Select Menu
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Quando você pensa no primeiro contato da humanidade possibilidade com uma civilização extraterrestre, que imagem aparece em sua mente?

Dependendo de sua idade, você pode se lembrar de Richard Dreyfuss no clássico de Spielberg "Contatos Imediatos do Terceiro Grau". Se você é um pouco mais jovem, lembrará de Will Smith no filme 1996 "Independence Day". Se você é um fã de Star Trek, a sua imagem será a do filme "Jornada nas Estrelas - Primeiro Contato", que foi lançado em 1996. 

Resultado de imagem para contato carl sagan
Para muitos astrônomos amadores e seguidores de Carl Sagan, sua imagem do primeiro contato pode vir a partir do filme 1997 "Contato", baseado no livro de mesmo título de Sagan. No filme, Jody Foster, usando um chapéu de abas largas, está ouvindo atentamente um silvo com seus fones de ouvido, escutando um conjunto de os radiotelescópios VLA em destaque atrás dela. Ela se anima quando o silvo muda gradualmente e o batimento cardíaco aumenta com o som do primeiro contato em seus ouvidos. Quando Sagan esteve trabalhando no SETI (Search for Extra-Terrestrial Intelligence), muitos ficaram com a esperança de que este cenário acontecesse.

Apesar de todas estas imagens serem convincentes e darem um bom drama, a realidade do primeiro contato pode ser muito mais mundana. Trinta e cinco anos atrás, em 18 de agosto de 1977, em Columbus Ohio, astrônomo Jerry Ehman analisava impressões de computador em sua mesa de cozinha. Os dados, da pesquisa do rádio telescópio "Big Ear" do SETI, na Universidade Estadual de Ohio, continha um sinal tão surpreendente que, quando ele ouviu pela primeira vez, Ehman o circulou e escreveu WOW! na margem. O sinal foi recebido em quase meia-noite no dia 15 de agosto de 1977, chegando apenas algumas horas antes de Elvis Presley morrer.

A história do Sinal Wow!
Resultado de imagem para signal wow
A história do rádio telescópio Big Ear, e o sinal WOW! é verdadeiramente fascinante. Concluído em 1963, depois de sete anos de construção, o Big Ear consistiu de um refletor plano inclinável 100 pés de altura por 340 pés de comprimento que dirigia sinais de rádio do espaço a um refletor parabólico que mede 360 pés de comprimento por 70 pés de altura. O refletor parabólico focou as ondas de rádio em duas antenas a 410 pés de distância, onde o sinal foi alimentado por um receptor e por computadores de monitoramento. Os refletores foram compostos por vigas de aço e hastes cobertas com uma malha de arame fino, que era muito opaca a ondas de rádio. O arranjo inteiro firmou-se em um terreno plano de três acres composto de folhas de alumínio sobre o concreto.

O Big Ear teve a sensibilidade e resolução de um rádio telescópio de cerca de 157 pés de diâmetro. De 1963 a 1971, ele foi usado para o levantamento das fontes de rádio no céu de 63 graus de declinação norte a 34 graus de declinação sul. Ele registrou quase 20.000 fontes de rádio, quase 60% das quais eram anteriormente desconhecidas.

rádio telescópio Big Ear

A busca por inteligência extraterrestre começou em 1959 com um artigo de Phillip Morrison e Giuseppe Cocconi. No artigo, os autores sugerem que a faixa de microondas poderia ajudar a procurar evidências de civilizações extraterrestres, e desenvolveram uma série de metas para investigar  essas frequências.

Em 1960, o astrônomo Frank Drake, da Cornell University,  realizou a primeira investigação moderna do SETI usando o radiotelescópio de 26 metros de Green Bank. Drake organizou a primeira conferência do SETI, em 1961, que inaugurou o esforço científico do SETI. Nesta conferência, ele mostrou sua famosa equação para determinar o número civilizações que podiam se comunicar na Via Láctea.

No início da década de 1970, a NASA começou a apoiar as investigações do SETI, e os interesses aumentaram dramaticamente. O impulsionador disso foi um estudo da NASA-financiado chamado Projeto Cyclops, que incluiu Drake. O Projeto Cyclops foi em grande parte um estudo do papel que propôs um conjunto de 1.500 radiotelescópios para procurar extraterrestres. Devido ao seu custo estimado de U$ 10 bilhões, a matriz nunca foi construída, mas o projeto gerou muitos novos esforços do SETI, um dos quais foi a construção do Big Ear.

O rádio telescópio Big Ear era bem adequado para uso em SETI e foi construído em 1973 para utilização na pesquisa. Nos primeiros de vários anos, a saída do receptor foi gravada por vários traçadores de caneta. Eventualmente, usando o dinheiro da concessão da NASA, as atualizações para Big Ear incluíram um novo receptor de 50 canais, que foi ligado ao computador IBM 1130 existente e um novo software (escrito por Jerry Ehman) projetado para processar os sinais de uma forma que iria melhorar o telescópio para SETI. Os dados foram impressos em papel (uma grande melhoria sobre os plotters utilizados anteriormente), e os documentos impressos foram digitalizados regularmente para sinais interessantes. Foi apenas com uma varredura que Jerry Ehman se esbarrou no que poderia ser um extraterrestre.
Sinal

O que torna o sinal Wow! tão interessante para os investigadores do SETI é que ele se encaixa no perfil do que eles esperam que seja um sinal de Extraterrestres. A sua frequência de aproximadamente de 1.420 megahertz estava na competição em um local tranquilo muito próximo ao da frequência de ressonância do hidrogênio neutro e se estendendo até a freqüência de água. Pesquisadores do SETI acreditam que esta frequência seria uma transmissão lógica de ET's. A intensidade e duração dos sinais Wow! também combinavam exatamente com o a maneira com que alguma fonte extraterrestre teria recebido o sinal do Big Ear.

Obviamente, foi necessário confirmação do sinal antes de ser claramente determinado como sendo uma transmissão por ET. A área do céu na constelação de Sagitário, onde aparentemente o sinal Wow se original, foi procurado novamente pelo Big Ear por vários meses. Outros pesquisadores que utilizam outros telescópios de rádio também tentaram ouvir o WOW!, tudo em vão. Embora ainda não confirmado, o chamado sinal Wow! tem se mantido como um das mais prováveis formas de um possível sinal extraterrestre em mais de 50 anos de pesquisa ativa.

A busca incessante pelos extraterrestres

Nós, seres humanos parecemos termos um viés embutido para acreditar em inteligência extraterrestre. Desde quando a humanidade começou a dar atenção à natureza do nosso Universo, tem havido aqueles que têm a crença de que há uma infinidade de planetas habitados "lá fora". Muitas mitologias antigas referem-se a outros mundos no cosmos, contendo formas de vida não-humanas.

Editor - Esta é uma foto do lado de um caminhão U-Haul retirado da nossa janela ônibus a caminho de Chicago para o observatório Yerkes.  Ele mostra o prato de Green Bank ea equação de Drake.
Como o estudo do cosmos tornou-se mais científico, e a vastidão do espaço começava a ser entendida e a pesquisa tornou-se mais científica. William Herschel, por exemplo, observou muitas "nebulosas espirais" e imaginou que elas seriam novos sistemas solares que dão forma a milhares de planetas habitados por humanos como seres. Na verdade, ele (e muitos outros antes e depois) acreditavam que a lua era preenchida com seres inteligentes. Outras figuras históricas desse período defenderam uma "pluralidade de mundos", incluídos Immanuel Kant e Benjamin Franklin.

Esta crença tem persistido até hoje. As obras de autores de ficção científica e cineastas já aproveitaram essa crença de seu público para tornarem suas histórias críveis e convincentes.  O falecido Ray Bradbury era bem conhecido por sua crença de que o destino da humanidade é evoluir para as estrelas.

A visão de Carl Sagan na sua série épica "Cosmos", com uma camisola de gola alta expondo os "bilhões e bilhões" de planetas a ser encontrado em nosso universo pode se realizar. Em cada planeta, existe uma oportunidade de vida e, para muitos, há a chance de evoluir inteligência. A NASA financiou o observatório espacial Kepler projetado para a descoberta de planetas como a Terra, bem como financiamento de estudos em astrobiologia.

Essa crença em uma "pluralidade de mundos" e vida inteligente no universo, no entanto, não tem sido universalmente aceita. Às vezes e de diferentes quadrantes, tem sido desafiada e minada pela crítica bem fundamentada. Uma das mais famosas críticas é chamado o paradoxo de Fermi.

Na década de 1950, o argumento contra inteligência extraterrestre foi resumia a uma simples pergunta supostamente proferida pelo físico Enrico Fermi. "Onde estão todos eles?" O tamanho e a idade do Universo e os "bilhões e bilhões" de planetas lá fora, e (relativamente) o pouco tempo que levou para evoluir inteligência na Terra, nos leva a crer que deve haver um grande número de civilizações avançadas lá fora. Uma vez que ainda não tivemos o primeiro contato, isso significa que as nossas pesquisas atuais são incompletas, estamos à procura de extraterrestres utilizando os métodos errados, ou civilizações inteligentes capazes e interessadas ​​em comunicação interestelar são realmente muito raras. Carl Sagan sabia refutar dizendo que a "ausência de evidências não constitui evidência da ausência."

Há também evidências de fora da astronomia que provariam o paradoxo de Fermi. A maioria dos biólogos evolutivos apoiam essa crítica. Eles acreditam que não existe um mecanismo que levaria a vida de evoluir para as formas mais complexas necessárias para a inteligência surgir. Eles apontam para os muitos lugares no registro fóssil onde a vida realmente se tornou menos complexa para reforçar o seu caso. E quanto a inteligência extraterrestre, eles dizem que acreditam ser extremamente improvável de que a inteligência evoluiu na Terra, apoiando a crença de que podemos estar sozinhos - pelo menos em nossa galáxia.

Esta hipótese  da "Terra rara" foi apresentada em 2000 pelo geólogo e paleontólogo Peter Ward e o astrônomo e astrobiólogo Donald Brownlee em seu livro "Terra Rara: Por que a vida complexa é incomum no Universo". Outros citaram que os eventos cósmicos, como explosões de raios gama são comuns e mortais o suficiente para explicar o paradoxo de Fermi.


O Wow" foi realmente o primeiro contato? Por mais que queiramos de acreditar que sim, o debate ainda está aberto. Até mesmo os especialistas na área no Instituto SETI concordam que a evidência é inconclusiva sobre este e outros sinais que encontraram. E então, novamente, talvez o sinal Wow! não fosse um sinal de transmissão geral, com o objetivo de nos alertar para a existência de uma nova raça alienígena. Ficamos então no aguardo e na ânsia de outro possível telefonema e mais que isso, uma equação matemática, uma sequência Fibonacci, um número pi. É pedir demais? 

Traduzido e adaptado de Houstoun Astronomy Society

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter