Select Menu

_______________

_______________
_______________
» » » » » » » NASA irá lançar pela primeira vez uma sonda para o Sol
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Após 60 anos sonhando com uma missão próxima ao Sol, a NASA está finalmente planejando realizar esse objetivo brevemente. Na semana passada, a agência anunciou a missão Solar Probe Plus. Ela está sendo construída pelo Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory (JHUAPL) e prevista para ser lançada em 2018.


A Solar Probe Plus tem uma emocionante cronograma, anos após o lançamento, incluindo não menos do que sete (!) mergulhos em Vênus e um mergulho ousado na coroa, ou a atmosfera exterior do Sol. Aqui estão alguns dos detalhes científicos sobre esta fabulosa missão:




1. Observando o Sol

Onde é que o fluxo de energia do Sol está? Como a atmosfera exterior é aquecida? Estas são algumas das principais questões que a Solar Probe Plus irá responder. A queda vai acontecer quando a sonda tiver a chance de voar através da coroa solar, algo que os cientistas queriam fazer há 60 anos, mas não conseguiram até que a tecnologia avançasse. "A Solar Probe Plus é uma verdadeira missão de exploração, por exemplo, a sonda irá perto o suficiente para o Sol para assistir a velocidade do vento solar subsônica e supersônica, e vai voar através do berço das partículas de alta energia solar", escreveu JHUAPL no website da missão. "Ainda assim, como acontece com qualquer grande missão de descoberta, a Solar Probe Plus é susceptível de gerar mais perguntas do que respostas."



2. Sete voos rasantes em Vênus 

É muito comum as naves espaciais usarem a gravidade para reduzir as suas necessidades de combustível (que economiza o peso do lançamento e, portanto, dinheiro). Mas a desvantagem para da Solar Probe Plus estará no tempo no qual ela voará sete vezes pelo planeta Vênus entre 2018 e 2024. É somente após o sétimo sobrevoo que a sonda Solar Plus estará próxima o suficiente do Sol para fazer tudo o que a ciência e os pesquisadores desejam. Dito isto, a sonda não ficará ociosa durante este tempo. Você pode apostar que ela estará observando a estrela de longe, e que quando ela voar por Vênus, pelo menos, alguns instrumentos científicos serão ligado e observarão o planeta. É como um missão Vênus bônus.


3. Enfrentando a fúria do Sol

A Solar Probe Plus terá de suportar uma grande quantidade de calor quando estiver próximo do Sol. Sua aproximação máxima é esperada em 3,7 milhões de milhas (5,9 milhões de quilômetros), cerca de sete vezes mais perto do que Mercúrio nunca chegou do Sol. Isso também bate com folga o recorde estabelecido pela sonda Helios 2, que realmente apenas roçou o interior da órbita de Mercúrio e passou cerca de 27 milhões de milhas (44 milhões de quilômetros) do Sol em abril de 1976. Tanto de perto quanto de longe, ela vai observar ara o vento solar (o fluxo de partículas do Sol), a transferência de energia através do Sol, e algo chamado de "plasma empoeirado" - um gás superaquecido com partículas suspensas  - próximo do Sol.


4. Loucura Magnética

O Sol tem muitos mistérios que cercam seu campo magnético. O principal deles é por isso que o sol inverte a polaridade a cada 11 anos e na interseção deste ciclo há um aumento de manchas e flares solares (labaredas ou explosões de massa coronal), e depois tudo volta ao normal quando o ciclo afraca novamente antes de mudar sua polaridade mais uma vez. Uma grande parte da missão Solar Probe Plus é para sondar o campo magnético e outras partes do Sol para fazer melhores previsões sobre quando o próximo ciclo de erupções irá chegar à Terra. Erupções solares grandes o suficiente podem causar danos a satélites e até mesmo linhas de energia. Esta imagem do Solar Dynamics Observatory mostra o quão complicado o campo magnético é. "A sobreposição complexa de linhas pode ensinar cientistas sobre os meios com que o magnetismo do Sol muda em resposta ao movimento constante dentro do sol", escreveu a NASA em março. "Observe como os campos magnéticos são mais densos perto dos pontos brilhantes visíveis no Sol - que são regiões magneticamente fortes - e muitas das linhas de campo ligam uma região ativa à outra."


5. Construção à longo prazo

Se você estiver viajando para próximo do sol por longos períodos de tempo, você tem que certificar-se de sua nave espacial pode suportar o calor. A Solar Probe Plus irá transportar um enorme escudo de oito pés de diâmetro e 4,5 polegadas de espessura, feitos de espuma de carbono-carbono. Seus painéis solares, disse JHUAPL, vão se movimentar para se certificar de manter o calor adequado e poder retrair e estender conforme o necessário. Alguns "tecnologias resistentes ao calor," acrescentou JHUAPL, veio da sonda MESSENGER da NASA, a sonda que voou pelo planeta Mercúrio três vezes antes de se estabelecer em uma missão orbital que decorreu entre 2011 e 2015. Por exemplo, o escudo solar na Solar Probe Plus é semelhante a projetos de pára-sol da MESSENGER.

Traduzido e adaptado de Space

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter