Select Menu
» » » » Maior levantamento celeste de seu tipo não encontra nenhuma evidência de vida inteligente [que usam laser] lá fora
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Ou extraterrestres inteligentes não usam comunicação laser, ou eles não existem.


Scanners foram usados em milhares de estrelas distantes que procuram encontrar vestígios de sinais de laser -  no qual alguns cientistas pensam que poderia oferecer pistas de vida alienígena avançada - e voltaram com "mãos vazias", um golpe para aqueles que desejam encontrar qualquer vizinhos interestelares em um futuro próximo.

Em um novo estudo, os investigadores analisaram a luz vinda de 5.600 estrelas em nossa própria Via Láctea - 2.000 das quais pensa-se acolher planetas quentes como a Terra - mas não encontraram nada. Ou civilizações alienígenas não estão usando poderosos raios laser como nós pensamos que eles poderiam fazer, ou esses extraterrestres simplesmente não existem.

Uma equipe da Universidade da Califórnia, Berkeley basearam seu trabalho nas idéias propostas pelos colegas cientistas do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), a saber: se a vida avançado existe lá fora, ela pode muito bem estar usando 'energia dirigida' através de tecnologia laser.

Estamos apenas começando a explorar este tipo de tecnologia, e especialistas, incluindo Stephen Hawking, acham que observar profundamente em espaço para este tipo de transmissões de laser poderia ser uma forma de mapear onde a vida alienígena inteligente estaria.

A menos que... talvez eles não existam, de acordo com a nova pesquisa.

"Nós não encontrou tal emissão laser proveniente da região planetária em torno de qualquer uma das 5.600 estrelas", explica a equipe em seu artigo.

A pesquisa é baseada em uma análise de medições históricas de luz das estrelas feitas no telescópio Keck, no Havaí, entre 2004 e 2016, processado através de um algoritmo especial destinado a encontrar evidências de rajadas de laser incomuns.

O algoritmo desenvolvido pelos cientistas foi projetado para cortar a luz de fundo emitida por cada estrela para ajudar a encontrar pulsos artificialmente criados que poderiam ser um sinal de feixes de laser, mas nenhum vestígio foi encontrado além do que você esperaria de sistemas desabitados.

Mas não podemos descartar a existência de extraterrestres ainda - os resultados só querem dizer que, se eles estão lá fora, eles não parecem estar usando este tipo de tecnologia a laser em toda esta secção transversal de estrelas, a maioria das quais estão dentro de 100 parsecs (cerca de 326 anos-luz) do nosso planeta.

"Estes resultados colocar um limite superior sobre o número de civilizações que usam transmissão de lasers para nós enquanto estávamos observando," um da equipe, Nathaniel Tellis, disse George Dvorsky no Gizmodo.

"É apenas um tipo de comunicação, mas acreditamos que a comunicação dirigida, lasers são altamente eficientes."

Na imagem abaixo, você pode ver um dos falsos positivos que apareceram pelo estudo, causados por gás aquecido em torno de uma estrela. 

Crédito: UC Berkeley

Talvez os extraterrestres estejam usando um tipo de sistema de comunicação mais avançado que o laser, mas é relativamente fácil detectar sinais assim, e esse é um dos motivos que os cientistas estão usando-o -  ao contrário de sinais de rádio, sinais de laser não se degradam muito através do espaço.

A Terra não irradia quaisquer comunicações laser para mundos distantes também. Em outras palavras, se o estudo tivesse sido realizado na Terra  por um extraterrestre a 325 anos-luz de distância, nenhum sinal de vida teria sido encontrado.

Em outras palavras, podemos só precisar mudar o que estamos procurando, em vez de para onde estamos olhando.

"Cada uma dessas estrelas poderiam ter uma Nova York, uma Paris, uma Londres, e não teríamos nenhuma ideia", disse Tellis Marina Koren na The Atlantic .

O estudo foi aceito para publicação na próxima edição do The Astronomical Journal. Até então, você pode ler a versão pré-impressão no arXiv.org.

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter