Select Menu

_______________
» » » » Esta tabela periódica mostra a origem de cada átomo do seu corpo
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Somos feitos de poeira das estrelas

Aqui está algo para se pensar: o ser humano adulto médio é composto de 7.000.000.000.000.000.000.000.000.000 (7 Octilhões) de átomos, e a maioria deles são hidrogênio - o elemento mais comum no universo, produzido pelo Big Bang 13,8 bilhões de anos atrás.

O restante desses átomos foram forjados por antigas estrelas que se fundiram e explodiram bilhões de anos após a formação do Universo, e uma pequena quantidade pode ser atribuído aos raios cósmicos - radiação de alta energia que se origina de algum lugar fora do Sistema Solar.

Como o astrônomo Carl Sagan disse uma vez em um episódio de Cosmos , "O nitrogênio em nosso DNA, o cálcio em nossos dentes, o ferro em nosso sangue, o carbono em nossas tortas de maçã foram feitas no interior de estrelas em colapso. Somos feitos de poeira das estrelas."

Para lhe dar uma ideia melhor de onde os ingredientes de cada humano vivo veio, Jennifer A. Johnson, um astrônomo da Universidade do Estado de Ohio, criou esta nova tabela periódica que coloca todos os elementos de acordo com a sua origem: 


Para manter as coisas relevantes para o corpo humano, Johnson explica que ele cortou um certo número de elementos de secção inferior.

"Tc, Pm, e os elementos além U não tem isótopos de vida longa ou estáveis. Eu ignorei os elementos além do U neste enredo, mas não incluir Tc e Pm parecia estranho, então eu incluí-os em cinza," Johnson explica em seu blog  com o Sloan digital Sky Survey.

A nova tabela periódica tem por base o trabalho que Johnson e seu colega, o astrônomo Inese Ivans da Universidade de Utah, fizeram em 2008 - um projeto nascido de medidas iguais de frustração e procrastinação.

Como você pode ver a partir da versão original, ele foi limpa-lo um pouco desde então:


"Isto é o que acontece quando você dá a dois astrônomos - que estão cansados de lembrar a todos sobre os elementos e seus processos [em] uma tabela periódica -  um conjunto de lápis marcadores, e tempo, quando na verdade eles deveriam estar vendo palestras", Johnson admite.

A tabela periódica funciona através da identificação das seis fontes de elementos em nossos corpos, e organiza-os nos processos no universo que podem dar origem a novos átomos: fusão do Big Bang; fissão de raios cósmicos; fusão de estrelas de nêutrons; explosão de estrelas massivas; morte de estrelas de baixa massa; e explosões de anãs branca.

A forma como as cores correspondentes preenchem as caixas dos elementos mostram aproximadamente a quantidade desse elemento e o resultado de vários eventos cósmicos.

Então você pode ver que elementos como o oxigênio (O), magnésio (Mg) e sódio (Na), resultam de  explosões gigantescas  de estrelas massivas chamadas supernovas, que ocorrem no final da vida de uma estrela, quando ela fica sem combustível ou acumula muita matéria.

A quantidade incrível de energia e nêutrons que ela libera permite que os elementos sejam produzidos - um processo conhecido como nucleossíntese - e distribuídos por todo o Universo.

Velhos favoritos como o carbono (C) e nitrogênio (N), por outro lado, existem principalmente graças a estrelas de pequena massa que terminam suas vidas como anãs brancas. 

Estranhos elementos como boro (B) e berílio (Be), e alguns isótopos de lítio (Li) são únicos em suas origens, porque eles são o resultado de partículas de alta energia chamadas raios cósmicos que viajam através de nossa galáxia, quase à velocidade de luz.

A maioria dos raios cósmicos são originários de fora do Sistema Solar, e às vezes até da Via Láctea, e quando eles colidem com certos átomos, eles dão origem a novos elementos. 

Curiosamente, o lítio é parte da razão pela qual Johnson decidiu distribuir essa nova tabela periódica. Há uma versão similar na Wikipedia:



Mas, como Johnson explica, a versão da Wikipedia não é clara em alguns lugares, e está simplesmente errada em outros.

Ela diz que as "grandes estrelas" e "pequenas estrelas" na versão Wikipedia não fazem muito sentido, porque nucleossíntese não tem nada a ver com o raio das estrelas, por isso temos de assumir que elas significam "estrelas de alta massa" e "estrelas de pequena massa", respectivamente. 

"Estrelas de alta massa acabam com suas vidas (pelo menos por algum tempo) como supernovas com um núcleo colapsado. Estrelas de baixa massa geralmente terminam suas vidas como anãs brancas", diz Johnson.

"Mas, às vezes, as anãs brancas que estão em sistemas binários com outra estrela obtém massa suficiente da companheiro para se tornar-se instável e explodir como as chamados supernovas de tipo Ia. O termo 'supernova' no gráfico Wikipedia não é claro quanto a isso. "

Há também o problema do lítio:

"A informação do Li é incorreta. [O isótopo] (Li 6) é realmente feito por raios cósmicos que atingem outros núcleos e quebra-os. Mas a maior parte do isótopo mais comum (o Li 7) é sem dúvida feita em estrelas de baixa massa e vomitadas para o Universo a medida que a estrela morre. Outra parte do Li 7 também foi feito no Big bang, e uma pequena fração pela fissão dos raios cósmicos".

Acesse o blog de Johnson para ver uma versão de maior resolução da tabela periódica, e se precisar de uma versão em cores frias mais amigáveis, ela também tem uma disponível:



Traduzido e adaptado de Science Alert

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter