Select Menu
» » » » » » Kepler encontra 104 novos exoplanetas, 4 deles rochosos e 2 deles potencialmente habitáveis
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O Telescópio Espacial Kepler da NASA detectou quatro planetas alienígenas, possivelmente rochosos que orbitam a mesma estrela, e dois desses mundos recém-descobertos podem ser capazes de suportar vida.


O Telescópio Espacial Kepler da NASA descobriu recentemente 104 exoplanetas, incluindo quatro mundos possivelmente rochosos que circundam uma estrela anã vermelha chamada K2-72.

Os quatro exoplanetas circulam um anã vermelha - uma estrela menor e menos brilhante do que o Sol - chamada K2-72, que fica a 181 anos-luz da Terra, na faixa de 20 por cento e 50 por cento maior que a Terra, tornando-os bons candidatos para serem rochoso, disseram os membros da equipe.

Dois dos quatro planetas, conhecidos como K2-72c e K2-72e, parecem estar na zona "habitável" da estrela - a faixa de distância da estrela onde a água líquida pode existir na superfície de um mundo, acrescentaram os cientistas.

Como K2-72 é uma anã vermelha, a sua zona habitável é muito mais próxima em que a do Sol. Por exemplo, K2-72c completa uma órbita a cada 15 dias terrestres, no entanto, é provável que seja apenas 10 por cento mais quente do que o nosso planeta. K2-72e tem um ano de 24-dias-terrestres e é cerca de 6 por cento mais frio do que a Terra, disseram os cientistas. (Todos os quatro planetas recém-descobertos completam uma órbita em 24 dias terrestres ou menos, tornando-os mais próximos de K2-72 do que Mercúrio está do Sol.)

Os planetas de  K2-72 estão entre os 104 mundos alienígenas recentemente descobertos pelo telescópio Kepler, durante a sua missão K2. O líder do estudo, Ian Crossfield, do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona, deu a notícia em janeiro, durante uma apresentação na 227ª reunião da Sociedade Astronômica Americana, em Kissimmee, Florida, e os resultados acabaram de ser publicados on-line no The Astrophysical Journal Suplemento Series.

Kepler encontra planetas alienígenas percebendo as pequenas quedas de brilho que eles causam quando cruzam os rostos suas estrelas hospedeiras 'do ponto de vista' da espaçonave (método de trânsito). Este trabalho requer um apontador incrivelmente preciso - uma habilidade que Kepler perdeu em maio 2013 quando a segunda de seus quatro rodas de reação, que mantinha a orientação, falhou.

No entanto, os membros da equipe Kepler logo descobriram uma maneira de estabilizar o telescópio usando a pressão da luz solar e as duas rodas de reação restantes. Em 2014, Kepler embarcou em uma nova missão chamada K2, durante o qual observou uma variedade de objetos e fenômenos cósmicos, incluindo exoplanetas.

Mas caça planeta de Kepler é bem diferente desta vez. Considerando que o observatório observa continuamente em um pequeno pedaço de céu durante a sua missão original, Kepler está agora olhando para diferentes regiões durante uma série de 80 dias.

"Uma analogia seria dizer que Kepler realizou um estudo demográfico, enquanto a missão K2 enfoca as estrelas brilhantes e próximas com diferentes tipos de planetas", disse Crossfield em um comunicado em 18 de julho de 2016. "A missão K2 nos permite aumentar o número de pequenas estrelas vermelhas por um fator de 20, aumentando significativamente o número de "astros de cinema" astronômicos"

Kepler descobriu agora mais de 2.300 mundos alienígenas desde o seu lançamento em Março de 2009 - cerca de dois terços de todos os exoplanetas confirmados encontrados até à data. Mais de 2.000 "candidatos" Kepler adicionais aguardam habilitação para observações ou análises.

Traduzido e adaptado de Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter