Select Menu
» » » » Cientistas concluíram que o Universo não deveria realmente existir
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Os cientistas acabaram de confirmar o problema no centro do Universo: ele não deveria realmente existir.

Isso porque no início da existência, as quantidades iguais de matéria e antimatéria presentes deveria ter se aniquilado, ou seja, você não estaria lendo este artigo 13,8 bilhões anos mais tarde.

Uma explicação é que alguma diferença fundamental entre matéria e antimatéria evitou esta catástrofe, mas a pesquisa mais recente no CERN, na Suíça, descobriu que, além de suas cargas opostas, eles parecem completamente idênticos.

"Todas as nossas observações encontraram uma simetria completa entre matéria e antimatéria, razão pela qual o Universo não deveria realmente existir", disse um dos pesquisadores, Christian Smorra.

"Uma assimetria deveria existir aqui em algum lugar, mas nós simplesmente não entendemos onde essa diferença se encontra. Qual é a origem da quebra de simetria?"

Para começar, com o melhor de nosso conhecimento, o Big Bang produziu uma quantidade igual de matéria e antimatéria - tanto o material que compõe quase toda a matéria visível no universo, e sua indescritível gêmea oposta, a antimatéria.

Tendo em conta que quando a matéria encontra a antimatéria, elas são geralmente destruídas em um flash de pura energia - o suficiente para alimentar a nave Enterprise - o que significa que deveria haver algo que não conhecemos ainda, que fez com que isso parasse de acontecer quando o Universo nasceu.

As propriedades magnéticas dos antiprótons, as versões de antimatérias de prótons regulares, foram uma das últimas esperanças para encontrar um desequilíbrio entre os dois tipos de matéria. Mas depois de fazerem medidas mais precisas, os cientistas dizem que ainda não há discrepância.

Como a antimatéria não pode ser fisicamente contida, os investigadores utilizaram a armadilhas de Penning de partículas carregadas para segurar antiprótons a temperaturas extremamente baixas, embrulhados em campos magnéticos e eléctricos, prontos para serem medidos.

Ao longo do caminho, a equipe quebrou o recorde de armazenamento de antimatéria - 405 dias no total.

Uma armadilha de Penning usada para armazenar antiprótons. Creditos: Stefan Sellner, Fundamental Symmetries Laboratory, RIKEN, Japan

A força do campo magnético foi medida em até nove dígitos significativos, oferecendo 350 vezes mais precisão do que leituras anteriores, e ainda não foi encontrada nenhuma diferença entre antiprótons e prótons (ou antimatéria e matéria).

A medição de força magnética, para os interessados, foi -2.7928473441 magnetons nucleares, combinando o valor positivo do próton.

Para onde vamos daqui?

Existem níveis ainda maiores de precisão, dizem os cientistas do CERN. Tem que haver alguma razão pela qual todos nós estamos aqui vivendo e respirando.

Ou isso, ou estamos em uma simulação de computador enorme.

Experimentos futuros estão previstos para estudar as propriedades magnéticas de antiprótons em maior detalhe, e para investigar se a gravidade poderia ser a diferença entre matéria e antimatéria que todo mundo está tentando identificar.

Enquanto isso, talvez haja algum consolo no fato de que nós estamos aprendendo mais sobre o material que compõe o Universo, e medidas mais precisas estão em andamento.

"Ao atualizar o experimento com várias inovações técnicas, sentimos que alguma melhoria ainda poderia ser feita, e no futuro, após a atualização CERN, prevista para terminar em 2021, seremos capazes de alcançar uma melhoria de pelo menos dez vezes", disse Smorra.

Os resultados foram publicados na Nature.

Texto traduzido e adaptado de Science Alert

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter