Select Menu
» » » » Astrônomos acreditam que podemos alcançar a estrela mais brilhante do céu em 69 anos
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Sírius, estamos chegando.




Se você estiver enviando uma nano-sonda alimentada por fótons através da galáxia - viajando em uma fração da velocidade da luz - é melhor ter uma boa ideia sobre como diminuir sua velocidade quando ela atingir o seu destino final.


Esses tipos de preocupações estão nas mentes de alguns dos astrofísicos mais ambiciosos do planeta, que estão lutando para saber a forma na qual eles podem fazer um projeto como Starshot Breakthrough, anunciado no ano passado, realmente cumprir a sua promessa fantástica.


Se você perdeu o fio da meada, a essência básica do projeto é usar lasers disparados a partir da superfície da Terra para impulsionar uma pequena nave espacial, do tamanho de um selo, ao sistema estelar mais próximo da Terra, a estrela vizinha Alpha Centauri, localizada a escassos 4.37 anos-luz de distância.

Mas, enquanto Alpha Centauri pode ser o sistema solar mais próximo ao nosso, o astrofísico René Heller, do Instituto Max Planck for Solar System Research, na Alemanha, pensa que não seria necessariamente a viagem mais rápida para o diminuto embaixador da humanidade fazer.

Heller e sua equipe sugerem que visitar Sirius - a estrela mais brilhante no céu noturno da Terra - seria realmente fazer uma viagem mais rápida, mesmo que seja quase duas vezes mais distante em comparação a Alpha Centauri, a cerca de 8,6 anos-luz de distância.

Mas como poderia ser mais rápido para chegar ao Sírius se ela vai mais longe? A resposta está nas várias hipóteses sobre como você poderia impulsionar e depois abrandar estas minúsculas (e ainda bastante hipotéticas) espaçonaves.

Breakthrough Starshot visa enviar a sua mini-nave espacial para Alpha Centauri, à velocidades de até 20 por cento da velocidade da luz, que iria fazer com que seu tempo de viagem fosse de 20 anos.


Mas o problema com este esforço incompreensível é que a uma velocidade vertiginosa, seria impossível desacelerar a nave, uma vez que ela chegar ao seu destino.

Em outras palavras, como atualmente previsto -  e os pesquisadores assumindo que podem descobrir como fazer o artefato sobreviver aos perigos da viagem - seria estritamente uma missão de reconhecimento, sem oportunidade de realizar qualquer pouso ou um vislumbre mais detalhado no sistema Alpha Centauri, antes de embarcar no vazio do espaço.

O que seria uma pena, já que Alpha Centauri é o palco para o nosso planeta como a Terra mais próxima, Proxima b - embora os cientistas estão divididos sobre quão habitáveis e tentadores os mundos extraterrestres podem (ou não podem) ser.

Para conceber um conceito de missão alternativa que poderia torná-lo para Alpha Centauri e abrandar o suficiente para cheirar as rosas extraterrestres quando chegar lá, Heller e colegas pesquisadores propuseram usar um tipo diferente de nave no início do ano.

Em vez de ser impulsionado por lasers como Starshot Breakthrough, sua pequena nave apresenta uma vela solar, que lhe permitiria capturar fótons do Sol para enviá-lo em seu caminho para Alpha Centauri.

Então, uma vez que atinge o fim de sua jornada, o mesmo truque iria trabalhar para retardar a nave: a vela seria implantada para pegar radiação de estrelas de Alpha Centauri, aplicando uma força de travagem à sonda.

É uma ideia legal, mas as velocidades mais lentas envolvidas - para não mencionar o tempo de ruptura considerável - significariam que a vela solar levaria cerca de 140 anos para executar uma órbita em torno Proxima Centauri, a estrela hospedeira de Proxima b.

Comparado com os 20 anos de Breakthrough Starshot, essa diferença de tempo pode estar de acordo para alguns.

"Nosso principal restrição na definição do conceito Starshot era visitar Alpha Centauri dentro de nossa vida", disse o astrofísico e cientista-chefe do Starshot Avi Loeb, da Universidade Harvard, ao National Geographic em fevereiro.

Mas agora, a equipe de Heller revisou a sua hipótese em um novo estudo, e propôs que uma viagem otimizada significaria melhores tempos de aceleração e desaceleração em uma viagem interestelar.

Isso poderia cortar fora os 20 anos de viagem à Alpha Centauri, segundo os pesquisadores, mas para Sirius - que brilha 16 vezes mais do que Alpha Centauri - significa uma viagem que levaria apenas cerca de 69 anos, em seus cálculos.

A pesquisa ainda não foi revisada por outros cientistas, mas por sua vez, Loeb chama a ideia de "inovadora e interessante" - embora ele aponte que a tecnologia de vela solar teria que ser extremamente refinada para permitir colocar o plano em execução. 

"[O] conceito requer uma vela extremamente fina, se o objetivo é chegar a uma fração da velocidade da luz", disse Abigail Beall ao New Scientist.

Heller e a equipe reconhecem que isso é verdade, mas dizem que se os cientistas podem descobrir como construir o tipo certo de velas ultra-grandes, mas ultra-finos, o Universo está ao nosso alcance.

"Precisamos de um material da vela muito leve, sólida, resistente à temperatura, e altamente reflexiva que pode abranger uma área de várias centenas de metros quadrados", disse Heller ao New Scientist.

"Se isso funcionar, então a humanidade pode realmente ser interestelar."

O estudo foi publicado no site pré-impressão arXiv.org .

Science Alert


. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter