas superfícies com gelo antes que eles tenham tempo para cair através da atmosfera para a superfície, onde eles adicionam a coloração vermelha de Plutão.

Em uma segunda constatação significativa, a New Horizons detectou inúmeras regiões pequenas, expostas a gelo aquático em Plutão. A descoberta foi feita a partir de dados coletados pela mapeador de composição espectral Ralph da New Horizons. 

"Grandes extensões de Plutão não mostram água gelada exposta", disse o membro da equipe científica Jason Cook, de SwRI, "porque é aparentemente mascarado por outros gelos mais voláteis em quase todo o planeta. Entender por que a água aparece exatamente onde ele faz isso, e não em outros lugares, é um desafio que estamos investigando." 

Um aspecto curioso da detecção é que as áreas que mostram as mais óbvias assinaturas espectrais de gelo aquático correspondem a áreas que são vermelha brilhante em imagens coloridas recentemente divulgadas. "Estou surpreso que este gelo seja tão vermelho", diz Silvia Protopapa, um membro da equipe científica da Universidade de Maryland, College Park. "Nós ainda não entendemos a relação entre o gelo de água e os corantes avermelhados tholin na superfície de Plutão."

A sonda New Horizons está atualmente a 3,1 bilhões de milhas (5 bilhões de quilômetros) da Terra, com todos os sistemas saudávefis e operando normalmente.

Com informações da NASA

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter