Select Menu
» » » » » Campanha histórica global para fotografar um buraco negro já está em andamento
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Simulação de computador de um buraco negro supermassivo no centro de uma galáxia. A aresta da região central preto representa o horizonte de eventos, para além do qual nenhuma luz pode escapar. Crédito: NASA, ESA, e D. Coe, J. Anderson, R. e van der Marel (STScI)

A campanha para capturar a primeira imagem de um buraco negro já começou.

A partir de hoje (5 de abril) a 14 de abril os astrônomos vão usar um sistema de radiotelescópios ao redor do mundo para espiar o buraco negro gigantesco no centro da Via Láctea, um gigante chamado Sagitário A* (Sgr A*), que é 4 milhões vezes mais maciço do que o Sol.

Os investigadores esperam fotografar o horizonte de eventos de Sgr A* - o 'ponto de não retorno' além da qual nada, nem mesmo a luz, pode escapar. (O interior de um buraco negro nunca pode ser visto porque a luz não pode sair).

Visão do centro da Via Láctea via Telescópio Espacial Hubble em luz infravermelha. A inserção mostra os raios X na região em torno de Sagitário A*, o buraco negro supermassivo no coração da Via Láctea. Crédito: Raio-X: NASA / UMass / D.Wang et ai, IR:. NASA / STScI

"Estas são as observações que vão nos ajudar a classificar todas as teorias selvagens sobre buracos negros - e há muitas teorias selvagens", disse Gopal Narayanan, um professor de astronomia da Universidade de Massachusetts Amherst, em um comunicado. "Com os dados deste projeto, vamos entender coisas sobre buracos negros que nunca compreenderam antes." 

O projeto, conhecido como o Event Horizon Telescope (EHT), liga observatórios no Havaí, Arizona, Califórnia, México, Chile, Espanha e Antarctica para criar o equivalente a um instrumento de rádio do tamanho de toda a Terra. Tal ferramenta poderosa é necessária para ver o horizonte de eventos de Sgr A*, que fica 26.000 anos-luz do nosso planeta, disseram os membros da equipe EHT.

"É como tentar uma imagem de uma uva na superfície da lua", disse Narayanan.

Durante a campanha atual, EHT também está de olho no buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, que fica a 53,5 milhões de anos-luz da Terra. A massa deste buraco negro monstro é de cerca de 6 bilhões de vezes a do Sol, por isso, seu horizonte de eventos é maior do que a de Sgr A*, disse Narayanan.

Estas observações devem ajudar os astrônomos a determinar a massa, rotação e outras características de buracos negros supermassivos com melhor precisão, disseram os membros da equipe. Os pesquisadores também pretendem saber mais sobre como o material acresce em discos em torno de buracos negros, e a mecânica dos jatos de plasma que explode estes gigantes devoradores de luz.

O EHT também poderia revelar mais sobre o "paradoxo da informação" - um enigma de longa data sobre se as informações do material engolido por buracos negros podem ser destruídas - e outros mistérios cosmológicos profundos.

"No coração da teoria geral da relatividade de Einstein, há uma noção de que a mecânica quântica e a relatividade geral pode ser fundida, que há uma grande teoria unificada de conceitos fundamentais", disse Narayanan. "O lugar para estudar isso está no horizonte de eventos de um buraco negro."

Embora a campanha de observação atual acabe cedo, vai demorar um pouco para os astrônomos para juntarem as imagens. Para começar, a informação que será recolhida pelos telescópios participantes de todo o mundo será transportada fisicamente, em vez de transmitida, às instalações de processamento central no Observatório Haystack do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

Em seguida, os dados terão que ser calibrados para ajustar a diferença de tempo, a atmosfera e outras condições nos diferentes locais. Os primeiros resultados da campanha provavelmente serão publicado no próximo ano, segundo os membros da equipe EHT.

[Space]

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter