Select Menu
» » » » » Micróbios vivos de 60.000 anos são encontrados por cientistas da NASA em mina no México
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Cientistas da NASA descobriram microorganismos vivos presos dentro de cristais por até 60.000 anos em uma mina no México.

Estes estranhos micróbios antigos aparentemente evoluíram para que eles pudessem sobreviver com uma dieta de sulfito, manganês e óxido de cobre, disse Penelope Boston, do Instituto de Astrobiologia da NASA, em uma apresentação no fim de semana em uma conferência da Associação Americana para o Avanço da Ciência.


"Isto tem efeitos profundos sobre a maneira no qual tentamos entender a história evolutiva da vida microbiana no planeta", disse ela.

Eles foram descobertos na mina de Naica, onde se minera chumbo, zinco e prata no estado mexicano de Chihuahua.

A mina é famosa por seus enormes cristais, alguns contendo 50 pés (15 metros) de comprimento.

A descoberta ainda não foi publicada em uma revista científica revisada por pares, mas levou Boston a acreditar que os organismos vivos também puderam ter sobrevivido em ambientes extremos de outros planetas e luas do nosso sistema solar.

Ela disse que cerca de 100 diferentes tipos de microorganismos - a maioria deles bactérias - foram encontrados presos em cristais de Naica, por períodos que variam de 10.000 a 60.000 anos.

Noventa por cento deles nunca foram observados antes, disse ela.

A descoberta destes microrganismos ultra-resistentes tem sido uma bênção para pesquisadores, mas também uma fonte de preocupação para astrobiólogos que pensam em trazer de volta para Terra amostras coletadas em missões espaciais no sistema solar.

As condições extremas em que estes micróbios sobreviveram levanta a possibilidade de que os organismos extraterrestres perigosos acidentalmente poderiam pegar uma carona para a Terra em uma nave espacial que estiver retornando de uma missão interestelar, por exemplo.

Astrobiólogos também se preocupam com o risco de que os organismos da Terra poderiam contaminar outros planetas no curso de missões para lugares como Marte, que já foi visitado por vários robôs norte-americanos.

A NASA esteriliza suas naves espaciais e equipamentos antes de lançar-los para o espaço. Mas há sempre um risco de que microorganismos ultra-resistentes sobrevivam.

"Como garantir que as missões de detecção de vida estão detectando a vida em Marte ou vida em mundos gelados, em vez de nossa vida?" perguntou Boston.

As preocupações não são novas. Durante as missões Apollo dos anos 1960 e 70, os astronautas que retornam da lua foram colocados em quarentena.

Os microorganismos encontrados na mina de Naica não são os mais antigo descoberto até à data.

Há vários anos, os cientistas relataram a descoberta de micróbios no gelo e sal que tinham até 500.000 anos de idade.

Traduzido e adaptado de Phys

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter