Adeus, Tiangong-1: Estação Espacial Chinesa cai no Oceano Pacífico Sul - Mistérios do Universo

Breaking

1 de abril de 2018

Adeus, Tiangong-1: Estação Espacial Chinesa cai no Oceano Pacífico Sul

.....
.....
Local de queda da Tiangong-1 é uma zona oceânica inabitável conhecida como "cemitério de lixo espacial".


O protótipo da estação espacial da China, cujo nome significa "Palácio Celestial 1", encontrou um ardente fim na atmosfera da Terra hoje (1 de abril), quebrando-se e se incinerando nos céus do Oceano Pacífico por volta das 21h16 (horário de Brasília), de acordo com o Comando de Comando Espacial da Força Conjunta do Comando Estratégico dos EUA (JFCC).

Algumas peças do Tiangong-1 do tamanho de um ônibus escolar quase certamente sobreviveram à queda, mas as chances de que eles causaram qualquer dano ou lesão são extremamente pequenas: você tinha menos de 1 trilhão de chances de ser atingido por uma queda do pedaço flamejante do palácio celestial, de acordo com especialistas da Aerospace Corporation. 

Mas, se você conseguir encontrar um pedaço tão grande de Tiangong-1, não toque ou respire os gases que emanam dele. O lixo espacial pode estar contaminado com a hidrazina, um combustível de foguete tóxico.

O Tiangong-1 tinha cerca de 10,4 metros de comprimento por 3,4 metros de largura, e pesava mais de 9 toneladas. O laboratório espacial consistia em duas partes principais: um "módulo experimental" que hospedava astronautas visitantes e um "módulo de recursos" que acomodava os sistemas de energia solar e de propulsão da Tiangong-1.

A nave foi lançada sem ninguém a bordo em 29 de setembro de 2011, a uma órbita de cerca de 217 milhas (350 quilômetros) acima da Terra. Isso é um pouco menor do que a órbita da maior Estação Espacial Internacional, cuja altitude média é de 250 milhas (400 km). A principal missão da Tiangong-1 era ajudar a China a dominar as tecnologias necessárias para montar e operar uma estação espacial na órbita da Terra, objetivo que a nação pretende atingir até o início dos anos 2020, disse o país.

Em 2 de novembro de 2011, a espaçonave robótica Shenzhou-8 visitou a Tiangong-1, executando o primeiro acoplamento orbital da China. Outro grande marco aconteceu em junho de 2012, quando uma tripulação de três membros do espaço ligou seu veículo Shenzhou-9 ao palácio celestial e subiu a bordo por um período.

Três outros "taikonautas", ou astronautas chineses, visitaram em junho de 2013, viajando na espaçonave Shenzhou-10. Cada uma dessas missões tripuladas durou cerca de duas semanas.
A vida útil do projeto da Tiangong-1 foi de apenas dois anos, e o trabalho do laboratório espacial foi feito principalmente depois que a Shenzhou-10 partiu. O laboratório espacial vazio continuou fazendo algum trabalho de observação da Terra, e pesquisadores e engenheiros mantiveram contato até março de 2016, quando a transmissão de dados entre a Tiangong-1 e seus manipuladores parou, por razões que a China nunca especificou explicitamente. Nesse ponto, uma reentrada atmosférica descontrolada era aparentemente inevitável.

Essa é a visão de pesquisadores externos. Mas as autoridades espaciais chinesas contestam essa terminologia, disse Dean Cheng, pesquisador sênior da The Heritage Foundation, especialista em programa espacial da China. 

"Os chineses insistem que isso é controlado", disse Cheng ao Space.com. "Eles são muito, muito infelizes quando usam este termo 'descontrolado'."

Autoridades chinesas dizem que sabem onde Tiangong-1 está e podem fornecer atualizações de localização a qualquer momento, acrescentou Cheng. Mas, para outras nações exploradoras do espaço, uma reentrada "controlada" é realizada sob a orientação dos manipuladores de uma espaçonave - por exemplo, a órbita intencional da estação espacial Soviética/Russa MIR, que também caiu sobre o Oceano Pacífico Sul, em março de 2001. 

"Devemos diplomaticamente, e no mundo da política espacial, forçar a China a aceitar uma definição de 'controle' comparável à do resto do mundo baseado em regras. Você não tem sua própria definição", disse Cheng. disse. "Para apoiar isso, é preciso haver algumas varas aqui", acrescentou ele, referindo-se às consequências.

Local de queda da Tiangong-1 no Pacífico Sul é conhecido como "cemitério de lixo espacial" onde já caíram a Estação russa Mir e outros objetos espaciais. 

A sucessora da Tiangong-1, Tiangong-2, foi lançada na órbita da Terra em setembro de 2016 e recebeu três taikonautas visitantes um mês depois. E uma nave robótico chamado Tianzhou-1 se encontrou com a Tiangong-2 alguns meses depois, realizando várias operações automatizadas de atracação e reabastecimento de abril a setembro de 2017.

O sucesso dessas missões aparentemente fez com que a China ficasse pronta para começar a construir uma estação espacial permanente. A nação pretende iniciar as operações de construção e montagem no próximo ano, e as primeiras missões tripuladas para o posto avançado poderão ocorrer em 2022, disseram as autoridades do espaço chinês.

Tiangong-1 não é a maior espaçonave a cair do céu. Essa distinção vai para a estação espacial Soviética/Russa MIR, de 140 toneladas, que foi destruída durante uma queda controlada sobre o Oceano Pacífico em março de 2001.

A maior nave que já caiu na Terra, pelo menos parcialmente, foi o ônibus espacial Columbia, da NASA, com capacidade para 100 toneladas, que se desfez ao retornar à Terra em 1º de fevereiro de 2003, matando todos os sete astronautas a bordo. Uma investigação posterior determinou a causa do desastre em um pedaço de espuma do tanque de combustível externo da Columbia, que quebrou e perfurou um buraco no escudo térmico na asa esquerda do veículo durante o lançamento, duas semanas antes da tragédia.
............

Nenhum comentário: