Select Menu
» » » » » Cientistas confirmam a isotropia cosmológica: o Universo não tem direção
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O universo não está girando ou esticando em qualquer direção particular, de acordo com um teste rigoroso feito recentemente.

Olhando para o céu à noite, vemos um universo agrupado: planetas orbitam em estrelas e sistemas solares e estrelas agrupadas em galáxias, que por sua vez formam enormes aglomerados de galáxias. Mas, cosmólogos assumem que esse efeito é apenas local: Se olharmos suficientemente em grandes escalas, o Universo é realmente uniforme.

A grande maioria dos cálculos feitos sobre o nosso universo começam com esta hipótese: a de que o universo é praticamente o mesmo, qualquer que seja a sua posição e direção que você olhe. Em cosmologia, esses princípio são conhecido como Homogeneidade e isotropia, respectivamente.

Se, no entanto, o Universo foi alongado preferencialmente numa direção, ou gira em torno de um eixo de uma forma semelhante à Terra em rotação, este pressuposto fundamental, e todos os cálculos que dependem sobre ele, estariam errados.

Agora, cientistas da University College London e do Imperial College de Londres têm avaliado esta hipótese através de testes rigorosos e encontraram apenas uma chance de 1 em 121.000 que o Universo não é a mesmo em todas as direções.

A Luz mais antiga do universo

Quatro possíveis padrões para potenciais CMB's da direção do Universo.

Para fazer isso, eles usaram mapas da radiação cósmica de fundo em microondas (CMB): a luz mais antiga do universo criada logo após o Big Bang. Os mapas foram produzidos utilizando medições da CMB tomadas entre 2009 e 2013 pelo satélite Planck, da Agência Espacial Europeia, proporcionando uma imagem da intensidade e, pela primeira vez, da polarização (em essência, a orientação) do CMB em todo o céu.

Anteriormente, os cientistas procuraram padrões no mapa CMB que possam sugerir um universo em rotação. O novo estudo considerou o maior número possível de Universos com direções preferenciais ou spins e determinou quais padrões são criados na CMB.

Um Universo que gira sobre um eixo, por exemplo, iria criar padrões em espiral, enquanto que um universo em expansão em diferentes velocidades ao longo de diferentes eixos iria criar pontos quentes e frios alongados.

Dr. Stephen Feeney, do Departamento de Física no Imperial, trabalhou com uma equipe liderada por Daniela Saadeh na University College London para procurar esses padrões observados na CMB. Os resultados, publicados hoje na revista Physical Review Letters, mostram que nenhum era compatível, e que o universo provavelmente não tem rumo.

A Cosmologia está segura

Dr Feeney disse: "Este trabalho é importante porque testa um dos pressupostos fundamentais em que quase todos os cálculos cosmológicos se baseiam: Que o Universo é o mesmo em todas as direções. Se este pressuposto estiver errado, e nosso Universo gira ou se estende em um direção mais do que outra, teríamos de repensar a nossa imagem básica do Universo.

"Temos de colocar este pressuposto sob testes mais exigentes, sob uma enorme variedade de giros e alongamentos nunca antes considerados. Quando comparamos essas previsões com as últimas medições do satélite Planck, encontramos evidências de que o Universo é o mesma em todas as direções ".

A principal autora, Daniela Saadeh, da University College London, acrescentou: "você nunca pode descartar completamente, mas podemos agora calcular as probabilidades de que o universo prefere uma direção do outra em apenas 1 em 121.000. Estamos muito contentes que nosso trabalho justifica o que a maioria dos cosmólogos assumem. Por enquanto, a cosmologia está segura."


Mais informações: Daniela Saadeh et al. How Isotropic is the Universe?, Physical Review Letters (2016). DOI: 10.1103/PhysRevLett.117.131302 , https://arxiv.org/abs/1605.07178 

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter