Select Menu
» » » » » » » Única 'Superlua' de 2017 ocorrerá neste domingo, 03 de dezembro
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Neste domingo (03), teremos a primeira e única 'Superlua' do ano de 2017.

Uma superlua acontece quando uma lua cheia coincide aproximadamente com o perigeu da Lua, ou um ponto em sua órbita na qual ela está mais próxima da Terra. Isso faz com que a lua apareça até 14 por cento maior e 30 por cento mais brilhante do que o habitual.

A lua ficará em seu perigeu às 00:45h (horário de Brasilia) na madrugada de 04 de dezembro, cerca de meia noite do dia 03 para os estados sem horário de verão. 

O que é uma Superlua?

Enquanto a distância média da Lua é 382.900 km da Terra, sua órbita não é perfeitamente circular, de modo a que distância varia de uma pequena quantidade. Quando atinge o apogeu, ou sua distância mais distante da Terra, em 19 de dezembro, será 406.603 km de distância. Essa é uma diferença de 48.110 km - mas a distância da Lua da Terra pode variar mais do que isso. 

O perigeu da Superlua de dezembro não será nem o mais próximo deste ano; Isso aconteceu em 25 de maio, quando a lua (nova) estava a 357.208 km de distância da Terra. A data não coincidiu com a lua cheia, então não se classificou como uma Superlua.

Superluas não acontecem todos os meses, porque a órbita da lua muda a orientação que a Terra gira em torno do Sol. Assim, o eixo longo da trajetória elíptica da Lua ao redor da Terra aponta em direções diferentes, o que significa que uma lua cheia (ou nova) não vai acontecer sempre no apogeu ou perigeu. 

A Lua cheia nasce por volta das 17:45h (horário do Norte-Nordeste), 18:45h (horário de verão de Brasília).  Ela está logo abaixo da constelação de Touro. Embora a lua esteja oficialmente cheia em 3 de dezembro, ela ainda aparecerá completa para o observador casual na madrugada seguinte até o nascer do Sol, no dia 4.

Superlua na tradição popular

De acordo com o almanaque do fazendeiro ancião, o nome da lua cheia em dezembro é "Super Lua Fria", devido ao clima frio em dezembro (pelo menos no Hemisfério Norte).

Isso também se reflete nos nomes de povos nativos da América do Norte. De acordo com o Projeto Ontario Native Alfabetization, o povo Ojibwe chamada a lua cheia de dezembro de "Mnidoons Giizis", o "Grande Espírito da Lua" ou "Lua Azul". Para os Ojibwe, a lua cheia marcava o 12º mês do calendário, e representava a chegada dos tempos da cura. O povo Haida do noroeste do Pacífico chamavam-na de "Lua da Neve", ou "Ta'aaw Kungaay." 

Entre os Hopi, cuja vida cerimonial girava em torno dos ciclos lunares e solares, a lunação, pouco antes do solstício de inverno era chamada de lua "Sparrow-Hawk", como observado por Janet Sharp, da Universidade Washburn, em seu estudo sobre os conceitos matemáticos e de ensino do povo Hopi.

 No hemisfério sul, dezembro é verão. Os Maori da Nova Zelândia descreveram os meses lunares de novembro a dezembro como Hakihea, ou "os pássaros estão agora sentados em seus ninhos", segundo a enciclopédia da Nova Zelândia.

Na China, o calendário lunar tradicional chama considera a lunação de dezembro como o início do décimo mês. Chamada de Yángyuè, ou mês de Yang, seu nome representa Yang ― o princípio positivo masculino, do Taoísmo familiar aos ocidentais como parte do Yin e do Yang.

Para os tupís-guaranis do Brasil, a lua cheia (jaxy guaxu), representava a época de caça, plantio e corte. Na transição entre a lua nova e lua cheia, os animais se tornam mais agitados devido ao aumento de luminosidade do satélite.

[Space]

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter