Select Menu
» » » » » Fogos de artifício cósmicos celebram o 25º aniversário do Hubble
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Aglomerado  Westerlund 2. Céditos: NASA, ESA, Hubble Heritage Team (STScI/AURA), A. Nota (ESA/STScI), e o time científico Westerlund 2.

Esta tapeçaria cósmica de estrelas jovens, vista nesta nova imagem do Hubble Space Telescope - NASA/ESA, assemelha-se a um escudo explodindo em uma exibição de fogos de artifício. Esta imagem vibrante do aglomerado estelar Westerlund 2 foi criada para comemorar o vigésimo quinto ano do Hubble em órbita e um quarto de século de novas descobertas, impressionantes imagens e ciências pendentes.

Em 24 de abril de 1990, o telescópio Hubble da NASA/ESA foi enviado em órbita a bordo do ônibus espacial Discovery como o primeiro telescópio espacial de seu tipo. Ele ofereceu uma nova visão do universo e tem, por 25 anos, atingindo e superado todas as expectativas, transmitir dados e imagens que mudaram a compreensão dos cientistas do universo e a percepção do público.

Nesta imagem, os fogos de artifício e as bodas de prata do Hubble são na verdade uma gigante aglomerado de cerca de 3000 estrelas chamado Westerlund 2. O aglomerado reside em terreno fértil estelar conhecido como goma 29, localizada 20.000 anos-luz de distância na constelação de Carina.

O berçário estelar é difícil de observar porque está rodeado de poeira, mas 3 câmeras largo campo do Hubble olharam através do véu empoeirado em luz infravermelha e os astrônomos estão tendo uma visão mais clara do aglomerado. A visão afiada do Hubble resolve a densa concentração de estrelas no aglomerado central, que mede apenas cerca de 10 anos-luz. 

O aglomerado estelar gigante tem apenas cerca de 2 milhões anos de idade, mas contém algumas das estrelas mais brilhantes, mais quentes e mais massivas já descobertas. Algumas das estrelas mais massivas estão esculpindo cavidades profundas no material circundante, desencadeando torrentes de luz ultravioleta e correntes de alta velocidade de partículas carregadas, conhecidas como ventos estelares. Estes estão representadas fora da nuvem de gás hidrogênio envolvente em que as estrelas nasceram e são responsáveis para as formas estranhas e maravilhosas das nuvens de gás e poeira que vemos imagem.

Os pilares da imagem são compostos de poeira e gás denso e estão resistindo a erosão da radiação e ventos fortes. Estes monólitos gasosos têm alguns anos-luz de altura e apontam para o aglomerado central. Outras regiões densas cercam os pilares, incluindo filamentos escuros de poeira e gás.

Além de esculpir o terreno gasoso, as estrelas brilhantes também podem ajudar a criar uma nova geração. Quando os ventos estelares atingirem paredes densas do gás, eles criarão os choques, que geram uma nova onda de nascimento de estrelas ao longo da parede da cavidade. Os pontos vermelhos espalhados por toda a paisagem são uma população rica de formação de estrelas ainda encapsuladas em seus casulos de gás e poeira. Estes fetos estelares ainda não tem queimado o hidrogênio em seus núcleos, ascendendo como estrelas reais. No entanto, a visão de infravermelha do Hubble permite que os astrônomos identifiquem esses filhotes. O azul brilhante das estrelas visto em toda a imagem estão principalmente em primeiro plano.

A região central da imagem, contendo o aglomerado central, combina dados de luz visível, tirados pela câmera avançada para pesquisas e exposições de infravermelho feitas pela câmera 3 (de campo amplo). A região circundante é composta de luz visível captadas através de observações feitas pela câmera avançada.

Esta imagem é um testamento do poder observacional do Hubble e demonstra que, mesmo com 25 anos de operações, a história do Hubble não acabou. O Hubble está limpando o palco para seu companheiro o James Webb Space Telescope — agendado para lançamento em 2018 — mas não será imediatamente substituído por esta nova façanha de engenharia, mas, em vez disso, ele trabalhará paralelo ao James. Agora, 25 anos após o lançamento, é a hora de comemorar o futuro do Hubble, bem como sua história notável.

Traduzido e adaptado de Phys

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter