Select Menu
» » » » » » » Viking em Marte, 40 anos depois: reflexões sobre a pioneira do planeta vermelho
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

DENVER - Quarenta anos atrás, em um dia como hoje (20 de julho), a sonda Viking 1 da NASA tornou-se a primeira nave espacial americana a pousar com segurança no Planeta Vermelho.

Foi um grande momento na história da exploração espacial. Viking 1 irradiou a humanidade  com o primeiro olhar íntimo na superfície do planeta.

A sonda (e sua gêmea, Viking 2, que aterrissou 6 semanas mais tarde) também realizou uma série de experimentos de detecção de vida cujos resultados ambíguos moldaram o futuro do programa Mars robótico da NASA - e a caça mais ampla para a vida alienígena em todo o Sistema Solar.


Caça para a vida em Marte

Viking 1 e Viking 2 foram as missões interplanetárias mais complexas de seu tempo, criadas para abordar a questão ainda perplexa: Existe vida em Marte ? 

Cada nave espacial Viking consistia de uma sonda e um módulo. Em 1969, a NASA escolheu a empresa Martin Marietta (agora Lockheed Martin) como o principal contratante industrial para o Projeto Viking. Em parceria com a NASA e Centro de Pesquisa Langley da agência em Virgínia, Martin Marietta construíu e testou as duas sondas em sua fábrica perto de Denver. O Jet Propulsion Laboratory da NASA (JPL), em Pasadena, Califórnia, construiu as sondas para a missão.

"Nós olhamos landers rígidos, landers leves, diferentes níveis do que poderíamos fazer cientificamente", disse Terry Gamber, um membro da equipe de engenharia Viking em Martin Marietta, na época.


"Tivemos que encolher coisas e obter a massa para baixo", acrescentou Gamber. "Tivemos que descobrir como colocar toda a ciência no aeroshell Viking. Era muito difícil conseguir tudo lá dentro ... dobrando as pernas e antena ... Foi um grande desafio."

Lidar com incógnitas

Os designers da Viking tiveram de lidar com múltiplos modelos de atmosfera de Marte , disse Gamber.

"Nós não conhecíamos muito bem a densidade atmosférica do planeta, especialmente em altitudes mais elevadas", disse ele. (Apenas uma nave espacial pousou suavemente no planeta vermelho antes - a Sonda Mars 3 da União Soviética, em dezembro de 1971, e os controladores perderam contato com ela menos de 20 segundos após a aterragem).

A equipe redesenhou motores de descida dos Landers, disse Gamber, para garantir que a nave espacial não seja detonada na superfície de Marte e cair em um buraco.

"Nós não sabemos a força de suporte de carga da superfície de Marte", explicou, acrescentando que havia apenas 10 polegadas (25 centímetros) de folga entre parte inferior das sondas e o solo.

"Nós não projetamos o lander de três pernas para uma superfície rochosa. Estávamos muito surpresos ao ver todas aquelas pedras quando pousamos", disse Gamber.


"Se tivesse havido uma grande rocha sob o lander, teríamos derrubado. Quando você olha para ele, quase tudo está funcionando perfeitamente. Não houve grandes surpresas", acrescentou. "Na Viking, tivemos sorte. Qualquer uma dessas coisas poderia ter ocorrido."

O astrônomo Carl Sagan com o modelo da sonda Viking enviada a Marte. Sagan analisou possíveis locais de pouso para a Viking, juntamente com Mike Carr e Hal Masursky.

Risco Perigoso

Como estagiário Viking, Larry Crumplerm, curador de pesquisa de Vulcanologia e ciências espaciais no Museu de História Natural e da Ciência, trabalhou com Viking Imagery Orbiter nos dados da segunda sonda que iria pousar em Marte. "Meu trabalho era fazer análise de risco", disse ele. 


A primeira foto panorâmica de Marte, tomada pela Viking da NASA, em 20 de julho de 1976.

Este trabalho envolveu o uso de mosaicos de fotos artesanais, e uma sobreposição das elipses de aterragem da Viking, disse ele.

"Eu deslizei até que eu tivesse os menores contornos de perigo", disse Crumpler.

A resolução da imagem usada foi de cerca de 330 pés (100 metros), "de modo que os riscos eram algo que era maior do que isso", disse ele. "Eu podia ver uma grande quantidade de colisões que estavam a várias centenas de metros de diâmetro, por isso cada um desses era um perigo. Qualquer terreno que parecia tipo ruim, representava perigo. Nós não queríamos pousar num declive ou um colina, pois era perigoso".

Mas a verdadeira surpresa veio com as imagens do lander da Viking 2, que mostrou que a aterragem bem sucedida do veículo devia muito à sorte, disse Crumpler.

"Havia um monte de pedras", disse ele. "Não era nada parecido com o que você podia ver a partir da órbita. Naqueles dias, nós simplesmente não tinhamos as informações para realmente caracterizar as coisas a esse nível de detalhe."

'Exploração em primeira mão'


Andrew Chaikin serviu nas missões Viking em JPL, como estagiário da Universidade de Brown  e especializado em geologia.




Viking 2 em Utopia Planitia - um lugar inesperadamente rochoso. A Viking 2 pousou a cerca de 4.600 milhas de sua irmã gêmea, a Viking 1.

"Assistimos a exploração em primeira mão", disse Chaikin, agora um historiador da ciência jornalista e  observador do espaço. "O momento que eu nunca vou esquecer é o primeiro filme."

Chaikin sentou-se com geólogos com a primeira foto da Viking 1 da superfície de Marte e começaram a chegar ao controle da missão, linha por linha.

"Foi um slow-motion praticamente... as cinco linhas entraram na tela como se estivessem sendo arrastadas por uma colônia lenta de formigas", disse Chaikin. "Cinco linhas, uma de cada vez construindo a imagem da esquerda para a direita. Era muito claro. Pudemos ver rochas, pedras e poeira. Era realmente lá. Era realmente Marte."

Viking estabeleceu as bases para a forma de pousar em Marte, disse Chaikin.

"Eu acho que de Viking em alguns aspectos, seria como as missões Apollo, só que com robôs, em termos de dificuldade", disse ele.

Um legado duradouro


A Viking foi "um evento signatário na minha vida", disse Penny Boston, o diretor do Instituto de Astrobiologia da NASA no Centro de Pesquisa Ames da agência em Moffett Field, Califórnia.

"Foi um momento em que algo que tinha sido um ponto no céu, na verdade, tornou-se um lugar", disse o estudante Boston, na época em que a primeira imagem da Viking 1 lander foi apresentada. 

Boston contou sobre a pesquisa do projeto Viking sobre a vida em Marte: "Nós tomamos a sabedoria coletiva da comunidade biológica sobre o que era a vida - o que micróbios fazem e como você poderia detectá-los - e nós embalamos todo esse conhecimento em uma pequena caixa. E nós a preenchemos com esperança e a enchemos com aspirações."

Viking cheirou o ar e provou o solo, disse Boston, "e não encontrou nada definitivo. Nós não temos resultados possíveis... Tivemos resultados muito equivocados."

Embora Viking não encontrasse evidências sólidas de vida marciana, Boston respeita a missão como um sucesso espetacular, tanto por causa dos dados que recolheu, quanto das lições ensinadas.

"Muitas vezes, a natureza diz, 'Oh não, não é assim tão fácil," e "Você tem que realmente lutar'", disse Boston. "Em algumas das nossas falhas aparentes estabelecemos o potencial de alguns dos nossos maiores sucessos. Viking galvanizou muitos de nós. Era um esplêndido dom para a humanidade e ciência".

Um aspecto desse presente foi a percepção de que o solo de Marte é parecido com o da Terra, disse o veterano da Viking Ben Clark, agora um cientista de pesquisa sênior no Instituto de Ciência Espacial de Boulder, Colorado. 


"Esse solo afetou os testes para a vida e nossa compreensão [de] como a água líquida poderia existir em Marte, nas formas de salmouras ricas em sal", disse Clark. "Com cada nova missão, nós aprendemos mais e mais sobre como interpretar os resultados da Viking e como eles ampliariam o conhecimento sobre este planeta único. Exploração é apenas isso - aprender  sobre o desconhecido."

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter