Select Menu
» » » » » » Novo planeta potencialmente habitável foi descoberto apenas 11 anos-luz de nós
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Esta impressão artística mostra o planeta temperado Ross 128 b, com sua estrela anã vermelha no fundo. 

Muitas pessoas observam o céu à noite e se perguntam o que existe  lá fora. Será que essas estrelas abrigam planetas e, em caso afirmativo, estes planetas parecem com a nossa Terra? Poderia haver outros astrônomos, olhando para o céu assim como nós, nos perguntando o mesmo?


O novo campo exoplanetário que explodiu nos últimos 20 anos, está começando a responder a estas perguntas. Com milhares de planetas identificados em torno de outras estrelas, o campo foi além da descoberta para a compreensão estatística. Sabemos agora que pequenos planetas rochosos como a nossa Terra são comuns e que o tipo mais comum de estrela (anãs M) é um dos anfitriões mais prováveis para planetas. Estas estatísticas são evidentes na recente descoberta de Proxima b, um planeta que orbita o nosso vizinho estelar mais próximo, mas esse não é o único planeta em torno de uma estrela próxima.

A uma distância de 11 anos-luz, Ross 128 é 12º estrela mais próxima do Sol, como Proxima Centauri, e é uma estrela de classe M, com cerca de 16% em massa do Sol. Xavier Bonfils (Universidade de Grenoble-Alpes, França) e colegas mediram os movimentos da estrela, usando o espectrógrafo HighAccuracy Radial velocity Planet Searcher no La Silla Observatoryno Observatório Europeu do Sul, no Chile, mostrando que Ross 128 abriga um planeta. Os resultados foram publicados online e aparecerão na próxima edição da revista Astronomy & Astrophysics.

O mundo potencialmente rochoso orbita a sua estrela a cada 9,9 dias, com uma massa de pelo menos 1,3 vezes a da Terra, tornando-o o planeta do tamanho da Terra mais próximo dentro da zona habitável de sua estrela. Esta zona, definida como a região em que a água pode existir na forma líquida sobre a superfície do planeta rochoso, abraça sua estrela mais fortemente do que no sistema solar por causa da baixa luminosidade da estrela. Ross 128b está 20 vezes mais próximo de sua estrela do que a Terra está do Sol, mas recebe apenas 50% mais luz do que a Terra. Como Ross 128 é pequena em comparação ao Sol, sua luz seria muito mais vermelha do que luz solar.

Ross 128b é um exoplaneta emocionante porque, ao contrário de muitas estrelas de pequena massa, sua estrela hospedeira é relativamente bem-comportada. Nosso sol "tosse" partículas carregadas, resultando em erupções solares e tempestades que, no seu pico, podem prejudicar severamente equipamentos elétricos, como satélites GPS e redes de energia. A maioria das estrelas de pequena massa, por outro lado, são caldeirões em atividade. Elas desencadeiam erupções mais vezes e com mais energia - as chamas são tipicamente uma ordem de magnitude mais forte do que a do Sol. Este comportamento pode limitar severamente o desenvolvimento da vida em planetas dessas estrelas. No entanto, a atividade diminui com a idade da estrela, e felizmente para quaisquer potenciais habitantes de Ross 128b, a estrela é velha. Ela não queima tanto quanto as suas colegas mais jovens, como Proxima CentauriTRAPPIST-1.

Assim, mesmo que o nosso novo vizinho planetário pode ter um velho sol escuro e vermelho, é uma adição bem-vinda para o censo exoplaneta. Nos anos vindouros, será alvo de estudos atmosféricos, que são mais eficientes em torno de sistemas próximos. composição atmosférica, especificamente sinais de oxigênio, metano e água, pode ser apenas a arma fumegante que responde a essa grande pergunta: “Estamos sozinhos?”

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter