Select Menu
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

AVISO: Este artigo contém spoilers da série original Netflix "Stranger Things".

A nova série "Stranger Things" é mais do que apenas um review da década de 1980 no qual todos nós temos estado à espera. A série mostra um grupo de crianças que estão tentando resolver uma série de desaparecimentos misteriosos em sua pequena cidade, mas logo percebem que nem tudo é como parece. Na verdade, as crianças logo percebem que as ocorrências assustadoras pode realmente ser decorrente de interações com um mundo alternativo.

Mesmo que um sinistro universo paralelo como o que "Stranger Things" mostra não possa estar pairando sobre o nosso próprio, a ideia básica de um mundo alternativo ecoa conceitos de multiversos que os físicos teóricos propõem por décadas, dizem os especialistas.


A ideia de que dois mundos paralelos são diferentes, e podem até mesmo interagirem, tem sido um pilar de teorias físicas que têm procurado explicar a mecânica quântica, a gravidade e outros aspectos inexplicáveis ​​do mundo natural, dizem os pesquisadores.

Isso não quer dizer que há definitivamente mundos alternativos repletos de monstros, mas a premissa básica "não está necessariamente em conflito com as leis da física ", disse Brian Greene, um físico teórico e autor na Universidade de Columbia em Nova York.

No entanto, a maioria das pessoas são céticas em relação a teorias de multiverso, porque não há provas que sustentem a sua existência, acrescentou Greene

Mais estranho que Ficção

Em "Stranger Things", os habitantes de Hawkins, Indiana, vivem na proximidade desconfortável de um universo chamado de "mundo invertido", que é preenchido com a morte, decadência e um musgo verde misterioso e viscoso. Um monstro se infiltra na pequena cidade bucólica de uma versão semelhante, estéril do mundo, e os moradores de Hawkins podem viajar para o universo alternativo através de um toco de árvore ou comunicar-se entre os dois mundos mexendo e desligando as luzes uma casa. Além disso, existem poderes psíquicos, espiões soviéticos e muitas outras referências nostálgicas dos anos 80.

Embora seja uma ficção de arrepiar, sua concepção de mundos paralelos parece ter sido inspirada na teoria física da "interpretação de muitos mundos" da mecânica quântica de Hugh Everett. De fato, em um episódio, o professor, o Sr. Clarke, faz referencia à teoria alucinante de Everett.

Everett, que era um físico na década de 1950 e 1960, propôs que sempre que alguém "medir" algo no universo - por exemplo, se você olhar para os sapatos e perceber ou não uma partícula de poeira está sobre eles - duas realidades separadas se ramificam a partir daí. 

"O universo acaba se ramificando em muitas cópias de si mesmo", disse Bill Poirier, um químico e físico quântico da Texas Tech University, em Lubbock.

No entanto, ao contrário do nosso mundo e do mundo invertido em "Stranger Things," estas vias que se ramificam nunca podem interagir, disse Poirier.

"Nenhuma quantidade de luz que passar rapidamente vai superar isso", disse Poirier Ciência Viva.

Muitos mundos interagindo

Nos últimos anos, Poirier propôs uma variante desta teoria, chamada de teoria de muitos mundos interativos, que ele descreveu em um artigo que foi publicado em 2014 na revista Physical Review X. A grande diferença é que esses mundos "falam" uns com outros.

Ao contrário da concepção de Everett, não há universos ramificados. Assim, uma pessoa pode conseguir ter um "gêmeo" mal em um universo alternativo, mas um indivíduo não seria dividido em dois. E enquanto os mundos interagem, as grandes diferenças entre o sombrio e sinistro de "mundo invertido" e a realidade monótona de Hawkins, Indiana, significaria, na teoria de Poirier, que as pessoas em um mundo nunca poderia viajar para o outro.

Para entender o porquê, imagine isso: uma série de mundos alternativos são empilhados como panquecas, com universos mais similares no topo da pilha de panquecas, enquanto aqueles com diferenças dramáticas estão na base. Qualquer diferença grande o suficiente para ser visto a olho nu significaria que universos seriam tão muito distantes um do outro que eles nunca poderiam viajar entre si, disse Poirier.

"Alguns objetos mudam um pouco, em nanoescala, um em relação ao outro: Esses são os mundos que podem realmente falar uns com os outros e interagirem", disse Poirier.

Mundos branas, queijo suíço e pães cósmicos

O campo da física teórica produziu quase tantas teorias de  mundos paralelos que existem ramificações de universos na teoria de muitos mundos de Everett.

Todos, no entanto, sofrem de uma falha fatal: Neste ponto no tempo, ninguém encontrou qualquer evidência que eles existem, disse Greene.

"Eu sou extremamente cético em relação a todas as propostas de multiverso, como deve ser toda a gente no planeta Terra", disse Greene. "Dito isto, acho que a ideia é tremendamente excitante."

Por exemplo, algumas teorias surgem naturalmente da física conhecida, disse Greene. Por exemplo, a matemática generalizada por trás do Big Bang , um período de inflação maciço de 13,8 bilhões de anos atrás, que criou o universo, poderia ser usado para produzir não apenas um, mas muitos Big Bangs. 

"Muitos Big Bangs significam muitos universos distintos", disse Greene.

Como um queijo suíço, em que cada buraco representa um universo à parte, "eles são todos encaixados dentro de uma extensão maior, cósmica", disse Greene.

Na ocasião, estes universos poderiam colidir, produzindo uma impressão cósmica na radiação de fundo de microondas que detectamos em nosso próprio universo, disse Greene.

Outra teoria, que emerge de algumas interpretações da teoria das cordas, é que dos chamados modelos de "mundo brana" em que "o nosso universo é comparado a uma fatia de pão em um pão cósmico gigante", disse Greene.

Outras fatias de pão seriam semelhantes a outros universos junto ao nosso em outra dimensão.

Se, de fato, vivemos em tal multiverso, vestígios destes mundos ocultos poderão aparecer no Grande Colisor de Hádrons, o maior acelerador de partículas do mundo, localizado perto de Genebra, na Suíça. Nesta instalação subterrânea, colisões de prótons poderiam produzir detritos que seriam ejetados do nosso universo e em outro, disse Greene.

Traduzido e adaptado de Space

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter