Select Menu
» » » » » 26 anos atrás, Carl Sagan deu-nos uma perspectiva incrível do nosso planeta - O Pálido Ponto Azul
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Em 14 de fevereiro de 1990, famoso cientista Carl Sagan deu-nos uma perspectiva incrível sobre o nosso planeta que nunca tinha sido vista antes.

Como a nave espacial Voyager 1 da NASA estava prestes a deixar o nosso sistema solar em 1989, Sagan, que era um membro da equipe de imagens da missão, pediu aos funcionários para ligar a câmera ao redor para dar uma última olhada de volta para a Terra antes da nave espacial deixar nosso sistema solar .

A imagem resultante, com a Terra como um pontinho a menos de 0,12 pixels de tamanho, tornou-se conhecida como "o Pálido Ponto Azul."

Os astronautas já tinham tomado muitas fotos bonitas de nosso planeta nesse ponto, e este granulado instantâneo, de baixa resolução não era um deles.


Mas em vez de beleza, esta imagem mostrou a vastidão incomensurável do espaço, e nosso lugar inegavelmente pequeno dentro dele.

"Todo mundo que você ama, todos que você conhece, todo mundo que você nunca ouviu falar, cada ser humano que já foi, viveram suas vidas", Sagan escreveu mais tarde. "Em um grão de poeira suspenso num raio de sol."

"Eu fiquei impressionado com o planeta, quando eu o eu vi brilhando em um raio de sol", disse Candy Hansen, cientista planetário do Jet Propulsion Laboratory, que trabalhou na equipe de imagens da Voyager. "Ele também me fez pensar sobre o quão vulnerável o nosso pequeno planeta é."

Voyager 1 já havia terminado sua missão principal de estudar Júpiter e Saturno no final de 1980, mas sua missão foi alargada - e continua até hoje - para que ele pudesse estudar os confins do espaço interestelar.

Lançada pela primeira vez em 1977, a nave espacial robótica já havia capturado imagens incríveis de planetas no Sistema Solar, e, eventualmente, os pesquisadores precisavam desativar sua câmera para que ele tivesse o poder que precisava para manter a transmissão de volta à NASA.

A fotografia impressionante quase não foi tirada. Logo no início da missão da Voyager, Sagan havia tentado obter a aparência da Terra, mas outros membros da equipe preocupados que o Sol iria acabar fritando a câmera. Mas, eventualmente, com a missão o desenrolar da missão, Sagan finalmente conseguiu o que queria - o presente no último minuto do Dia dos Namorados em 1990.

"Você sabe, eu ainda fico com arrepios nas minhas costas", disse Candice Hansen-Koharcheck, pesqusiadora da NASA. "Porque aqui é o nosso planeta, banhado neste raio de luz, e ele só parecia ser incrivelmente especial."

A Voyager 1 tomou uma série de "retratos de família" de quase 4 bilhões de milhas de distância, antes de sua câmera ser desligada. A nave espacial é agora o objeto feito pelo homem mais distante no espaço a cerca de 12.000 milhões milhas de distância, e leva cerca de 17 horas para que possa transmitir dados para a Terra.


"O Pálido Ponto Azul". Os raios de luz são artefatos na foto do Sol

Sagan viria a escrever sobre a fotografia - e o significado mais profundo que ele adquirida a partir dela - em seu livro de 1994, "Pálido Ponto Azul: Uma Visão do futuro da humanidade no espaço."

Eis o que ele escreveu:

"Desse ponto de vista distante, a Terra não pode parecer de qualquer interesse particular. Mas, para nós, é diferente. Considere novamente esse ponto. É aqui. É nosso lar. Somos nós.

 Nele, todos que você ama, todos que você conhece, todos de quem você já ouviu falar, todo ser humano que já existiu, viveram suas vidas. A totalidade de nossas alegrias e sofrimentos, milhares de religiões, ideologias e doutrinas econômicas, cada caçador e saqueador, cada herói e covarde, cada criador e destruidor da civilização, cada rei e plebeu, cada casal apaixonado, cada mãe e pai, cada crianças esperançosas, inventores e exploradores, cada educador, cada político corrupto, cada “superstar”, cada “lidere supremo”, cada santo e pecador na história da nossa espécie viveu ali, em um grão de poeira suspenso em um raio de sol.

A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica. Pense nas infindáveis crueldades infringidas pelos habitantes de um canto desse pixel, nos quase imperceptíveis habitantes de um outro canto, o quão frequentemente seus mal-entendidos, o quanto sua ânsia por se matarem, e o quão fervorosamente eles se odeiam. 

Pense nos rios de sangue derramados por todos aqueles generais e imperadores, para que, em sua gloria e triunfo, eles pudessem se tornar os mestres momentâneos de uma fração de um ponto. Nossas atitudes, nossa imaginaria auto-importância, a ilusão de que temos uma posição privilegiada no Universo, é desafiada por esse pálido ponto de luz.

Carl Sagan
Carl SaganNASA / domínio público
Carl Sagan, em 1980.

Nosso planeta é um pontinho solitário na grande e envolvente escuridão cósmica.

Em nossa obscuridade - em toda essa vastidão - não há nenhum indício de que a ajuda virá de outro lugar para nos salvar de nós mesmos.

A Terra é o único mundo conhecido até agora que sustenta vida. Não ha lugar nenhum, pelo menos no futuro próximo, no qual nossa espécie possa migrar. Visitar, talvez, se estabelecer, ainda não. Goste ou não, por enquanto, a terra é onde estamos estabelecidos.

Foi dito que a astronomia é uma experiência que traz humildade e constrói o caráter. Talvez, não haja melhor demonstração das tolices e vaidades humanas que essa imagem distante do nosso pequeno mundo. Ela enfatiza nossa responsabilidade de tratarmos melhor uns aos outros, e de preservar e estimar o único lar que nós conhecemos… o pálido ponto azul o único lar que eu já conheci. "
Traduzido e adaptado de Techinsider


......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter