Select Menu
» » » » » Astrônomo diz que nós encontraremos vida alienígena dentro da próxima década
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

De cientistas altamente treinados labutando em institutos de pesquisa à entusiastas amadores olhando para cima de seus quintais, a humanidade está cheia de pessoas à procura de vida fora da Terra.

Acrescente a isso o enorme tamanho do Universo - as estimativas variam em  trilhões de galáxias  - e probabilidade que devemos já ter encontrado outra espécie até agora. E, no entanto, ainda não temos nenhuma evidência de que não estamos sozinhos no Universo.

No entanto, de acordo com o astrônomo Chris Impey, esta caça à vida fora da Terra em breve poderá produzir resultados.

Em uma entrevista para o futurism, ele revelou que ele acredita que estamos a menos de duas décadas de encontrar vida extraterrestre... mas pode não ser o tipo de vida que esperávamos: "Eu coloco minhas apostas que encontraremos vida microbiana em 10 a 15 anos, mas não aposto em vida inteligente."

Enquanto Impey é cético de que vida inteligente está dentro de nossas vistas, e tem duas sugestões de onde devemos concentrar nossa busca por formas de vida extraterrestres, inteligentes ou não. A primeira é o nosso próprio quintal, ou, mais precisamente, o nosso próprio Sistema Solar.

Impey disse que não descarta a possibilidade de que a vida ainda exista em Marte, e diz que essas formas de vida são susceptíveis abaixo da superfície e são, portanto, muito mais difíceis de detectar.

Como tal, ele afirma que temos uma melhor chance de encontrar evidências de vida que existia no planeta vermelho: "Se nós realmente conseguirmos trazer rochas de Marte de volta aqui para a Terra de um lugar que nós acreditamos que poderia ter sido habitável no passado, então poderemos encontrar evidências de vida antiga."

Outros corpos no nosso Sistema Solar poderiam abrigar vida, de acordo com Impey, incluindo Europa (uma das várias luas de Júpiter).

Ele acha que as missões futuras visando o satélite poderiam ser úteis - se não totalmente conclusivas - afirmando que eles deverão, pelo menos, dar-nos "alguma ideia melhor se esse oceano poderia ter vida."

Naturalmente, o nosso Sistema Solar é apenas um pequeno canto de um Universo muito grande, de modo que seria negligente se não olhar para além dele para buscar sinais de vida.

Para restringir o escopo da pesquisa, Impey sugere visar a muitas exo-Terras que já descobrimos. Em vez de focar nas superfícies dos planetas, porém, devemos pesquisar suas atmosferas.

Nos próximos anos, vamos ser capazes de usar o telescópio espacial James Web e outros dispositivos de detecção para procurar biomarcadores tais como oxigênio e metano na atmosfera desses planetas como a Terra, diz Impey.

"Este biomarcador poderia encontrar evidências de vida microbiana indiretamente", explica ele.

A pesquisa deve nos ajudar a identificar os planetas que estão "o mais próximo da Terra quanto possível, não na distância, mas em caráter", acrescenta ele, e uma vez que a Terra é o único lugar que sabemos que existe vida, encontrar o maior número de planetas como a Terra é nossa melhor aposta para encontrar vida.

Mesmo se Impey estiver certo, e a humanidade ainda está a décadas de distância de encontrar vida inteligente extraterrestre, a descoberta de vida microbiana em Marte, Europa, ou um dos milhares de exoplanetas que identificamos ainda seria um grande desenvolvimento.

Isso significaria que a Terra não é única, e que a vida existe lá fora.

Nós poderíamos usar o conhecimento que recolher de estudar esta vida microbiana para diminuir a nossa caça para outros organismos mais complexos.

Ao fornecer informações valiosas sobre como os outros seres vivos são capazes de sobreviver em mundos muito diferentes do nosso, esta vida microbiana poderia ajudar em nossa busca para se tornar uma espécie multi-planetária.

Mesmo a descoberta da vida microbiana passada é útil, uma vez que poderia servir como algo de um conto preventivo, fornecendo-nos a oportunidade de aprender e garantir para que não encontramos o mesmo destino.

Como observa Impey, graças a avanços dramáticos na tecnologia, nós nunca estivemos melhor equipados para descobrir vida fora da Terra como agora: "Cada nova experiência do SETI feita agora é quase tão boa quanto a soma de todos os experimentos do SETI anteriores juntos".

No entanto, mesmo se todos os experimentos e missões atualmente planejadas forem curtas, Impey não prevê que a humanidade desista da busca por vida extraterrestre:

"O primeiro experimento do SETI foi em 1959, então obviamente ele já se arrasta há mais de meio século sem qualquer sucesso. As pessoas que fazem isso não parecem colocar-se fora pelo fracasso."

Este artigo foi originalmente publicado em futurism.

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter