Select Menu
» » » » » Cientistas acabam de descobrir a mais fraca galáxia do Universo primordial
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Uma equipe internacional de cientistas descobriu a mais fraca galáxia no início do Universo já vista, um vislumbre de como se ela se parecia a cerca de 13 bilhões de anos atrás, pouco depois de o próprio Big Bang.



A descoberta veio do Observatório WM Keck, no Havaí - que é o mais poderoso telescópio na Terra - e fomos capazes de vê-lo graças ao fenômeno da lente gravitacional fenômeno popularmente associado à Einstein.

"Os telescópios do Keck Observatory são simplesmente os melhores do mundo para este trabalho",  explicou um membro da equipe de pesquisa , Marusa Bradáč, da Universidade da Califórnia, em Davis (UC Davis). "Seu poder, emparelhado com a força gravitacional de um conjunto maciço de galáxias, permite-nos ver realmente onde nenhum ser humano viu antes."

Buraco negro causando deformação da luz da galáxia que está ao longe, formando uma lente gravitacional. 

Só para lembrar, a lente gravitacional acontece quando um objeto é ampliado pela gravidade de um outro objeto, dobrando sua luz antes de atingir todos os observadores (neste caso, os cientistas no Havaí). 

E o objeto usado para ampliar a galáxia incrivelmente fraca era um aglomerado enorme conhecido oficialmente como  MACS2129.4-0741 .

Na verdade,  MACS2129.4-0741  é tão grande que permitiu que os astrônomos criassem três imagens diferentes da galáxia recém-descoberta, tudo graças ao efeito de lente gravitacional.

"Se a luz desta galáxia não fosse ampliada por fatores de 11, cinco e dois, não teríamos sido capazes de ver isso", disse Kuang-Han Huang , também da UC Davis, e o investigador principal do estudo.


Esse o famoso Anel de Einsteinum exemplo de objeto deformado pela luz de uma fonte (como uma galáxia ou estrela) em um anel através de lente gravitacional da luz da fonte por um objeto com um massa extremamente grande (tal como uma outra galáxia ou um buraco negro). Isto ocorre quando a fonte, lente, e o observador estão todos alinhados. O primeiro anel de Einstein completo, designado B1938 + 666, foi descoberto pela colaboração entre os astrônomos da Universidade de Manchester e Telescópio Espacial Hubble da NASA em 1998.


A descoberta deve dar astrônomos e astrofísicos algumas pistas sobre o que causou ionização do hidrogênio - o processo que ocorreu bilhões de anos atrás, uma das questões fundamentais da astronomia hoje, de acordo com a equipe do WM Keck Observatory astrônomo Marc Kassis.


Durante este período misterioso, grandes e densas núvens de gás hidrogênio tomaram lugar entre galáxias, o que tornou impossível para nós ver a luz direta a partir desse momento.

Mas então essas nuvens de gás de repente se ionizaram - o que significa que os elétrons ficaram presos por núcleos atômicos - um processo que iluminou as estrelas pela primeira vez e fez o Universo se tornar transparente.

A  equipe diz  que é provável que esta galáxia recém-descoberta ajudou a impulsionar o processo de ionização.

Outro instrumento, o Deep Extragalactic Imaging Multi-Object Spectrograph  (DEIMOS), também foi usado para fazer a descoberta. DEIMOS é capaz de capturar a luz de 1.200 objetos de uma vez com um filtro de banda estreita especialmente projetado. Os dados do telescópio Hubble também ajudou a verificar o achado.

No ano passado, o Hubble foi responsável por encontrar  outras fracas e primordiais galáxias e com o montante  de dados científicos, estamos começando lentamente a juntar mais e mais peças para entender o início da história do Universo. 

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter