Select Menu
» » » » Em qual constelação está o Sol?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga








Por Matt Williams, via Universe Today.


Desde os tempos antigos, os astrônomos têm organizado as estrelas em várias constelações. Temos o Big Dipper (Ursa Maior), Orion, o Caçador, e seu "Cão maior"  e “Cão Menor” (Canis Major e Canis Minor). E essas são apenas algumas das mais mais conhecidas. Mas você já se perguntou se o Sol pertence a uma dessas coleções de estrelas?
A resposta simples é que - de acordo com a antiga tradição da astrológica e astronomia moderna - o Sol tecnicamente não tem constelação. Mas se você tivesse que mudar de local e viajar para um novo sistema de estrelas, você iria em seguida, ser capaz de ver o Sol, assim como nós observamos outra coleção distante de estrelas. Infelizmente, dependendo de onde você está, a resposta mudaria.

O zodíaco:

Primeiro, vamos considerar a resposta astrológica para esta pergunta. A não ser que você tenha nascido antes da Revolução Científica - o período em que Nicolaus Copernicus propôs o modelo heliocêntrico do Sistema Solar - você sabe que a Terra gira em torno do Sol. Ao longo de um ano, a posição das estrelas muda a medida que a posição da Terra em relação ao Sol muda.
Um gráfico das constelações e signos que compõem o zodíaco. Crédito: NASA
Durante o ano, o Sol passa por cada uma das constelações do ZodíacoPor exemplo, em agosto, o Sol está em Leão, e, em seguida, em setembro, o Sol está em VirgemSeu signo astrológico é baseado nisto. O que isto significa é que o Sol faz parte de cada constelação do zodíaco ao longo de um único ano, por isso, astrologicamente, não podemos dizer que o Sol pertence a qualquer única constelação.
No entanto, a astrologia é uma prática obsoleta e totalmente não científicaE se alguém perguntar em qual constelação o Sol está em, certamente eles estão procurando uma resposta astronômica (e não astrológica) na natureza. Para isso, devemos considerar o que as constelações são em termos científicos.
88 constelações:
Desde os tempos antigos, os astrônomos e estudiosos têm mantido o controle dos “asterisms” (aka. Constelações) no céu da noite. Por definição, constelações são coleções de estrelas que, quando vistos da Terra, aparecem na mesma área geral, noite após noite. Na realidade, eles estão realmente localizados em locais muito diferentes, e às vezes podem estar até milhares de anos-luz de distância um do outro.

Durante o 2º século dC, o astrônomo helenístico Cláudio Ptolomeus (Ptolomeu) organizou as constelações em um único tratado. Este tratado, conhecido como o Almagesto, foi a fonte definitiva sobre astronomia grega, e continha os nomes e significados das então conhecidos 48 constelações. Por mais de mil anos, este trabalho permaneceria canônico por astrônomos europeus e islâmicos.
As constelações modernas. código de cores por família, com uma linha a ponteada indicando a elíptica. Crédito: NASA/estúdio científico de visualização
Graças à Revolução Científica e a “Era da Exploração” - Século 15 a 18 - astrônomos tomaram conhecimento de muitas outras constelações. Isso ocorreu devido à exploração extensiva no exterior, que trouxe comerciantes europeus, exploradores e ondas de colonização para o Hemisfério Sul, Leste da Ásia e nas Américas.
Em 1922, a União Astronômica Internacional (IAU) dividiu oficialmente a esfera celeste em 88 constelaçõesDestas, 36 ficam predominantemente no céu do norte, enquanto as outras 52 ficam predominantemente no Sul. Estas 88 constelações modernas permaneceria em uso até hoje.
No entanto, essas constelações dividem o céu noturno com base em como ele é visto da Terra. Mais uma vez, o nosso Sol não pode ser considerado como pertencido a nenhuma delas, porque - em relação ao observador da Terra - ele passa através de todas elas. Infelizmente, a única maneira de responder a esta pergunta é mudar a nossa perspectiva.

De outros sistemas estelares:

Se você pudesse se afastar para outra estrela, o nosso Sol estaria de fato parecendo fazer parte das estrelas de fundo. Por exemplo, se você tivesse que viajar para um planeta orbitando a estrela mais próxima do sistema solar - Alpha Centauri (aka Rigil Kentaurus) - então a Sol estaria, de fato, parecendo estar em uma constelação.
Concepção artística do exoplaneta similar à Terra orbitando Alpha Centauri B Crédito: ESO
Para ser cientificamente precisas, vamos considerar um planeta que realmente sabemos que existe. Este seria o planeta extrasolar rochoso recentemente descoberto ao redor Proxima Centauri, que é conhecido como Proxima bVisto da superfície deste planeta, o Sol parece ser parte da constelação de CassiopeiaNo entanto, ao invés de formar uma forma de W, o nosso Sol formaria um sexto ponto em sua extremidade “ocidental”, fazendo com que pareça uma cadeia de montanhas (ou uma linha rabiscada).
Mas se você estivesse em um sistema de estrelas diferentes, a posição do Sol iria mudar, dependendo da direção. Como tal, o Sol realmente não está em qualquer constelação.Muito parecido com o que a Teoria da Relatividade de Einstein nos ensina sobre o espaço e o tempo, as próprias constelações mudam em relação ao observador.
Fontes:

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter