Select Menu

_______________
» » » » Cientistas identificaram a mais pura e mais maciça anã marrom jamais vista
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A estrela falhas que quebra todos os recordes.

Impressão artística de uma anã marrom.  Crédito: NASA / JPL-Caltech

Novas medições revelaram que os cientistas acreditam ser a mais pura e mais massiva anã marrom jamais vista - uma 'estrela falha' que é feita quase totalmente de hidrogênio puro e hélio.

Anãs marrons são enormes objetos celestes que se encontram em algum lugar entre as estrelas ativas e planetas. Elas são chamadas de estrelas falhas porque elas não têm massa suficiente para sustentar a reação de fusão nuclear que converte hidrogênio em hélio, o que permite que as estrelas 'brilhem' e liberem energia.

Neste caso, o objeto é chamado de SDSS J0104+1535, e está localizado a cerca de 750 anos-luz de distância na constelação de Peixes. Mas, embora esta anã marrom não consiga se tornar uma estrela, é uma recordista de outras formas, que consiste de mais de 99,99 por cento hidrogênio e hélio.



De acordo com uma equipe liderada pelo Instituto de Astrofísica das Canárias, a pureza do hidrogênio e héli - e a falta de elementos de metal entre seus gases - faz com que o SDSS J0104+1535, seja aproximadamente 250 vezes mais puro do que o nosso Sol, e os cientistas nunca identificaram um caso extremo desses antes.


"Nós realmente não esperávamos ver anãs marrons tão puras quanto estas", diz o astrofísico ZengHua Zhang.

O objeto foi detectado pela primeira vez já em 1992 pelo Digitized Sky Survey II e tem sido observado em outras pesquisas desde então, mas até agora, os investigadores tinham categorizado SDSS J0104 + 1535 como uma anã classe M - o tipo mais frio de estrela que ainda pode fundir-se com sucesso. 

Mas novas leituras feitas por Zhang e sua equipe usaram o sul do Observatório Europeu do Very Large Telescope (VLT) no Chile sugerem que SDSS J0104 + 1535 tem metalicidade muito menor do estrelas de Classe M geralmente contêm. 

Isso significa que nós estamos observando para uma estrela anã classe L fria - uma espécie de anã marrom que não pode alavancar a fusão nuclear - e é maior estrela falha já descoberta por cientistas. 

As novas medições sugerem que SDSS J0104 + 1535 tem uma massa equivalente a 90 vezes maior do que Júpiter, e os pesquisadores estimam que o objeto se formou há 10 bilhões de anos atrás, o que também a coloca entre as anãs marrons mais antigas já descobertas.

Recentemente, os cientistas não estavam cientes de que as anãs marrons poderiam formar-se a partir de uma mistura intocada de hidrogênio e hélio - mas agora que sabemos sobre a SDSS J0104 + 1535, é possível que ela seja apenas a primeiro de várias à espreita lá fora no espaço.

Claro, só porque elas estão lá fora não significa que identificá-las será fácil. Devido à sua temperatura fria, as anãs marrons são notoriamente difíceis de encontrar, uma vez que sua saída de radiação é significativamente mais fraca do que as estrelas normais.

Mas isso não significa que não conseguiremos encontrar todas as estrelas falhas. 

Entre as anãs marrons velhas como SDSS J0104 + 1535, os seus antigos gases primordiais prometem nos ensinar mais sobre as condições no início do Universo.

E a pesquisa publicada no ano passado chegou a sugerir que as atmosferas superiores de anãs marrons poderia fornecer um habitat potencial para formas de vida alienígenas.

Zhang está otimista de que as anãs marrons mais primitivas como SDSS J0104 + 1535, serão descobertas e que isso poderia ser apenas uma questão de tempo.

"Eu ficaria muito surpreso se não houverem muitos objetos mais semelhantes lá fora esperando para ser encontrado."

As conclusões foram relatadas na Monthly Notices da Royal Astronomical Society.

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter