Select Menu
» » » » » » » Ônibus espacial Challenger: 30 anos do desastre que chocou o mundo e mudou a NASA
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Em 28 de Janeiro de 1986, um ônibus espacial explodiu apenas 73 segundos após decolar, matando os sete astronautas a bordo

Em um dia como hoje, 30 anos atrás, a NASA sofreu uma tragédia de voo espacial que surpreendeu o mundo e mudou para sempre os rumos da agência.

Em 28 de janeiro de 1986, o ônibus espacial  Challenger explodiu apenas 73 segundos após decolar do Centro Espacial Kennedy na Flórida, matando os sete astronautas a bordo, incluindo a professora  Christa McAuliffe, do New Hampshire, uma civil que tinha sido selecionada para voar através do programa da NASA "Professor no Espaço".
Os seis astronautas e a professora que morreram na manhã de 28 de janeiro de 1986, quando um motor impulsionador falhou, causando a nave Challenger explodiu distante apenas 73 segundos após o lançamento.


Tragédias na agência já haviam acontecido mesmo antes da Apollo-1. Os tripulantes Ed White, Gus Grissom e Roger Chaffee morreram quando durante um incêndio dentro de seu módulo de comando em um exercício de lançamento em 27 janeiro de 1967, mas o desastre do Challenger foi algo completamente diferente.

"O país e o mundo inteiro estavam em choque quando isso aconteceu, porque essa era a primeira vez que os Estados Unidos tinham, na verdade, perdido um veículo espacial com tripulação a bordo", disse o ex-astronauta da NASA Leroy Chiao, que voou em três missões do ônibus espacial durante sua carreira (em 1994, 1996 e 2000), e também serviu como comandante da  Estação Espacial Internacional  de outubro de 2004 a abril de 2005.

"Foi ainda mais chocante porque Christa McAuliffe não era um astronauta profissional", disse Chiao ao Space.com. "Se você perder os militares durante uma operação militar, é triste e é trágico, mas eles são profissionais que fazem um trabalho, e esse é o tipo de coisa que eu enxergo em astronautas profissionais. Mas você levar alguém que não é um profissional, e ela passar a ser mais uma perda da missão - isso adiciona o choque "


A TRIPULAÇÃO DE VOO STS-51L CHALLENGER RECEBE TREINAMENTO DE SAÍDA DE EMERGÊNCIA NAS CESTAS DE ARAME. SÃO ELES ( DA ESQUERDA PARA A DIREITA): RONALD MCNAIR, ESPECIALISTA DE CARGA, GREGORY JARVIS, PROFESSORA, CHRISTA MCAULIFFE. LOGO ATRÁS DELES ESTÃO OS ESPECIALISTAS DA MISSÃO JUDY RESNIK E  ELLISON ONIZUKA. NASA NO THE COMMONS / FLICKR

Mudança na cultura

Antes do Challenger ser lançado em sua malfadada missão STS-51L, o  programa do ônibus espacial  havia completado 24 missões consecutivas, começando com a decolagem do ônibus espacial Columbia em  de abril 198. Dessa série de sucessos foi criada uma medida de complacência, disse Chiao.

"Houve uma 'febre lançamentos' no momento, para tentar concluir essas missões antes do prazo, e assim conseguir mais missões", disse ele.

Esse tipo de pensamento apressado desempenhou um papel significativo no desastre, concluíram especialistas. O Challenger foi perdido porque a borracha de vedação "O-ring" no reforço no foguete direito da nave falhou, permitindo que o gás quente escapasse e danificasse o tanque externo de combustível da nave, assim como a engrenagem que anexava o reforço para o tanque.

O O-ring falhou em parte porque as temperaturas excepcionalmente frias no dia do lançamento causaram o seu endurecimento. A temperatura no momento da decolagem foi de 36 graus Fahrenheit (2 graus Celsius) -15 graus F(8 graus C), ou seja, mais frias do que qualquer lançamento de ônibus espaciais anteriormente, segundo os oficiais da NASA.

"A decisão de lançar o Challenger foi falha. Aqueles que tomaram essa decisão não tinham conhecimento da história recente de problemas relativos aos anéis de vedação e da articulação, e não tinham conhecimento da recomendação inicial por escrito do contratante desaconselhando o lançamento em temperaturas abaixo de 53 graus Fahrenheit [11.7 graus C] e a oposição contínua dos engenheiros da Thiokol [Morton Thiokol, que construíram sólidos propulsores de foguetes do ônibus espacial] após a administração reverter sua posição ",  escreveram pesquisadores  em seu relatório sobre o desastre, que é conhecido como o Relatório da Comissão Rogers.

"Eles não têm um entendimento claro da preocupação de Rockwell que não era seguro para o lançamento por causa do gelo no", acrescentaram. (O Rockwell International construiu as naves espaciais para a NASA.) "Se os decisores conhecessem todos os fatos sobre os problemas, é altamente improvável que eles decidiriam lançar 51L em 28 de janeiro de 1986."

De certa forma, o acidente sacudiu esses tomadores de decisão, disse Chiao.

"Um monte de coisas mudou", disse ele. "O ônibus espacial teve de ser totalmente re-certificado. Cada última peça técnica foi re-analisada."

Este trabalho levou quase três anos. O programa do ônibus foi aterrado até que o ônibus de órbita Discovery decolar em 29 de setembro de 1988. 

Heróis caídos

O  desastre da Challenger  causou a morte de sete pessoas: O comandante Francis "Dick" Scobee; o piloto Mike Smith; os especialistas de missão Judith Resnik, Ron McNair e Ellison Onizuka; a especialista de carga e Greg Jarvis e a civíl McAuliffe.

Eles ainda fazem falta hoje, três décadas mais tarde.

"Trinta anos apenas parece que foi ontem", disse Barbara Morgan, que serviu como backup de McAuliffe no programa "Teacher in Space" e, eventualmente, tornou-se a orbitar em 2007, a bordo do ônibus espacial Endeavour. "Essas pessoas ainda estão comigo o tempo todo, todos os dias."

Morgan disse que o programa "Teacher in Space" teve um enorme impacto em McAuliffe, embora a missão STS-51L terminasse em tragédia.

"Foi um momento muito ruim para a educação. Um enorme estudo tinha saído -  um grande documento chamado "A Nation at Risk", que falou sobre o quão ruim o nosso sistema de educação era, e que todas as escolas e todos os professores eram "pintados" com um grande e largo pincel ruim", disse Morgan Space.com. "Havia um ditado muito popular na época:" Aqueles que podem, para fazer aqueles que não podem, para ensinar. '. "

Mas McAuliffe ajudou a mudar essa percepção, acrescentou.

"Christa era apenas uma professora maravilhosa, um ser humano maravilhoso e uma maravilhosa representante da nossa profissão, e que fez com que ela se transformasse", disse Morgan. "Isso é algo que eu estou muito, muito grata e orgulhosa."

Apenas alguns meses após o acidente do Challenger, os "membros da família" dos astronautas perdidos na missão configuraram uma organização sem fins lucrativos chamada de  Centro Challenger para a Educação Ciência Espacial, que visa despertar o interesse dos alunos em ciência, tecnologia e matemática, dando-lhes experiências emocionantes e ajudando-os nesse campo.

O Centro Challenger atingiu quase 4,5 milhões de crianças nos últimos 30 anos, disse Morgan.

A organização sem fins lucrativos é um "legado vivo à educação, o exercício da missão de educação que a Challenger representava," disse ela. "Para mim, isso diz muito sobre como e quem eram os membros da tripulação e o que refletiram em suas famílias maravilhosas também."

A exploração continua

Infelizmente, Challenger não foi a única tragédia do programa do ônibus espacial. Em 1 de fevereiro de 2003, o orbitador  Columbia se partiu  acima de re-entrada da atmosfera terrestre, matando os sete astronautas a bordo.

Esses tripulantes eram o comandante Rick Husband; o piloto William McCool; o comandante carga Michael Anderson; os especialistas de missão David Brown, Kalpana Chawla e Laurel Clark; e a especialista de carga Ilan Ramon, da Agência Espacial Israel.

Um pedaço de espuma isolante que tinha se quebrado do tanque externo de combustível do Columbia durante o lançamento do ônibus espacial mais de duas semanas antes, danificou a ala esquerda da nave. Os investigadores determinaram mais tarde que esse dano permitiu os gases atmosféricos quentes entrarem no interior da asa, levando à destruição do ônibus espacial. 

Desastres como o Challenger e Columbia serviram como lembretes de que o voo espacial é uma proposição inerentemente difícil e arriscada, disse Chiao.

"Eu não acho que as viagens espaciais nunca vão ser tão seguras quanto o transporte aéreo comercial, apenas porque a quantidade de energia que você tem que colocar em um veículo para acelerá-lo até a velocidade orbital a 17,500 mph [28.160 km/h] - qualquer tempo que você tiver que colocar tanta energia em um veículo e, em seguida, tirá-la novamente para trazê-lo de volta, será o risco envolvido", disse ele.

"O que temos a fazer é vermos o que podemos aprender com essas tragédias, aplicar as lições aprendidas e seguir em frente."

O caminho que a NASA seguiu não incluiu o ônibus espacial; a agência aterrizou bem suas sondas restantes em julho de 2011. 

Os astronautas americanos atualmente dependem da espaçonave russa Soyuz para chegar à Estação Espacial Internacional, embora a NASA disse que espera que uma nave espacial privada seja desenvolvida pela  Boeing e SpaceX , que estão prontas para assumir este serviço de táxi até o final de 2017.

Programa de voos espaciais tripulados da NASA, enquanto isso, estão ocada em  levar as pessoas a Marte em algum momento dos anos 2030 (com uma missão a um asteroide capturado em órbita lunar na década de 2020 atualmente concebida como uma espécie de trampolim).

A agência está desenvolvendo uma cápsula chamada Orion e um enorme foguete chamado de Sistema de Lançamento Espacial  para fazer tudo isso acontecer.

"Eu sei que nós vamos chegar lá", disse Morgan. "Levou mais tempo do que eu acho que todos nós desejamos, mas é emocionante."



Traduzido e adaptado de Scientific American 

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter