Select Menu
» » » » Por que o novo ano começa em 1 de Janeiro?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O Dia de Ano Novo é um evento civil. Sua data não é precisamente fixada por qualquer marcador sazonal natural.

O Ano Trópico

Um ano trópico, também chamado ano das estações ou ainda ano solar, é o intervalo de tempo que o Sol, em seu movimento aparente pelo céu, leva para partir de algum dos quatro pontos que definem as estações e retornar para o mesmo ponto, ou seja, é o tempo entre duas passagens pelo equinócio de primavera, pelo solstício de verão, pelo equinócio de outono ou pelo solstício de inverno.

O ano civil se baseia no ano trópico, que tem uma duração de 365 dias 5h 48min 46s. Para compensar essa diferença de horas, um ano de 366º dias foi acrescentado no calendário gregoriano a cada quatro anos, que por sua vez será denominado de bissexto. 2016 será um ano bissexto. 

Também se usa o termo para designar o período orbital (também designado período de translação) de qualquer planeta.  Pelo ano trópico não ter uma quantidade exata de dias, torna-se necessário introduzir correções periódicas e regulares no ano civil, para que este se mantenha sincronizado com as estações.

Além do ano tropico, existe o ano sideral que é o período que decorre numa revolução completa (360º) em torno do Sol de um corpo celeste entre duas culminações estelares. Este período reflete o tempo real de translação de um corpo relativamente ao Sol. O ano de calendário não é igual ao período sideral, mas sim igual ao ano trópico em que a Terra não completa 360º ao redor do Sol.

Origem histórica

A data do Dia de Ano Novo parece tão fundamental que é quase como se a natureza desse uma ordem para que acontecesse. Mas o Dia de Ano Novo é um evento civil. Sua data não é precisamente fixada por qualquer marcador sazonal natural.

A nossa moderna celebração do Ano Novo deriva de um antigo costume romano, a festa do deus romano Janus - deus das portas e começos. O nome para o mês de janeiro também vem de Janus, que foi descrito como tendo duas faces. Uma face de Janus olhava para trás para o passado, e a outra olhava frente, para o futuro.

No hemisfério norte, o início de janeiro é um tempo lógico para novos começos. No solstício de dezembro, tivemos o dia mais curto do ano. No início de janeiro, os nossos dias serão, obviamente, alongados novamente. Este retorno de mais horas de luz do dia teve um efeito profundo sobre as culturas que estavam amarrados aos ciclos agrícolas. Ele tem um efeito emocional sobre as pessoas, mesmo nas cidades hoje.

Os primeiros criadores do calendário não sabiam disso, mas hoje sabemos que há um pouco de lógica  astronômica por trás do começo do ano em 1º de janeiro, quando a Terra está sempre mais próxima do Sol em sua órbita anual em torno deste tempo. Este evento é chamado de Periélio Terrestre. 

As pessoas nem sempre celebram o ano novo em 1º de janeiro. Acredita-se que o mais antigo registro de uma celebração do ano novo ocorreu na Mesopotâmia, por volta de 2000 a.C. Essa celebração - e muitas outras celebrações antigas do ano novo seguinte - foram comemoradas em torno do tempo do equinócio vernal, em torno de 20 de março. Enquanto isso, os antigos egípcios, fenícios, persas começavam seu ano novo com o equinócio de outono em torno de 20 de setembro e os gregos antigos celebravam no solstício de inverno (verão para o hemisfério Sul), em torno de 20 de dezembro.

Na Idade Média, entretanto, em muitos lugares, o ano novo começava em março. Por volta do século 16, um movimento desenvolvido para restaurar 01 de janeiro como o Dia de Ano Novo. No novo estilo ou calendário gregoriano, o Ano Novo começaria no dia primeiro de janeiro.

Conclusão: Embora a duração dos dias do ano tenha ligação diretamente com a astronomia, não há nenhuma razão astronômica para comemorar o dia de ano novo em 1º de janeiro e sim, uma razão mitológica e religiosa. A nossa moderna celebração de Ano Novo deriva da antiga, do deus de duas caras, o deus romano Janus - que dá nome também ao mês de janeiro. Uma face de Janus olhava para trás para o passado, e a outra olhava para o futuro.

Nós que fazermos a Mistérios do Universo desejamos a todos um Feliz novo ciclo, um feliz 2016 de muita sabedoria e conhecimento!

Referências:



Earth and Sky

Thomas Rutherford, A system of natural philosophy: being a course of lectures in Mechanics, Optics, Hydrostatics, and Astronomy, Volume 2 (1748), 382. Um ano civil é um período de dias, definido de forma a ser igual a um ano trópico, p.97

Ciência Viva.
A Terra gira em torno do Sol.

Fio Cruz. Estações do Ano. 

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter