Select Menu

Slider

Como o Universo pode ter surgido do nada? Um brinde a Einstein: Ondas gravitacionais foram detectadas pela primeira vez
Aperte o play: NASA faz upload das gravações do Quando os buracos negros se encontram - dentro dos cataclismos que causam ondas gravitacionais NASA descobre um planeta maior e mais velho que a Terra em zona habitável
Tecnologia do Blogger.

Mais Lidos da Semana

Formulir Kontak

Nome

E-mail *

Mensagem *

Teste Menu 1

_______________

_______________
_______________
Quando os cientistas finalmente detectaram a existência de ondas gravitacionais no ano passado, não foi apenas um marco confirmando que Einstein estava certo o tempo todo.


Este sinal abrangendo o cosmos foi rastreado até a antiga fusão de dois buracos negros cerca de 1,3 bilhões de anos atrás. Esqueça mundos colidindo - esta fusão era inimaginavelmente mais intensa e poderosa - e o fato de ter acontecido isto significa que podemos ter negligenciado algo enorme. 



"Fundamentalmente, a detecção de ondas gravitacionais foi algo grande, que confirmou a previsão chave da teoria geral da relatividade de Einstein", disse o astrofísico James Bullock, da Universidade da Califórnia, em Irvine.

"Mas então nós olhamos mais de perto dos resultados astrofísicos reais, uma fusão de dois buracos negros de 30 massas solares. Isso foi simplesmente surpreendente e nos fez perguntar: 'o quão comuns são buracos negros desse tamanho, e quantas vezes eles fundem' "

Durante 18 meses após a descoberta histórica do LIGO, a equipe de Bullock desenvolveu cálculos teóricos sobre o que sabemos sobre galáxias e estrelas - e os buracos negros inextinguíveis que se formam em seu rastro.

Fazendo uma espécie de 'inventário cósmico' usando a matemática, os investigadores acreditam que subestimaram a quantidade desses vazios escuros que estão lá fora, à espreita no espaço - e dizem que existem, provavelmente, dezenas de milhões deles ao longo da Via Láctea, talvez ainda mais.

"Achamos que existem algo como 100 milhões de buracos negros em nossa galáxia", diz Bullock.


buracos negros estelares remanescentes nascem quando estrelas massivas colapsam em si mesmos, quando ficam sem combustível no fim de suas vidas.

Os cientistas pensam que a maioria desses tipos de buracos negros têm massas aproximadamente comparáveis ao nosso Sol, mas os buracos negros épicos por trás da descoberta de ondas gravitacionais do LIGO se formaram de estrelas mais massivas que o Sol.

A diferença pode ser explicada pela forma com que esses objetos ricos em metais estavam em suas antigas vidas como estrelas. estrelas ricas em metais como o Sol derramam uma grande quantidade de elementos pesados, produzindo um buraco negro de menor massa quando sua luz se apaga.

Em contraste, as estrelas com menos elementos pesados ​​liberam menos da sua massa durante suas vidas e, em última análise, produzem um buraco negro com uma massa maior.

Ao calcular o que sabemos sobre a existência e distribuição de tais estrelas em toda a galáxia, a equipe foi capaz de inferir um espectro da população de buracos negros na Via Láctea - incluindo o tipo de buraco negro binário que originou as ondas gravitacionais.

"Nós temos um entendimento muito bom da população total de estrelas no Universo e sua distribuição em massa quando elas nascem, por isso podemos dizer quantos buracos negros devem ter se formado com 100 massas solares versus 10 massas solares", Bullock explica.

"Fomos capazes de trabalhar em cima da existência de grandes buracos negros, o que nos levou a um número na casa dos milhões - muito mais do que eu esperava".

Especificamente, dos 100 milhões de buracos negros que a equipe estimou, cerca de 10 milhões deles podem ter 50 vezes a massa do Sol!

Dado o número elevado que estamos falando aqui, os pesquisadores dizem que as fusões são um fenômeno que devemos esperar para ver mais.

"Agora, nós sabemos que estas fusões de buracos negros estão ocorrendo em algumas faixas amplas do céu, mas não com muita precisão", disse Bullock Brian Whitehead em The Orange Country Register.

"Há esperanças de que sejamos capazes de triangular suas posições no céu (e) começam a descobrir em qual galáxia eles estão se fundindo."

Entretanto, os pesquisadores dizem que não há necessidade de se preocupar - mesmo que suas descobertas signifiquem
 que o céu noturno detém buracos mais invisíveis e vorazes do que nunca compreendeu verdadeiramente.


"Não é que agora precisamos de um seguro contra buracos negros, mas a probabilidade de ser sugado por um buraco negro está maior do que estávamos antes", disse Bullock .

"É simplesmente incrível que o universo foi criado a partir de coisas como esta."

As conclusões são relatadas na Monthly Notices da Royal Astronomical Society.


Traduzido e adaptado de Science Alert
- -
Estrela gigante próxima do centro da nossa galáxia sugere, mais uma vez, que Albert Einstein estava correto sobre sua teoria da gravidade.

Esta ilustração artística mostra as órbitas de três estrelas, incluindo a estrela gigante S2, em torno do buraco negro supermassivo no centro da nossa Via Láctea. Os cientistas dizem que as órbitas das estrelas podem mostrar efeitos previstos pela teoria da relatividade geral de Einstein.
Credit: ESO/M. Parsa/L. Calçada

Um grupo de astrônomos na Alemanha e na República Checa observaram três estrelas em um aglomerado próximo do buraco negro supermassivo no centro da galáxia Via Láctea. Usando dados do Very Large Telescope no Chile, entre outros, os pesquisadores acompanharam como as estrelas se mudam, a medida que viajam ao redor do buraco negro monstruoso.

Uma das estrelas, chamada de S2, mostrou pequenos desvios em sua órbita que podem indicar efeitos relativísticos, disseram os cientistas. Se as observações são confirmadas, então isso mostra que a teoria da relatividade geral de Einstein mantém-se mesmo sob condições extremas - em campos gravitacionais produzidos por objetos como o buraco negro do centro da galáxia, que contém a massa de 4 milhões de sóis. A relatividade geral diz que objetos massivos dobram o espaço à sua volta, fazendo com que outros objetos se movem em direção à geodésica formada pela curvatura do espaço tempo.













A posição do buraco negro supermassivo no centro da nossa Via Láctea, assim como a estrela gigante S2, são mostradas (no detalhe) nesta imagem infravermelha próxima do Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul. A posição do buraco negro é marcada com uma cruz laranja. Crédito: ESO / MPE / S. Gillessen et al.


A maioria dos testes da relatividade é feito com o nosso Sol e as estrelas, então eles estão no limite de 1 massa solares ou algumas massas solares," disse Andreas Eckart, um professor de física experimental na Universidade de Colônia, na Alemanha, que liderou a equipe de pesquisa, ao Space.com. "Ou com o [Interferometer Gravitational-Wave Observatory Laser] recentemente, isso é cerca de 10 vezes a massa do Sol." 

As estrelas usadas nas observações são tão próximas do buraco negro que elas se movem a 1 ou 2 por cento da velocidade da luz, disse kart, e eles se aproximam para dentro de apenas cerca de 100 vezes a distância Terra-Sol do próprio buraco negro, que está, pelos padrões galácticos, muito próximo, disse ele. (Para fins de comparação, Putão está cerca de 39 vezes a distância da Terra a partir do Sol, que é de cerca de 93 milhões de milhas ou 150 milhões de quilômetros).

Usando corpos que orbitam para mostrar os efeitos relativísticos não é novidade; observações do planeta Mercúrio no século 19 mostraram que seus movimentos desviaram muito mais do que a teoria da gravidade de Isaac Newton previa. Os astrônomos pensavam que tinham a evidência de outro planeta, que eles batizaram de Vulcano. Einstein foi capaz de mostrar em 1915 que a relatividade poderia explicar o desvio.

Os movimentos de Mercúrio provaram que Einstein estava correto, mas a gravidade do Sol é fraca em comparação com a de um buraco negro supermassivo. É por isso que Eckart e sua equipe decidiram testar a teoria de Einstein em um ambiente mais extremo. Enquanto a lente gravitacional, a curvatura da luz por objetos maciços, mostra que objetos massivos curvam o espaço, a pesquisa recente é a primeira que tomou medidas precisas de qualquer objeto que orbita tão próximo de um buraco negro.

A medida em si não é tão precisa quanto poderia ser, disse Eckart. O trabalho futuro vai obter uma melhor leitura sobre a posição das estrelas e diminuir o resultado. Ele disse que o plano é obter melhores medições espectrográficas, que revelariam o movimento de S2 com mais precisão.

Traduzido e adaptado de Space

- - - - - -
Pico da chuva de meteoros mais popular do ano ocorrerá na madrugada deste sábado, 12 de agosto.


O pico da chuva de meteoros Perseidas está chegando em poucos dias! De acordo com o especialista em meteoros Bill Cooke, da NASA, as Perseidas são, talvez, a chuva de meteoros mais popular do ano. As taxas típicas são de cerca de 80 meteoritos por hora, mas em anos de irrupção (como em 2016), a taxa pode ser entre 150-200 meteoros por hora. Pico real da chuva de meteoros é de cerca de 2:00h da madrugada de 12 de agosto, o que significa que a noite antes (sexta a noite) e a noite após (sábado a noite) terão boas taxas de meteoros, segundo Cooke. 

Em 2017, as Perseidas serão um pouco mais difícil de ver devido à presença da Lua, que estará três quartos completa e irá subir um pouco antes da chuva atingir seu pico por volta de meia noite. 

"As taxas serão cerca de metade do que seria normalmente, por causa do luar", disse Cooke ao Space.com. "Em vez de 80 a 100, [haverá] 40 a 50 por hora. E isso é apenas devido o brilho da Lua ofuscar os meteoros mais fracos."

"Mas a boa notícia é que as Perseidas são ricas em bolas de fogo (bólidos), e, neste caso, a Lua não tem influência sobre eles", acrescentou Cooke.

Localização da radiante da chuva de meteoros (em amarelo). A radiante é o local que os meteoros parecem surgir no céu, nesse caso, da constelação de Perseu, que fica na direção cardeal nordeste. 

Quando podemos ver as Perseidas?

A Terra vai passar através do caminho do cometa Swift-Tuttle de 17 julho - 24 agosto, com pico da chuva de meteoros - quando a Terra passar através dos detritos do cometa, na área mais densa - que ocorre em 12 de agosto. Isso significa que você verá a maioria dos meteoros em a menor quantidade de tempo próximo do pico, mas você ainda pode pegar alguma ação da famosa chuva de meteoros antes ou depois desse ponto.


Chuva de meteoros Perseidas 2015, registrada por Marcelo Zurita, membro da  BRAMON (Brazilian Meteor Observation Network - Rede Brasileira de Observação de Meteoritos).

A lua estará três quartos cheia durante o pico. A partir da meia noite, sua luz vai interferir e irá tornar mais difícil de ver os meteoros.

Você pode ver a chuva de meteoros Perseidas melhor no Hemisfério Norte e nas latitudes meio-sul, e tudo que você precisa é de um local escuro, longe das luzes da cidade, algum lugar confortável para sentar e um pouco de paciência.

Qual é a origem das Perseidas?

O cometa Swift-Tuttle é o maior objeto conhecido que passa repetidamente pela Terra; seu núcleo é de cerca de 16 milhas (26 quilômetros) de largura. Ele passou pela Terra na última vez durante sua órbita em torno do Sol em 1992, e a próxima vez será em 2126. Mas não será esquecido, entretanto, porque a Terra passa através da poeira e detritos que ele deixa para trás a cada ano, criando a chuva anual de meteoros Perseidas.

Quando você estiver assistindo a chuva de meteoros, você estará vendo realmente os pedaços de detritos do cometa aquecendo na entrada na atmosfera e queimando-se em uma explosão de luz brilhante, riscando um caminho vívido pelo céu enquanto viajam a 37 milhas (59 km) por segundo. Quando eles estão no espaço, os pedaços de detritos são chamados de "meteoroides", mas quando atingem a atmosfera da Terra formando um brilho, eles são designados como "meteoros". Se um pedaço cruza a atmosfera sem queimar-se, ele são chamados de "meteoritos". A maioria dos meteoros das Perseidas são pequenos demais para isso; eles tem aproximadamente do tamanho de um grão de areia .

O que você precisa para vê-los?

A chave para ver uma chuva de meteoros é "tomar o máximo de céu possível", disse Cooke. Ir para uma área escura, nos subúrbios ou no campo, e se preparar para se sentar ou deitar por algumas horas. Leva cerca de 30 minutos para os seus olhos se ajustarem à escuridão, e quanto mais tempo você esperar, mais meteoros você vai ver. Uma alíquota de 150 meteoros por hora, por exemplo, significa dois a três meteoritos por minuto, incluindo estrias leves, juntamente com os brilhantes geradores de bola de fogo.

Portanto, para assistir as Perseidas, procure um lugar escuro, longe da cidade grande, um lugar confortável, leve alguns lanches e não leve nada de luzes de celular, tablet ou computador. Depois, é só relaxar e olhar para cima, na direção da constelação de Perseu.

Transmissão ao vivo

O canal Monitorando o Céu através de estações da Bramon vai realizar uma transmissão ao vivo das Perseidas na madrugada do dia 13, a transmissão terá o início às 3:30 da madrugada e se estenderá até o amanhecer, de preferência se o tempo estiver bom em seu local sai observar esse belo evento astronômico, caso esteja nublado ou não queira sair observar venha acompanhar conosco.



Bons céus a todos!

[Space][Bramon/Monitorando os céus]
- - -
A resposta da agência espacial foi incrível!

Quando a NASA postou seu artigo "Proteção Planetária Oficial", a agência espacial estava pescando candidatos com graus avançados e experiência de trabalho em missões interplanetárias.

O que ele não esperava, no entanto, era uma carta sincera de um garoto de nove anos de idade, Jack Davis da a quarta série que escreveu a agência espacial perguntando se ele poderia o colocar como "protetor oficial" do planeta.

A nova vaga, que o Business Insider divulgou pela primeira vez em uma história na terça-feira, paga até U$ 187.000 e é destinada apenas a uma pessoal que trabalhe em tempo integral como um protetor planetário oficial da NASA - um documento estabelecido em 1967.

O documento não é apenas responsável por proteger mundos alienígenas como Europa (um mundo gelado com um esconderijo oceânico, uma lua de Júpiter potencialmente habitável) de germes humanos enviados por naves daqui da Terra, mas também defender a Terra de contaminação por micróbios alienígenas.

Mas, apaixonado pelas possibilidades, Davis - um auto-descrito "Guardião da Galáxia" - teve a coragem de escrever uma carta à NASA nesta quinta-feira.



O texto completo da carta de Davis, que a NASA postou em um comunicado de imprensa na sexta-feira , lê-se:

"Cara NASA,
Meu nome é Jack Davis e eu gostaria de se candidatar-se para o trabalho oficial de proteção planetária. Eu posso ter nove, mas eu acho que vou estar apto para o trabalho. Uma das razões é que a minha irmã diz que eu sou um alienígena.
Além disso, tenho visto quase todos os filmes espaciais e filmes alienígenas que eu posso ver. Também já vi o show da Marvel Agentes da SHIELD e estou na espera de ver os Homens de Preto no cinema. Eu sou muito bom em vidieo [sic] games. Eu sou jovem, então eu posso aprender a pensar como um alienígena.
Atenciosamente, 

Jack Davis
Guardião da Galáxia-
Quarto ano"


A agência espacial poderia facilmente ter ignorado a carta com uma risada, mas o diretor de ciências planetárias Jim Green decidiu escrever, assinar e enviar uma nota de volta para Davis.



O texto completo lê-se: 

"Querido Jack, 
Ouvi dizer que você é um 'Guardião do Galaxy' e que você está interessado em ser um Protetor Planetário Oficial da NASA. Isso é ótimo!
Nossa posição no Planetary Protection Officer é muito legal e é um trabalho muito importante. Trata-se de proteger a Terra de minúsculos micróbios quando nós trazemos de volta amostras da Lua, asteroides ou de Marte. É também sobre a proteção de outros planetas e luas dos nossos germes quando exploramos o Sistema Solar.
Estamos sempre à procura de brilhantes cientistas e engenheiros para nos ajudar no futuro, então eu espero que você estude muito e mande bem na escola. Nós esperamos vê-lo aqui na NASA um dia desses!
Atenciosamente, 
Dr. James L.
Green Diretor da divisão de ciências planetárias"
A agência espacial não parou por aí, no entanto.


Jonathan Rall - diretor de pesquisa planetária da NASA - também telefonou para Davis "para felicitá-lo por seu interesse na candidatura", disse a NASA.



"Embora a posição de Protetor Planetário Oficial possa não ser na vida real o que o título evoca, ele não desempenha um papel importante na promoção da exploração responsável de nosso sistema solar, impedindo a contaminação microbiana dos outros planetas e a nossa própria", acrescentou a NASA.


NASA está aceitando candidaturas em USAJobs.gov  de 13 de julho até 14 de agosto.

Traduzido e adaptado de Science Alert
- -
Opções on-line para os fãs de astronomia observarem o eclipse solar total (parcial no Brasil)



São magníficos 2 minutos e 40 segundos durante o ápice de um dos mais aguardados e testemunhados eclipses, o Grande Eclipse Solar do dia 21 de agosto. Às 10:15 horário do Pacífico, 16:15, horário de Brasília, o Grande Eclipse começará. O primeiro eclipse solar total na história única para os Estados Unidos, ele entra no país próximo de Depoe Bay, Oregon, e, às 14:49 Eastern Daylight Time, sai fora McClellanville, South Carolina. O melhor lugar para assistir, é claro, está dentro da faixa de totalidade. Mas para aqueles que não vivem em - ou não pode chegar a - um dos 12 estados do eclipse cruzará, ou moram em outros países, como é o caso do Brasil, há sempre a internet para quebrar um galho.



Graças a NASA, cientistas cidadãos e divulgadores científicos, você terá opções para assistir o eclipse solar total online. Aqui está um rápida olhada de links onde você poderá assistir o eclipse:


1) nasa.gov 

NASA.gov/eclipselive irá transmitir 10 webcasts ao vivo, cada um com um ângulo diferente: você poderá ver o eclipse a partir da Estação Espacial Internacional. Teremos a chance de observar o eclipse de pontos em terra, a partir de  Hopkinsville, Kentucky, um dos locais de melhor visualização e assistir ao eclipse quase do espaço: voluntários do Space Grant Consortium da NASA estão lançando 57 balões de alta altitude em todo o país, cada um com sua própria câmera Raspberry Pi. 

A NASA espera de 100 a 500 milhões de visualizações ao vivo, assim como um backup, você também pode assistir um webcast aqui: eclipse.stream.live

Você também poderá acompanhar o eclipse através de uma compilação de streams ao vivo no site eclipse2017.nasa.gov/

2) Mídias sociais 

200 milhões de americanos vivem dentro de um dia de carro de totalidade, de modo que o Grande Eclipse americano. Mas o mundo inteiro vive a um clique do Twitter, Instagram e Facebook e certamente teremos muitas transmissões ao vivo e postagens de vídeos nas redes sociais. A hashtag oficial é #eclipse2017. Assim que o evento acabar, o Eclipse Megamovie irá compilar todos os vídeos de smartphones em um vídeo contínuo mostrando o eclipse solar do início ao fim. Você poderá conferir o vídeo aqui: https://eclipsemega.movie 

4) Astronomy.com

O site Astronomy.com irá transmitir ao vivo o Eclipse a partir de Denver, Colorado, a partir do seu próprio webcast 4K.

5) Páginas e Sites Brasileiros 

Algumas páginas e sites de divulgação aqui no Brasil farão transmissões ao vivo do eclipse, que acontecerá parcialmente no país. No decorrer do dia 21, postaremos links ao vivo do eclipse na nossa página. 
- - -
Os cosmólogos produziram o maior e mais detalhado mapa já feito da estrutura do Universo. Eles acreditam que o cosmos é menos irregular e com uma quantidade de energia escura menor do que as pesquisas anteriores sugeriram.

Foto de Reidar Hahn, Fermilab

Os novos resultados, que fazem parte da pesquisa Dark Energy Survey  (DES), mapeou a distribuição da matéria em parte através da medição da forma com que a luz se curva na presença de massa, um efeito conhecido como lente gravitacional. O Universo era extremamente suave, com a matéria uniformemente distribuída em sua infância, quase 14 bilhões de anos atrás, mas a massa se aglomerou em galáxias, nuvens de gás e outras estruturas desde então. Dados divulgados pela equipe do DES em 3 de agosto sugerem que a aglomeração tem acontecido mais lentamente do que o indicado pelas estimativas anteriores, que foram baseadas em fotos do Universo bebê feitas através da medição da radiação cósmica de fundo, o brilho do Big Bang.

A diferença nos resultados produzidos pelas duas técnicas ainda estão dentro das margens de erro em ambos os conjuntos de medidas, disseram os líderes da pesquisa. Uma pesquisa menor de lentes gravitacionais, o Kilo Degree Survey (KIDS) também encontrou uma discrepância semelhante no ano passado.

De qualquer forma, os resultados mostram que a DES está agora a atingindo níveis de precisão que a torna competitiva com o levantamento da radiação cósmica de fundo do satélite Planck da Agência Espacial Europeia, um dos mais importantes da cosmologia obervacional - disse o líder do estudo Joshua Frieman, um cosmólogo do Fermi National Accelerator Laboratory, em Batavia, Illinois. “Acreditamos que, com estes resultados, já não somos o 'primo pobre'” de outros esforços, diz ele. “Agora temos resultado que têm poder comparável para restringir dados cosmológicos.”

Este mapa da matéria escura é feito a partir de medidas de lente gravitacional de 26 milhões de galáxias no Dark Energy Survey. O mapa cobre cerca de 1/30 de todo o céu e abrange vários bilhões de anos-luz de extensão. As regiões vermelhas têm mais matéria escura do que a média e nas regiões azuis menos matéria escura. Chihway Chang of the Kavli Institute for Cosmological Physics at the University of Chicago and the DES collaboration.

DES, uma colaboração de mais de 400 pesquisadores, emprega a ainda jovem técnica de lentes gravitacionais fracas usando o telescópio Blanco 4 metros, parte do Observatório de Cerro Tololo, no Chile. De acordo com a teoria geral da relatividade de Albert Einstein, a massa distorce o espaço, de modo que uma grande quantidade de matéria no primeiro plano de uma galáxia pode dobrar a sua luz de uma maneira que faz com que pareça um pouco esmagada. Isto é verdade se a massa de primeiro plano for feita de matéria escura invisível ou matéria comum. Galáxias muitas vezes podem parecer oblongas por outras razões, incluindo as suas formas reais e orientação; mas se muitas galáxias em uma certa região do céu aparecem, em média, sendo desviadas ao longo da mesma direção, a lente gravitacional é a provável culpada.

O mais recente estudo foi baseado no primeiro ano de recolhimento de dados, na qual o DES mapeou 26 milhões de galáxias no céu do sul e mediu suas formas aparentes. A equipe então calculou o montante de lente gravitacional em cada parte do céu para reconstruir a densidade da matéria. Os resultados confirmam o que se tornou o 'modelo padrão' da cosmologia, em que a matéria comum constitui apenas 4% do conteúdo do universo. Mas os pesquisadores encontraram uma quantidade ligeiramente menor de matéria escura - cerca de 26% - do que os dados do Planck de 29%, sendo o restante ocupado por 'energia escura', o material que se acredita-se estar empurrando o cosmos distante a uma velocidade acelerada.

Galáxias e matéria escura não estão distribuídas uniformemente através do Universo, em vez disso tem-se concentrado, sob a força da gravidade, em uma estrutura semelhante à uma rede aglomerados e filamentos, com enormes vazios entre eles. O nível de concentração medido pelo DES é 7% menor do que o modelo padrão da cosmologia prevê, com base em dados do Planck do Universo primordial.

Se confirmada, essa lacuna pode significar que a massa foi aglomerada em um ritmo menor do que o previsto, potencialmente revelando uma nova física. Por exemplo, ele poderia apontar para interações inesperadas entre a matéria escura e energia escura, ou a novos tipos de neutrinos.

A discrepância entre o modelo cosmológico padrão e as medidas de aglomeração mais recentes não é estatisticamente grande, em um desvio padrão, embora o levantamento KIDS no ano passado tenha descoberto que os dois valores tem três desvios padrão de distância.

Os resultados do DES, que ainda não foram revistos por pares, foram apresentados numa reunião da Sociedade Americana de Física do Fermilab em 3 de Agosto, e os autores  colocaram uma bateria de 10 artigos on-line.

Os astrônomos descobriram que a expansão cósmica atual é mais rápida do que seria previsto com base em dados de Planck. George Efstathiou, diretor do Instituto Kavli de Cosmologia em Cambridge, Reino Unido, e um membro de ambas as colaborações Planck e DES, diz que a discrepância encontrada por DES é preocupante - e potencialmente mais preocupante do que a relativa à expansão cósmica.

Mas o cosmólogo Anthony Tyson, um pioneiro da lente gravitacional fraca na Universidade da Califórnia, em Davis, diz que espera que quando o DES acumular mais dados, as suas conclusões irão se aproximar do Planck. “Eu acredito que eles têm sido muito cuidadosos e conservadores em suas interpretações", diz ele sobre a pesquisa.

No geral, os pesquisadores estão animado para ter uma ferramenta adicional para sondar o cosmos em detalhes cada vez maiores. “Meu ponto de vista de todas estas medidas é que elas são testes deslumbrantes sobre o modelo cosmológico, e a precisão e exatidão só mantêm-se melhor”, disse o astrônomo Wendy Freedman, da Universidade de Chicago.


O último mapa é baseado na primeira rodada de observação do DES, que começou em 2013, e que abrange cerca de um trigésimo do céu, três vezes maior do que  um mapa preliminar do levantamento lançado em 2015. A pesquisa final, que irá concluir-se em 2018, irá abranger um décimo do céu; os resultados podem aparecer em 2020, disse Frieman. Finalmente, o objetivo do DES é mapear uma região grande o suficiente para ver como a influência da energia escura tem evoluído ao longo da história recente do Universo.

Symmetry Magazine
- - -
"O que começou o Big Bang?" - Pippi, 8 anos, Canberra.


"Esta é uma das duas perguntas que muitas crianças me fazem (a outra é: existem aliens?)", disse Steven Tingay, Professor de Radio Astronomia da Universidade Curtin. "Ambas são ótimas perguntas! Pippi, a resposta curta é que não sabemos o que começou o Big Bang. Este é um grande mistério."

O Big Bang é uma ideia sobre a história do Universo, a história do espaço e do tempo e da matéria ("coisas") e energia. O Universo tem cerca de 13,8 bilhões de anos e a partir de observações que fazemos usando telescópios, podemos dizer que o Universo era muito pequeno 13,8 bilhões de anos atrás.

Observações também sugerem que na primeira fração de segundo, o Universo parecia se expandir muito rapidamente, mas, em seguida, desacelerou. Depois de algumas centenas de milhares anos, o tipo mais simples de átomo foi formado: o hidrogênio. O hidrogênio começou a formar estrelas e galáxias.

Depois de milhares de milhões de anos, a Terra (e nós) fomos formados a partir dos átomos feitos dentro das estrelas - cada átomo em seu corpo, com exceção do hidrogênio, foi feito por uma estrela em algum momento nos últimos 13,8 bilhões de anos. Em todo esse tempo, o Universo continuou a se expandir. De fato, as observações agora dizem-nos que a expansão do universo está ficando mais rápida.

A ideia do Big Bang concorda com todas estas observações. Assim, os cientistas acham que o Big Bang é uma ideia que faz um bom trabalho de descrever a história do Universo.



Assista o vídeo, ativando as legendas em português.


No entanto, a ideia não é perfeita. Não sabemos por que o Universo se expandiu tão rapidamente no primeiro segundo e depois abrandou-se. Não sabemos por que a expansão do universo está acelerando agora. Nós não sabemos por que temos um certo número de forças que controlam o Universo. E nós não sabemos o que começou o Big Bang!

Telescópios muito grandes, como a matriz Murchison Widefield podem fazer observações que nos ajudariam a entender como o Universo evoluiu.

Levou centenas de anos para construir a ideia do Big Bang, e pode levar um longo tempo para melhorá-la ou encontrar uma ideia melhor. Os cientistas têm muitas idéias sobre como o Big Bang começou. Mas essas idéias devem concordar com as nossas observações do Universo.

O futuro é muito emocionante para qualquer um que quer ajudar a descobrir isso. A tecnologia avançada que temos nos possibilita construir máquinas que esmagam partículas (minúsculos pedacinhos de coisas ainda menores do que um átomo) em conjunto para mostrar o que aconteceu logo após o Big Bang. Podemos agora construir novos e poderosos telescópios para observar as estrelas e galáxias no Universo em muitos detalhes. Vamos usar estas máquinas e telescópios para ver quais ideias sobre o Big Bang estão corretas e quais estão erradas.

"Às vezes, novas ideias levam muitos anos para serem trabalhadas. Às vezes, novas idéias surgem na cabeça das pessoas muito rapidamente. É muito emocionante ter uma nova ideia sobre o Universo. Vamos precisar de muitas pessoas que são boas em quebra-cabeças para nos ajudar", disse Steven.

Este é um artigo do Curious Kids, uma série científica do The Conversation, voltada para crianças, traduzido e adaptado originalmente do site Space.
- - -
Para alguns astrônomos amadores, o próximo eclipse solar total em 21 de agosto, que será parcial em algumas partes do Brasil, é mais do que apenas uma chance de ter uma visão rara do fenômeno, particularmente para os que moram nos Estados Unidos. É também uma oportunidade para duplicar um dos experimentos mais famosos do século 20, no qual o astrofísico Arthur Eddington realizou em uma tentativa de provar que a luz poderia ser dobrada pela força da gravidade, um princípio central da teoria da teoria geral de Albert Einstein.

Astrônomo amador Don Bruns está entre aqueles que desejam voltar a fazer o experimento. "Eu pensei nisso há dois anos. Eu pensei, e certamente, outras pessoas fizeram o mesmo", disse ele á Live Science. "Mas ninguém tinha feito isso desde 1973", disse Bruns, se referindo ao experimento feito por uma equipe da Universidade do Texas no eclipse solar em 30 de junho daquele ano, ocorrido na Mauritânia. 

O grupo teve problemas técnicos e não pôde confirmar os resultados de Eddington com muita precisão. Outras tentativas - tais como as do eclipse em 25 de fevereiro de 1952, em Cartum feitas pela Sociedade National Geographic - se saíram um pouco melhor. 

Em 1915, Einstein publicou sua teoria da relatividade geral, que afirma que a luz dobra em torno de objetos maciços porque o espaço em si torna-se curvo em torno de tais objetos. Uma oportunidade para testar a teoria veio alguns anos mais tarde, quando um eclipse solar total obscureceu o céu em 29 maio de 1919.

Para o eclipse de 1919, Eddington liderou uma expedição para medir a deflexão da luz de estrelas perto do sol no céu. Observando do Brasil e da África, simultaneamente, Eddington e seus colegas observaram que a posição das estrelas próximas  ao disco solar desviaram por uma pequena quantidade de suas posições catalogadas normalmente, concordando com os 1,75 segundos de arco previstos (ou 0,00049 graus). O anúncio de que o experimento foi um sucesso fez Einstein famoso.

Mas análises posteriores de dados de Eddington pareciam sugerir que a confirmação do astrofísico não pode ter sido o "gol de placa" que ele pensou que era. Bruns disse que o debate em torno dos dados de Eddington é por que ele quer fazer a experiência novamente.

"Dentre todas estas experiências, a melhor que consegui foi talvez com 10 por cento de erro", disse ele. "Eu acho que posso conseguir 2 por cento." A instrumentação moderna, bem como medições mais precisas das posições das estrelas, deve ajudar a refinar as medidas necessárias para replicar a experiência de Eddington, desta vez, ele acrescentou.

Bruns está escolhendo um local de alta altitude em Wyoming, onde o céu é mais claro para observar o eclipse. E para certificar-se que seu telescópio seja tão preciso quanto possível, ele pretende estabilizar a montagem de seu telescópio através do estabelecimento de uma laje de concreto no dia anterior. "Nós colocamos um pouco de cimento de secagem rápida", disse ele. A laje também irá ajudar a garantir que sua montagem está absolutamente nivelada.

E Bruns não está sozinho. Richard Berry, o ex-editor-chefe da Astronomy Magazine, estará usando seu observatório construído em casa (conhecido como Alpaca Meadows Observatory) para replicar a experiência de Eddington de Lyons, Oregon. 

"Estou trabalhando em coordenação com Toby Dittrich do Portland Community College e um grupo de quatro estudantes de física", disse ele ao LiveScience em um email. "Toby estará na costa do Oregon, e um dos estudantes estará na parte oriental, na Star Party Oregon. Uma vez que eu moro na linha central [o caminho da totalidade], precisarei apenas de um ou dois dos estudantes e tomarei imagens para o experimento."

Berry tomou imagens espectrográficas da coroa solar antes, mas esta experiência é mais difícil, porque envolve tomar uma imagem do campo de estrelas no qual Sol está localizado e outra quando o Sol não está lá, o que exige uma medição muito precisa das posições estelares quando o Sol estiver lá durante o eclipse. 

Há também um elemento de divulgação para replicar a experiência, disse Rachel Freed, uma consultora científica na Universidade Estadual de Sonoma em Rohnert Park, Califórnia. "Tem havido um movimento maciço para aumentar a conscientização", disse ela, à luz do eclipse de Agosto, sendo visível através dos Estados Unidos. O departamento de Educação e Sensibilização do Público de Sonoma State tem um site que descreve como os astrônomos amadores podem participar no evento, e quais equipamentos eles devem usar para ver o eclipse.

Bradley Schaefer, professor de astronomia na Universidade Estadual de Louisiana, em Baton Rouge, detalhou o equipamento que os astrônomos amadores vão precisar fazer uma versão moderna da experiência de Eddington. No site da Schaefer, ele diz que é possível que os astrônomos amadores modernos usem o equipamento off-the-shelf e terem uma precisão muito melhor do que Eddington teve há quase um século atrás. De acordo com o site, seu objetivo é fazer com que muitas pessoas estejam envolvidas, porque mais medições significa melhor precisão e exatidão. Nesse sentido, os astrônomos amadores poderiam fazer algumas contribuições reais para a ciência durante o próximo eclipse solar.

Para os que não residem nos EUA,  ainda vale a pena observar o eclipse, mesmo sem qualquer equipamento. 

LEMBRE-SE: Olhando diretamente para o Sol, mesmo quando ele estiver parcialmente coberto pela lua, pode causar sérios danos aos olhos ou cegueira. NUNCA olhe para um eclipse solar parcial, sem a proteção adequada para os olhos. Aqui você pode ver algumas dicas de observação segura do eclipse.

Saiba mais sobre o eclipse parcial de 21 de agosto de 2017.
- - - -
Para Craig Kletzing, professor de física da Universidade de Iowa, as gravações que as sondas gêmeas Van Allen NASA capturaram do espaço ecoam o canto dos grilos. Para sua esposa, soam como um coro de pássaros alienígenas.

Mas não há vida onde estes sons são feitos, no fluxo deslumbrante e perigoso de partículas altamente carregadas que rodeiam o nosso planeta.

Durante anos, Kletzing vem monitorando as ondas de rádio que ondulam através do vazio ao redor da Terra. Quando os dados são transformados em arquivos de som, o resultado é uma sinfonia cósmica misteriosa.

"Se você tivesse ouvidos que captassem ondas de rádio... você ouviria essas ondas no espaço", disse Kletzing.


Embora o espaço seja um vácuo, ele não é nem vazio nem tranquilo.

Logo acima da nossa atmosfera existem duas correntes de partículas energéticas vindas do Sol que ficam presas pelo campo magnético da Terra. 

Este fenômeno é vital para fazer com que o nosso planeta seja habitável; os elétrons e prótons capturados movimentam-se para frente e para trás entre os pólos magnéticos da Terra, em vez de fluírem através da atmosfera para bombardear a superfície.

Mas as zonas onde estas partículas habitam, chamada de Cinturão de Van Allen, é perigosa: as partículas presas representam uma ameaça para os satélites e para astronautas na Estação Espacial Internacional, e o cinturão desempenhar um papel no clima espacial que pode destruir as redes de energia no chão.

Mas as zonas onde estas partículas habitam, o chamado Cinturão de Van Allen, ainda são perigosas: As partículas presas representam uma ameaça para os satélites e astronautas na Estação Espacial Internacional, e os cintos de desempenhar um papel no clima espacial que pode destruir as redes de energia no chão.

Um modelo de corte das correntes de Van Allen. As partículas que habitam o cinturão vêm do Sol. (NASA)


"Há muitas razões práticas", para estar interessado nos cinturões de Van Allen, disse Kletzing.

A física desta região violenta é fascinante em si.

Campos elétricos e magnéticos flutuantes lavram através da nuvem de partículas carregadas, chamadas de plasma, roubando energia de algumas partículas e dando a outras, empurrando-as em altas velocidades.

Em 2012, a NASA lançou as Van Allen Space Probes, robôs gêmeos que orbitam a Terra e monitoram esse envelope de partículas carregadas.

As sondas possuem um conjunto de instrumentos chamado EMFISIS, abreviação do inglês para Suite De Instrumentos de Campos Elétricos e Magnéticos e Ciência Integrada. EMFISIS é projetado para detectar ondas de rádio ondulando ao redor da Terra.

"É literalmente como enfiar um microfone no espaço, mas em vez de ouvir a ondas sonoras, ouvimos as ondas eletromagnéticas", disse  Kletzing, investigador principal do EMFISIS.

Os seres humanos não podem ouvir toda a atividade nos cinturões de Van Allen.

Nossos ouvidos respondem apenas às ondas sonoras, o que sentem através da vibração das moléculas que são perturbadas pelas ondas que se propagam pelo ar. No espaço não existe ar - ele é praticamente vazio de matéria - e, portanto, sem som.

Mas as ondas eletromagnéticas estão na mesma faixa de freqüência como a parte do espectro sonoro que é audível para os seres humanos. Era uma simples questão de traduzir essas ondas de rádio como MP3 - transformando dados do EMFISIS em uma transmissão de rádio dos céus.

Uma variedade de ondas soou como sabres de luz de Star Wars. Estas "ondas Whistler" foram gerados por um raio na atmosfera da Terra, que escapou e saltou-se ao longo do campo magnético.


O relâmpago gera ondas em múltiplas frequências, e as ondas (mais agudo) mais rápidas alcançaram os sensores pouco antes das ondas (de baixa-frequência) mais lentas, resultando em campos de assinaturas que dão essas ondas o seu nome. 

 
Quando as ondas se propagam através da plasmasfera - a conha de plasma relativístico de baixa energia que envolve a Terra logo acima da atmosfera - que geram o que é conhecido como o silvo plasmasferico.




 Além da plasmasfera, onde o plasma é mais quente, os elétrons são empurrados em torno de explosões geradas por linhas emaranhadas de campo magnético da Terra.

Como as partículas do Sol são empurrados para o lado noturno da Terra, as partículas de baixa energia criar as ondas "coro" nas quais a esposa de Kletzing disse soavam como pássaros alienígenas.




"Há um lado de mim que ouve e diz" Uau, que formas de onda interessantes", disse Kletzing.

"Mas também há uma parte que apenas escuta, e há uma espécie de espanto em um certo nível em saber que o universo produz coisas que você reconhece: pássaros, e no fundo parece-me... como grilos cantando"

Os sons parecidos com "criquete" são convincentes para Kletzing, não só porque eles evocam uma noite de verão lânguida.

Estes sons sugerem que poderia haver ondas menores no espaço que provocam as maiores - algo que Kletzing nunca percebeu enquanto ele simplesmente olhava para os dados na tela do computador.

2017 © The Washington Post
Pico da chuva de meteoros Delta Aquaridas acontece na madrugada de 30 de julho, com cerca de 10-20 meteoros/hora.



A chuva de meteoros Delta Aquaridas divaga de forma constante entre 12 julho - 23 agosto de cada ano, e com pico no final de julho. Em 2017, a Lua cheia de 7 de agosto significa que a anual famosa chuva de meteoros Perseidas, que ocorrerá quase juntamente com as Aquaridas, será afogada no luar, desta forma, é recomendado que você assista as chuvas de meteoros neste ano começando no final de julho, e, especialmente, a partir deste fim de semana!

Entre meia-noite e a madrugada, as horas de pico da noite para meteoro observação, os céus estarão livres da luz do luar. Você verá um fundo de meteoros magnífico? Provavelmente não, mas você verá alguns meteoros! Esta chuva sobrepõe-se com as Perseidas, então os meteoros estarão voando de duas direções diferentes no céu, portanto, serão muitas chances de ver meteoros no céu.



Céus escuros são os melhores para assistir chuvas de meteoros. Foto por John Hlynialukk no Centro de Educação ao ar livre Bluewater perto Wiarton, Ontário.

Quando e como devo assistir a chuva de meteoros Delta Aquarid? 

A chuva de meteoros Aquaridas tem um pico nominal no final de julho. Em 2017, o a lua quarto crescente não vai interferir nas datas de pico em todo o final de julho. A lua vai definir-se antes da meia-noite, e - como todos os verdadeiros observadores de meteoros sabem - as melhores horas de visualização de meteoros são de meia-noite até antes do amanhecer. Para a Delta Aquarids, o melhor momento é centrado em torno 02:00h para todos os fusos horários ao redor do mundo.

Os meteoros da Delta Aquarid tendem a aparecer um pouco mais fracos do que as Perseidas e outros meteoros observados em outras grandes chuvas. Isso faz com que um céu escuro livre da luz do luar fique ainda mais chamativo para observar a anual chuva Delta Aquaridas.

Os melhores lugares para observar a chuva Delta Aquaridas centram-se no hemisfério sul. Mas os telespectadores em latitudes médias do Norte verão alguns destes meteoros. Aqui no Brasil, espera-se que  uma ampla máxima deste chuveiro para produzir 10 a 20 meteoros por hora, em locais onde o céu está longe de poluição luminosa. 

Cerca de cinco a dez por cento dos meteoros Delta Aquaridas deixar trens de meteoros persistentes - trilhas de gás ionizado que brilham duram um ou dois segundos após o meteoro passar. Os meteoros queimam na atmosfera superior a cerca de 60 milhas (100 km) acima da superfície da Terra. 

Como posso saber quais meteoros são das Perseidas e quais são da Delta Aquaridas?

É aqui onde o radiante do meteoro faz a diferença na hora da identificação. Você não precisará localizar o ponto radiante de uma chuva para desfrutar os meteoros. Mas... se você rastrear todos os meteoros Delta Aquaridas, eles parecerão irradiar a partir de um certo ponto em frente à constelação de Aquário. 

O ponto radiante da chuva Delta Aquaridas quase se alinha com a estrela Skat (Delta Aquarii). A chuva de meteoros é nomeada em homenagem a essa estrela.

Já as Perseidas irradiam da constelação Perseus, no nordeste no norte entre meia-noite e a madrugada, a partir do Hemisfério Norte. Então, se você está neste hemisfério, estiver observando os meteoros e observar os meteoros vindos do nordeste ou norte...eles fazem parte das Perseidas. Se você vê-los vindo do sul... eles são Delta Aquáridas.

Se você está no Hemisfério Sul, a Delta Aquaridas estará irradiando quase em cima de sua cabeça. As Perseidas estarão irradiando meteoros de baixo para cima no céu de algum lugar ao longo de seu horizonte norte.

Num ano particularmente rico para meteoros, se você tem um céu escuro, você pode até ver meteoros Perseidas cruzarem com meteoros Delta Aquaridas! Pode ser uma fantástica exibição.

Qual a origem da chuva Delta Aquaridas?



O Cometa 96P Machholz, o possível pai da chuva de meteoros Delta Aquarid, foi discoberto em 12 de Maio de 1986 por Donald Machholz. Foto: Wikimedia Commons

Meteoros Delta Aquarid tem origem possivelmente no cometa 96P Machholz. Chuvas de meteoros ocorrem quando o nosso planeta Terra cruza a órbita de um cometa. Quando um cometa se aproxima do Sol e aquece, ele lança pedaços que se espalham na corrente orbital do cometa. Este cometa lança detritos para a atmosfera superior da Terra em cerca de 90.000 milhas (150.000 km) por hora, vaporizando - queimando - formando os meteoros ou estrelas cadentes, no termo popular.

Não se conhece exatamente o corpo pai dos meteoros Delta Aquaridas. Já se pensou que a origem das Aquaridas é oriunda da cisão do que são agora são os cometas Marsden e Kracht. Mais recentemente, o cometa 96P Machholz apareceu como o candidato principal como sendo o corpo pai da Delta Aquaridas.

Donald Machholz descobriu este cometa em 1986. É um cometa de curto período cuja órbita o leva em torno do Sol uma vez em pouco mais de cinco anos. No afélio - sua maior distância do Sol - este cometa vai além da órbita de Júpiter. No periélio - seu ponto mais próximo do Sol - o Cometa 96P Machholz oscila bem dentro da órbita de Mercúrio.

O cometa 96P/Machholz ficou no periélio em 14 de julho de 2012 e será seguido pelo periélio novamente em 27 de outubro de 2017.


A chuva de meteoros Delta Aquaridas divaga muito firmemente no final de julho e agosto, coincidindo com as Perseidas. De qualquer fuso horário, a melhor janela de visualização está centrada em cerca de 2-3 am. Encontre um céu aberto longe das luzes artificiais, deite-se em uma cadeira reclinável ou um gramado confortável e observe diretamente para cima, na direção da constelação de Aquário. Em 2017, as perspectivas para assistir às Delta Aquaridas no final de julho são muito boas. Um céu limpo, sem luar, 

Fontes: EarthSky
- - -

Newsletter