Select Menu
» » » » Intérpretes alienígenas? Como linguistas iriam falar com os extraterrestres
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

No próximo drama  sci-fi, "A Chegada", várias naves espaciais misteriosas se aproximam do planeta, e a humanidade se prepara para encontrar uma forma de abordar - e, eventualmente, comunicar-se - com esses visitantes extraterrestres. 



















No filme, uma equipe de especialistas é montada para investigar, e entre os indivíduos escolhidos está uma linguista, interpretado pela atriz Amy Adams. Embora a história esteja enraizada na ficção científica, ela enfrenta um desafio muito real: Como você se comunicaria com alguém - ou como você aprenderia a língua do indivíduo - se não existisse nenhuma língua intermediária em comum?

O filme é baseado na "história de sua vida," um conto de Ted Chiang. Ele bate em o tema de ficção científica comum de línguas estrangeiras; não só a barreira de comunicação que pode apresentar, mas as maneiras incomuns que podem diferir da linguagem humana. "Há uma longa tradição de ficção científica que trata da linguagem e da comunicação",disse Chiang.

Tanto nos livros quanto no cinema, os linguistas desempenham um papel fundamental na redução do fosso entre humanos e alienígenas - algo que não é totalmente improvável, de acordo com Daniel Everett, um linguista da Universidade de Bentley em Massachusetts. "Os linguistas que tiveram extensa experiência de campo podem fazer isso. Isso é o que eles fazem", disse Everett.

Estudando a linguagem

Everett passou mais de 30 anos trabalhando com os pirahã da Amazônia brasileira, aprendendo e estudando sua língua, que foi documentada antes da sua obra. Pirahã é uma língua isolada, uma língua órfã, o último membro sobrevivente de sua família linguística. Ela também é conhecida por algumas de suas qualidades atípicas, tais como a falta de números de contagem ou orientações relativas, como "esquerda" e "direita", qualidades que Everett trabalha ao longo de anos de estudo.

As pessoas foram também isoladas, e eram totalmente monolíngues, disse ele. Por isso, não importa se Everett não sabia Português. Ao invés de fazer perguntas sobre a língua Pirahã em uma segunda língua compartilhada, ele conduziu sua pesquisa em um estilo conhecido como trabalho de campo monolíngue.

Apontar para um objeto próximo, como uma vara, e peguntar ao nativo (mesmo em Inglês) como é chamado, é geralmente interpretado como uma sugestão para nomeá-lo, disse Everett. A partir dos nomes das coisas, um linguista pode então trabalhar seu caminho, e como expressar relações entre os objetos, disse Everett. Durante todo o tempo, os linguistas normalmente transcrevem as declarações, prestando atenção aos sons, a gramática e a forma como os significados são combinados, a construção de uma teoria de trabalho da língua, disse ele.

Solicitando entrevistados para instruções quase idênticas, ajuda a iluminar significados específicos, disse Everett. Por exemplo, dadas as palavras para "pau" e "rocha", uma pessoa poderia promulgar "largue a rocha" e "largue o pau", e ver as mudanças linguísticas nas frases.

Com a prática, os linguistas podem discernir as características básicas de uma língua desconhecida, após uma ou duas horas de interação, de acordo com Everett. Mas situações que exigem trabalho de campo monolíngue, sem o auxílio de uma língua comum, não são tão comuns como eram, digamos, cem anos atrás, ele disse. A prática é agora visto como um talento novo por muitos linguistas, e Everett demonstrou o processo para o público, conversando com um falante de uma língua mistériosa, pela primeira vez no palco.

Conversando com ET

O processo também é reconhecível na história original de Chiang, no qual o procedimento do protagonista linguista é baseado na obra de Kenneth Pike, ex-professor de Everett, disse Chiang. "Eu passei cerca de cinco anos lendo sobre vários aspectos da linguística: sistemas de escrita, a linguística de língua de sinais americana e trabalho de campo", acrescentou.

Um entendimento mais profundo da língua, além do vocabulário básico e arquitetura subjacente, seria necessário no conhecimento da cultura, disse Everett. "Há todos os tipos de interpretações culturais de até mesmo as frases mais simples", disse ele, "É por isso que a conversa é tão difícil", especialmente para duas pessoas com diferentes línguas e culturas nativas.

Essa dificuldade parece menos do que o ideal em situações sensíveis, quando uma falha de comunicação menor pode resultar em uma guerra interestelar, ou, pelo menos, a morte de um explorador (seja humano ou alienígena). A cooperação de ambas as partes é essencial, disse Everett, porque misturas e confusões são inevitáveis. 

"Você sempre estragará tudo", disse Everett. "Não é o que você faz, mas o que você faz em seguida. Como você responde a seus erros, suas gafes e mal-entendidos?"

Apesar dos repetidos fracassos de uma abordagem de tentativa-e-erro, Everett disse que ele sempre foi confiante em sua capacidade de, eventualmente, descobrir como a linguagem funciona, o que aponta para algo profundamente humano.      
                                    
"Sabemos que toda criança pode aprender todos as possíveis linguagens humanas", disse Jesse Snedeker, um psicólogo de Harvard que estuda o desenvolvimento da linguagem em crianças. "Toda criança tem que ter algum tipo de capacidade interna que lhes permite aprender a língua."

Linguistas concordam que todos os seres humanos devem compartilhar algumas estruturas cognitivas e linguísticas, mas há um grande debate sobre quais recursos de linguagem são universais - ou, pelo menos, por natureza humana. A Pirahã, com as suas características pouco usuais, ajudou a moldar entendimento moderno de como essas semelhanças possam ser.

"Temos que nos perguntar: 'Será que temos a capacidade de aprender uma língua extraterrestre, e que eles têm a capacidade de aprender a nossa?", perguntou Snedeker. "Pessoas diferentes iriam dar-lhe respostas diferentes a essa pergunta."

Os seres humanos não podem se comunicar com quaisquer outras espécies na Terra, o que torna improvável que sejamos capazes de comunicar-se com formas de vida extraterrestre , disse Chiang.

"Por outro lado, há o argumento de que qualquer espécie que atinja um alto nível de tecnologia iria necessariamente compreender certos conceitos, de modo que deva fornecer uma base para, pelo menos, um grau limitado de comunicação", acrescentou.

Keren Rice, linguista da Universidade de Toronto, no Canadá, concorda que a base de comunicação deve ser possível entre humanos e alienígenas. "A única maneira que eu poderia imaginar isso não acontecer é se as coisas que pensamos que são comuns às línguas - situar-se no tempo [e] espaço, conversar sobre os participantes, etc. - são tão radicalmente diferentes que a linguagem humana não fornece nenhum ponto de partida para isso ", disse Rice.

Diferentes formas de comunicação

Embora existam raízes evolutivas na estrutura da linguagem humana, disse Snedeker, é possível que só haja um caminho para línguas trabalharem entre si. Nesse caso, extraterrestres podem ter evoluído para resolver o problema da língua, da mesma forma que os seres humanos fizeram, tornando possível a comunicação interplanetária. 

Everett concordou. "É inteiramente possível que existem línguas que têm sistemas de organização e as formas de transmissão de significado que nós nunca imaginamos", disse ele, "mas eu acho que isso é improvável."

Mas mesmo que as pessoas sejam capazes de discernir os padrões na língua, a forma como a mensagem é enviada pode ser um desafio. Os seres humanos se comunicam principalmente através da visão, audição e tato, mas estrangeiros talvez não. "É difícil imaginar uma língua de trabalho no sabor, mas quem sabe?" disse Everett.

Se os extraterrestres têm sistemas de percepção ou expressivos totalmente diferente do que os dos seres humanos, a tecnologia poderia ajudar a colmatar o fosso entre a percepção humana e a extraterrestre, disseram os linguistas. Por exemplo, se os áliens falarem em frequências que as pessoas não possam ouvir, os seres humanos poderiam interpretar gravações digitais como formas de ondas visuais.

"Se descobrirmos uma nova espécie de criatura em Marte, que parece ter um sistema simbólico de grande complexidade, o que deveríamos enviar e qual a probabilidade de que para de isso ter sucesso? "


"Não há uma resposta certa para a pergunta", disse Snedeker.

Livescience

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter