Select Menu
» » » » » » Novo mundo gelado com a órbita de 20.000 anos indica a existência do Planeta Nove
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga










Órbita de 20.000 anos do planeta L91 pode ter sido moldada por uma força externa. Planeta Nove? L. Calçada/ESO

PASADENA, Califórnia - O sistema solar acaba de ganhar mai
s um novo objeto extremo: L91, um pequeno mundo gelado com uma das órbitas mais longas conhecida, com cerca de 20.000 anos para completar uma volta ao redor do Sol. Os pesquisadores ainda têm de definir o tamanho ou a massa do objeto, mas eles podem adicioná-lo à lista crescente de corpos congelados circulando bem além de Netuno em órbitas estranhas que implicam pertubações gravitacionais além do Sol e dos planetas gigantes conhecidos. No caso de L91, alguns astrônomos dizem que um perturbador gravitacional externo poderia ser um novo planeta gigante, ainda não descoberto. No entanto, a equipe da descoberta de L91 favorece um cenário em que o distúrbio é mais mundano: uma estrela passageira ou a própria gravidade da Via Láctea.

"É bem no limite do que podemos detectar", disse o astrofísico Michele Bannister, da Belfast University of Queen, na Irlanda, que descreveu o resultado de hoje na da reunião do Planetary Science na Divisão da Sociedade Astronômica Americana .

L91 nunca chega mais perto do Sol do que 50 unidades astronômicas (UA), ou 50 vezes a distância Terra-Sol. De lá, ele lentamente se arrasta por um caminho de até 1,430 UA. Isso significa que ele tem uma órbita mais alongada do que Sedna, um outro objeto distante, com dimensão de Plutão, cuja aproximação máxima é de 76 UA e cujo estimado ponto distante (periélio) atinge 937 AU. L91 foi encontrado usando Telescópio França-Havaí-Canadá, em Mauna Kea, Havaí como parte da Pesquisa das Origens do Sistema Solar ExteriorOuter Solar System Origins Survey (OSSOS). 

Os astrônomos pensavam o sistema solar era relativamente estático, com as configurações atuais dos planetas praticamente inalterada desde o seu nascimento em uma gigantesca nuvem de poeira e gás a mais de 4 bilhões de anos atrás. Mas, durante a última década, os pesquisadores perceberam que a história planetária está cheia de movimentos caóticos, com os gigantes gasosos como Júpiter e Saturno à deriva para dentro e para fora do Sol. Como essas massas gigantescas se movendo, sua influência gravitacional trouxe outros objetos junto, em alguns casos, planetas inteiros.

L91 pode ser um desses andarilhos, e o gigante de gelo Netune pode ser responsável por seus movimentos. Bannister esboçou um cenário em que o objeto gelado nasceu com uma órbita elíptica mais regular. Naquela época, seus pontos mais próximos e mais distantes do Sol teriam sido mais ou menos semelhantes.

Ao longo de bilhões de anos, a influência gravitacional de Netuno pode ter dado pequenos chutes que se estendiam à sua órbita distante e apontaram todo o caminho até a parte interna da nuvem de Oort, um aglomerado de corpos congelados que acreditam ser estar em 2.000 ou mais UA do Sol. Em seguida, uma estrela de passageira ou interações gravitacionais com a nossa Via Láctea poderiam ter retraído a órbita de L91 até a forma menos alongada, porém ainda extrema, que vemos hoje.

"É uma história que não é plausível, mas eu também acho que não é necessária", disse o cientista planetário Konstantin Batygin, do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, que não fazia parte da recente descoberta.

Sua explicação preferida é o puxão gravitacional do planeta Nove, um mundo Netuniano hipotetizado por ele e por Mike Brown, outro astrônomo do Caltech em janeiro deste ano, para explicar as estranhas órbitas estendidas de uma meia dúzia de objetos, incluindo Sedna. Bannister e seu equipe criou modelos em que um mundo com a massa do planeta Nove poderia ter fornecido os pontapés gravitacionais necessários para alongar a órbita de L91, mas eles descobriram que isso teria inclinado L91 em uma órbita diferente. Mas Batygin diz que o puxão gravitacional galáctico é um processo ineficiente e que a explicação do Planeta Nine continua a ser uma maneira menos complicada de alcançar o mesmo resultado.

DOI: 10.1126 / science.aal0270

Traduzido e adaptado da Revista Science

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter